Menu
SADER_FULL
quinta, 25 de fevereiro de 2021
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
SUPERAÇÃO

Como a canoagem tirou gerente do Balneário de Bonito do fundo do poço e o fez vencer o álcool

Aos 44 anos, o bonitense Flávio Reverdito conta como venceu a dependência e a obesidade através do esporte.

7 Jan 2021 - 08h06Por Campo Grande News

Remando contra o vício, remando por uma vida melhor. É dessa forma que o canoísta Flávio de Souza Reverdito, que hoje completa 44 anos, vive seus dias nos últimos três anos. O gerente do principal balneário de Bonito – sua cidade natal – encontrou na canoagem uma forma de se libertar da dependência em álcool e da obesidade. Hoje ele comemora medalhas, a transformação de uma vida e a felicidade ao lado da família.

A relação com a canoagem começou na adolescência, quando se tornou funcionário de uma das primeiras agências da cidade turística. Iniciou como remador em barco de passeio até que um amigo que pediu para aprender a remar barcos o ensinou a canoagem.

Flávio logo se apaixonou e passou a treinar nas horas vagas. Formou uma equipe sólida em Bonito e chegou ao primeiro lugar em campeonatos estaduais e nacionais de canoagem. Mas o sucesso só vingou de 1995 a 1999.

Assim como a canoagem, a relação com o álcool começou cedo, como acontece com milhares de jovens no Brasil. Na adolescência tomou os primeiros goles de bebida alcoólica para experimentar, em seguida veio a vontade de beber quase todos os dias. Depois disso começou a consumir álcool cada vez mais, até que a bebida o fez sofrer um grave acidente de moto no ano 2000.

“Perdi os movimentos e a sensibilidade dos braços e pernas. Permaneci 30 dias imobilizado até avaliação médica para fisioterapia. Foi longo e doloroso processo', conta.

Após o acidente de moto, Flávio lembro que Bonito explodiu no cenário turístico. “Vi pessoas do Brasil inteiro entrando e saindo de Bonito, com isso muita novidade e, assim, vi alguns colegas bem próximos se envolverem com drogas, o que eu sempre tive medo'.

Além da realidade dos amigos e a distância do esporte, outro fator determinante para vício era a insatisfação após o acidente. “Bebíamos toda tarde após o trabalho e isso foi ficando mais frequente. Lembro que naqueles anos trabalhava de ressaca, não tinha o mesmo rendimento, o dia parecia longo, e ainda era remador e precisava fazer um esforço físico enorme'.

Depois de abandonar a canoagem e cansado de remar diante do vício, Flávio procurou uma nova ocupação e se casou. “Fui trabalhar como motorista de ônibus, em seguida montei um comércio, uma mercearia, onde bebia todos os dias. Só não bebia durante o trabalho porque não dava, mas nos finais de semana era o dia todo', revela.

Flávio começou a ganhar peso quando ainda bebia todos os dias e não praticava mais atividade física. Viu seu corpo sair dos 75 quilos para os 105 quilos em questão de meses. A obesidade trouxe o cansaço e ele se viu cada vez mais distante da vontade de remar. Mas o que ele não imaginava era que na tentativa de “salvar' um amigo, ele é quem poderia ser salvo.

Transformação – “Um amigo de trabalho, também remador, sofreu um acidente e ficou paraplégico. Ele também era ex atleta de canoagem. Um dia ele me ligou e pediu para adaptarmos um caiaque para conseguir remar. Falei que o ajudaria, mas não queria mais saber de remar novamente. Só que aos poucos ele foi me levando para a água até o dia que me vi participando de uma prova em Corumbá, aos 105 quilos', lembra.

Naquela competição, Flávio ficou em terceiro lugar, título crucial no desejo de remar contra o fundo do poço que ele tinha chegado. “Nessa época eu casei, constitui família, estava estruturado financeiramente, mas era um homem dependente de álcool e isso me fez fazer uma retrospectiva da minha vida. Olhei para traz e senti falta dos meus 75 quilos, da sobriedade, do esporte'.

Flávio participou de mais uma competição em 2018 e ficou bem colocado, foi quando decidiu que estava na hora de mudar de vida. “Decidi tomar uma atitude e parar de beber. Vencer o vício não é fácil. Vivi momentos muito difíceis. Várias vezes sonhei que estava tomando cerveja e precisava lutar contra essa vontade'.

O pai de dois filhos, que sonhava em aproveitar a vida com a família longe da dependência do álcool, voltou a pedalar, treinar judô e remar para competir. Flávio passou a treinar de segunda a sábado, intercalando com outros esportes, longe da bebida alcoólica.

Em 2019, ganhou todas as provas que competiu nos campeonatos estaduais e brasileiro e diz que chegou a ser convocado para compor a delegação brasileira na Carolina do Norte, nos Estados Unidos.

“Corri atrás de patrocínio junto aos amigos e o comércio local, tirei toda documentação, mas, nas vésperas de embarcar, veio a covid-19 e travou tudo', diz. Mas Flávio não se lamenta. “O que me deixa feliz é saber que o esporte transforma. Fui ajudar um amigo e eu fui ajudado.'

Flávio faz questão de atribuir sua trajetória de superação ao grande amigo, Roberto Pellim, paratleta de canoagem e campeão brasileiro. “Um homem guerreiro, sempre pontuando e com alto nível e índice em provas de canoagem. Quando olho para trás só consigo acreditar que foi Deus que colocou ele e outras pessoas importantes no meu caminho para superar tudo isso. Me sinto feliz'.

Deixe seu Comentário

Leia Também

ALERTA EPIDEMIOLÓGICO
Covid-19: Brasil registra 1.541 mortes em 24 horas
CASO RARO
Filhote de cachorro nasce com seis patas e duas caudas
TRISTEZA NA FAMILIA
Pai e filho morrem de Covid-19 com poucas horas de diferença
MS - 3.270 MORTES
Após correção nos sistemas oficiais, MS passa a registrar 3.270 óbitos por coronavírus
AÇÕES DO DEPUTADO BARBOSINHA
Barbosinha pede que Estado faça campanhas para prevenir aumento de queimados pelo uso de alcool gel
FÁTIMA DO SUL - BOLETIM COVID-19 FÁTIMA DO SUL - BOLETIM CORONAVÍRUS
COVID: Mais 08 novos positivos são registrados nas últimas 24h, veja o MAPEAMENTO em Fátima do Sul
PANDEMIA CORONAVIRUS
Prosseguir: MS tem 31 municípios na bandeira vermelha, incluindo Fátima do Sul
DEFESA SANITARIA
MS terá conselho municipal de saúde animal visando evolução do status sanitário da Aftosa
FOTO: HEALTH-CORONAVIRUS-BRAZIL-VACCINES-2 AÇÕES DO O BOTICÁRIO
O Boticário destina R$ 2,5 milhões para construção da fábrica de vacinas do Instituto Butantan
LUTA PELA VIDA
Gloriadouradense com covid precisa de transfusão de sangue, VAMOS AJUDAR