Menu
SADER_FULL
domingo, 25 de julho de 2021
Busca
Saúde

Brasil tem primeiros casos de febre chikungunya, transmitida pelo mosquito Aedes aegypti

Doença é transmitida pelo mosquito Aedes aegypti e tem ciclo de contaminação mais rápido do que a dengue

17 Set 2014 - 10h02Por MSN

O Ministério da Saúde confirmou na tarde desta terça-feira, 16, os primeiros casos de transmissão da febre chikungunya no Brasil em toda a história. Trata-se de um pai e uma filha, moradores de Oiapoque, no Amapá e com idade de 53 e 31 anos, respectivamente. Nenhum deles viajou para fora do Brasil, algo que dá certeza que a transmissão ocorreu no território nacional.

 

Uma das maiores preocupações é a de que o vírus pode ser transmitido por dois mosquitos conhecidos de brasileiros: o Aedes aegypti e  o Aedes albopictus, ambos transmissores da dengue. O ciclo de transmissão da doença é mais rápido do que o da dengue. Bastam sete dias para que o mosquito contaminado possa transmitir a doença para a população.

 

Transmitido pela picada de mosquito infectado com o vírus CHIKV, o chikungunya provoca febre alta, dores de cabeça, erupção de pele, conjuntivite e dor nas articulações. Esta última, pode durar meses. O tratamento é feito com medicamentos para combater os sintomas da doença. Alguns pacientes precisam fazer fisioterapia para reduzir as dores nas articulações.

 

Chikungunya começou a se espalhar pelo mundo em 2013, quando a doença passou a afetar a região do Caribe. Desde então, foram encontrados casos em Venezuela e Guiania, Panamá, Porto Rico, Suriname. Cerca de 650 mil casos foram suspeitos , com 9 mil confirmados em laboratório. No Brasil, três casos importados haviam sido confirmados em 2010. O número saltou para 37 casos importados.

Os dois casos brasileiros foram confirmados semana passada. Os pacientes passam bem. De acordo com o secretário de Vigilância em Saúde, Jarbas Barbosa, a maior preocupação para Chikungunya é de janeiro a maio. Ele não quis fazer previsões sobre a dimensão de uma eventual epidemia. 

Barbosa lembrou que a transmissão é rápida - a exemplo do que ocorre com a dengue. Mas ele observa que toda a população brasileira é suscetível. Barbosa afirmou que neste ano, o LIRAa, levantamento de infestação rápido de mosquitos será feito não apenas do Aedes aegypti, mas também do Aedes albopictus."Estamos nos preparando para o pior cenário. Se houver mosquito, pode haver transmissão. Não vale a pena apostar contra o chikungunya. É importante que todo município redobre os esforços de prevenção", disse Jarbas Barbosa.

O secretário afirmou que a campanha deste ano vai alertar sobre os riscos de chikungunya. 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Foto: Mycchel Legnaghi - São Joaquim online PREVISÃO DO TEMPO
Maior frio do ano? Temperaturas negativas, geada e até neve!
FRIO INTENSO
Frio chega com força e pode ser o mais intenso do século no Brasil
VACINA CORONAVÍRUS EM MS
ALERTA: Não é momento de descuidar, taxa de contágio tem leve aumento em MS
ASTRAZENECA VACINA ASTRAZENECA
AstraZeneca: 02 doses têm proteção de 93,6% contra mortes por Covid, entenda sobre a 1ª e 2ª doses
LUDELÇA DORNELLES FÁTIMA DO SUL - NOVO DECRETO
Fátima do Sul tem novo Toque de Recolher, Secretária fala sobre decreto, casos e vacinas, ASSISTA
IMUNIZAÇÃO
Mato Grosso do Sul imuniza mais de 88% dos maiores de 60 anos
CONTAGIO DA COVID
Taxa de contágio da covid se mantém abaixo de 0,90 há uma semana em MS
UNIVERSALIZAÇÃO DO ESGOTO
Um ano após do Marco Legal do Saneamento, MS segue à frente no processo de universalização do esgoto
af32de81 3412 4324 b07f a40e9d7b6bf4 LUTO - FATIMA DO SUL
Fátima do Sul se entristece com o falecimento do centenário "seu Joaquim"
CORONAVÍRUS EM MS
Com quedas na taxa de ocupação de leitos, Estado registra 96 vagas para Covid-19