Menu
SADER_FULL
sexta, 30 de outubro de 2020
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
ZANZI
POLÍTICA

Mudanças em regras eleitorais estão prontas para votação no plenário do Senado

20 Mar 2014 - 14h15Por Agência Brasil

Depois de serem aprovadas hoje (20) pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado, estão prontas para ir à votação no plenário da Casa duas propostas de emenda à Constituição (PECs) que alteram regras eleitorais. A primeira é a PEC (73/201) que obriga a renúncia, seis meses antes do pleito, dos chefes do Executivo que se candidatem à reeleição.

A exigência de afastamento consta de substitutivo do senador Luiz Henrique (PMDB-SC). A proposta original determinava a desincompatibilização do presidente, do governador e do prefeito como condição para a candidatura à reeleição, mas para o relator da matéria na comissão, senador Luiz Henrique (PMDB-SC) a redação poderia dar margem a interpretações de que esse afastamento não seria definitivo.

Na avaliação do catarinense, “a reeleição introduziu um viés quase insuperável em favor da continuidade da administração”. Além disso, a dificuldade de distinção entre os papéis de candidato e de mandatário produz um favorecimento incompatível com um processo eleitoral realmente democrático, ainda que o governante-candidato aja de boa-fé e não abuse do poder que detém.

Outro texto aprovado é a PEC (38/2007) impede o terceiro mandato dos chamados prefeitos itinerantes. Esses políticos costumam mudar de domicílio eleitoral no último ano do segundo mandato para tentar um terceiro mandato em município vizinho.

No relatório, apesar de ter concordado com a necessidade de uma norma para acabar com essa prática, o senador Valdir Raupp (PMDB-RO) foi contrário à perda de mandato, proposta pelo autor nesses casos. Para Raupp, a mudança de domicílio eleitoral está prevista em lei e, por isso, não pode motivar a perda de um mandato. Para ele, o que fere a Constituição “é a perpetuação no poder e o apoderamento de unidades federadas para a formação de clãs políticos ou hegemonias familiares”.

Para acabar definitivamente com a brecha na legislação atual, ele propõe incluir parágrafo ao Artigo 14 da Constituição para prever que presidente da República, governadores, prefeitos “e quem os houver sucedido ou substituído no curso dos mandatos poderão ser reeleitos para um único período subsequente, vedado o terceiro mandato consecutivo, ainda que em circunscrição diversa”.

Por sugestão do senador José Pimentel (PT-CE), a CCJ aprovou uma emenda que deixa explícita a proibição de terceiro mandato apenas para o mesmo cargo. “Se não for feita essa modificação, governadores que cumpriram dois mandatos no Executivo não poderão concorrer ao Senado, por exemplo”, ponderou Pimentel.

Deixe seu Comentário

Leia Também

DEODÁPOLIS - CANDIDATURAS LARANJAS
'Candidaturas Laranja' de mulheres podem derreter candidatura a prefeito de Deodápolis
MS ENTRE OS 5 DO PAÍS
Mato Grosso do Sul é o 5º maior gerador de empregos do país no acumulado de 2020
MS 43 ANOS
Em Pedro Gomes, Governo do Estado investe R$ 13,7 milhões em obras de infraestrutura
INCÓGNITA
Governo ainda não definiu como será o 13º de quem teve corte salarial
PRÊMIO GESTÃO PÚBLICA
Por meio virtual, Escolagov entrega XV Prêmio na Gestão Pública
Obra feita pelo Governo do Estado na Avenida Hayel Bon Faker, em Dourados (Foto: Helio de Freitas) DOURADOS - AÇÕES GOVERNO MS
Governo de MS libera mais R$ 10 milhões para recuperar ruas da área central em Dourados
NOTA DO PT
Discussão entre candidato a prefeito e vereadora de C. Grande motiva Nota do PT
FOI MAL
Bolsonaro recua e revoga decreto que facilita privatização dos postos do SUS
AGRESSÃO
Vídeo: Pedro Kemp surta, xinga e agride candidata à vereadora pelo PT
MS 43 ANOS
Investimentos do Governo promovem desenvolvimento urbano em Sonora