Menu
SADER_FULL
domingo, 28 de fevereiro de 2021
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
DENGUE MATA

Dengue volta a matar e 03 óbitos são registrados, 01 delas em Itaporã e outras 02 cidades do MS

Dengue volta a matar e 03 óbitos são registrados, 01 delas em Itaporã e outras 02 cidades do MS

27 Ago 2020 - 17h56Por Correio do Estado

Depois de dois meses e meio sem registrar mortes, a dengue voltou a fazer vítimas em Mato Grosso do Sul.

De acordo com boletim epidemiológico divulgado nesta quinta-feira (27), foram confirmados três novos óbitos no Estado, que soma 42 mortes no ano. Desde o dia 11 de junho não havia mortes pela doença.

Uma das vítimas é um homem de 72 anos, morador de Itaporã, que sofria de doença renal crônica e morreu no dia 5 de junho, mas houve a comunicação tardia à Secretaria Estadual de Saúde.  

Em Miranda, a dengue vitimou uma mulher de 68 anos, que tinha como comorbidade hepatopatias e tabagismo; e em Anastácio vítima era mulher de 58 anos, com obesidade, cardiopatia crônica e tabagismo.

Outras 39 mortes registradas no ano ocorreram em Campo Grande (7), Corumbá (4), Dourados (3), Naviraí (3), Chapadão do Sul (2), Ponta Porã (2), Caarapó (2), Mundo Novo (2) e Sete Quedas, Itaquiraí, Laguna Carapã, Ivinhema, Nova Andradina, Sidrolândia, Bodoquena, Aquidauana, São Gabriel do Oeste, Itaporã, Pedro Gomes, Costa Rica, Cassilândia e Paranaíba.  

Em todo o ano passado, 29 pessoas morreram de dengue em Mato Grosso do Sul, sendo que em oito meses deste ano mortes já são 41% maiores.  

De janeiro até esta quinta-feira (27) foram notificados 68.029 casos suspeitos de dengue no Estado.  

Taxa de incidência de dengue é de 2.448,0, o que o mantém o Estado em segundo lugar no ranking de estados com maior incidência da doença no País.  

É considerada alta incidência quando há mais de 300 casos para cada 100 mil habitantes. Todos os 79 municípios do Estado se enquadram nesta definição.
 
DENGUE

Dengue é uma doença febril aguda, transmitida pelo mosquito Aedes aegypti. 

Segundo a Secretaria Estadual de Saúde (SES), enquanto a maioria dos pacientes se recupera após evolução clínica leve e autolimitada, uma pequena parte progride para doença grave. Fatores de risco individuais determinam a gravidade da doença e incluem idade, comorbidades (doenças pré-existentes) e infecções secundárias.  

Principal forma de prevenção é evitar água parada em qualquer local em que ela possa acumular, que são locais de criadouro do mosquito, que também transmite zika e chikungunya.

Deixe seu Comentário

Leia Também

AÇÕES CONTRA NOVA VARIANTE
SES inicia tratativas para evitar que nova variante do coronavírus chegue no Estado
LUTO NO JORNALISMO
LUTO NO JORNALISMO: Morre fotojornalista do Correio do Estado, Valdenir Rezende
LUTO NA MÚSICA
Sambista, ela era um dos principais nomes da música morre de Covid aos 49 anos
Até na chuva clamor por médico é realizado - Crédito: Reprodução Facebook LUTA PELA VIDA
COM COVID, Médico em estado grave recebe orações diárias em frente a hospital em MS
DIAS TERRÍVEIS
'Vamos viver dias terríveis': MS chega a média de 850 casos por dia e internações aumentam
DOURADOS - UNIGRAN
Com exames gratuitos para mulher, UNIGRAN recebe Unidade Móvel do Hospital de Amor em março
TOQUE DE RECOLHER
Governo prorroga toque de recolher e restrições seguem até 12 de março
AÇÕES DO GOVERNO MS
Parceria vai levar assist. documentação e benef. para 8 comunidades ribeirinhas na região pantaneira
VACINAS POR MUNICÍPIOS
Confira quantas doses de vacina contra a Covid cada município está recebendo neste 5º lote em MS
ALERTA EPIDEMIOLÓGICO
Covid-19: Brasil registra 1.541 mortes em 24 horas