Menu
SADER_FULL
segunda, 3 de agosto de 2020
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
BANNER ECO TOUR
dourados

Bebê morre antes do parto e família acusa Hospital Universitário de negligência

Família diz que gestante foi até o hospital diversas vezes nos últimos dias

16 Out 2013 - 16h00Por 94 Fm

No início da manhã de ontem (15), às 05h40, um bebê do sexo feminino nasceu morto no HU (Hospital Universitário) de Dourados. A família alega que o óbito é resultado de negligência do HU, que por diversas vezes negou atendimento à gestante e a mandou de volta para casa. O casal tem uma outra filha, de três, que a todo momento durante o velório perguntava se a irmã iria acordar.

A mãe da vítima, a dona de casa Josiele Lucas, 20 anos, diz que desde o dia 08 foi até o hospital pelo menos sete vezes, reclamando de dores e alegando estar em trabalho de parto. Contudo, os médicos reiteradas vezes disseram que ainda não era o momento do bebê nascer e a mandavam de volta.

Já o pai da criança, o caseiro Geigue Alves da Silva, 21 anos, diz que na madrugada de ontem a esposa teve dores mais intensas e então ele mais uma vez acionou o Samu, que rapidamente atendeu a ocorrência e a levou para o hospital. Chegando ao local a gestante foi logo encaminhada para a sala de parto, mas segundo o pai, a criança já nasceu morta, estava muito roxa e havia defecado dentro da bolsa, em um processo conhecimento como ‘mecônio’, que caracteriza sofrimento fetal antes da morte.

Josiele diz que assim que entrou na sala de parto e o marido permaneceu na recepção, os enfermeiros começaram a ofendê-la, dizendo: “Para de se mexer, se você cair no chão vai ficar no chão”, disse.

Ainda de acordo com o pai, o ideal é que o parto tivesse sido realizado assim que os primeiros sintomas surgiram, na terça-feira passada. “Durante o pré-natal foi tudo bem, não apresentou nenhum problema. Esse povo não tem coração, um dia a mais para uma criança dentro da barriga da mãe é muito tempo. É muita falta de responsabilidade”, lamentou.

Em nota, o Hospital Universitário rebate as acusações, leia:

Segundo informações do setor de Obstetrícia do HU/UFGD, em todas as consultas anteriores à data do parto, a paciente foi examinada e não encontrava-se em trabalho de parto. Nestas avaliações, segundo a direção do setor, não havia intercorrências e estava tudo bem com a mãe e o bebê.

A paciente somente entrou em trabalho efetivo de parto na manhã de ontem (15), quando foi constatado o óbito fetal ANTES DO PARTO, situação em que a mãe e família foram informadas. A paciente foi encaminhada para o parto normal, situação usual em caso de natimortos.

Vale lembrar que o Hospital possui uma comissão de morte fetal e neonatal, que investiga todos os casos e que inclusive já foi acionada para investigar este atendimento. Sobre a data provável do parto (que, segundo o pai, deveria ser em 12 de outubro), a direção do setor explica que os médicos trabalham com previsão de datas, mas o parto pode ocorrer normalmente e sem riscos antes ou depois desta data.

Deixe seu Comentário

Leia Também

DOURADOS - 57 MORTES
Dourados confirma o 57º óbito e chega a 4.357 casos registrados desde o início da pandemia
MS - 404 MORTES
Taxa de letalidade da covid continua crescendo e MS ultrapassa 400 mortes
FAKE NEWS
É falso que Hospital da Sias recebe R$ 18 mil por cada óbito registrado como covid-19
PERDAS NA PANDEMIA
Morre 5º pastor da Assembleia de Deus vítima da covid-19
COVID-19 NAS ALDEIAS DO MS
Com mais morte nas aldeias, indígenas são 84% dos óbitos por coronavírus em cidade de MS
MARMITARIA FAVO DE MEL
Marmitaria Favo de Mel de Fátima do Sul serve neste domingo Combo Familiar
CORONAVÍRUS NO MS
CHEGOU: Única cidade que não tinha coronavírus, agora tem, e covid está presente em 100% de MS
DEODÁPOLIS - EMOÇÃO
ASSISTA: Emoção marca o retorno de quem lutou e venceu a covid-19 em Deodápolis
FÁTIMA DO SUL - BOLETIM CORONAVÍRUS
Confirmada a morte por covid-19 de homem de 61 anos, Fátima do Sul entra no 4º dia sem registrar
CORONAVÍRUS NO MS
MS completa 06 meses de ações contra o coronavírus, confira o balanço geral