Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
quinta, 13 de agosto de 2020
SADER_FULL
Busca
ÁGUAS DE BONITO
redução de 20% dos valores

MS reduz impostos dos protetores solares para aumentar uso e evitar câncer de pele

A medida vai reduzir em média 20% dos valores hoje praticados no mercado ao consumidor

3 Out 2013 - 13h08Por Assessoria

Mato Grosso do Sul é o único Estado da federação que promoveu a classificação dos bloqueadores solares, bronzeadores e filtros, de “cosméticos” para “remédios”, como forma de reduzir drasticamente os tributos incidentes sobre esses produtos, tornando-os mais acessíveis para a população e, consequentemente, aumentando a proteção das pessoas contra o câncer de pele, cujas estatísticas estão cada vez mais elevadas.

Essa mudança só foi possível graças à ação do deputado Marcio Fernandes, autor da lei Nº 3.495, de 13 de fevereiro de 2008, regulamentada pelo decreto n º 13.720, de 23 de agosto de 2013, onde consta que o protetor solar deve ser considerado medicamento ao invés de cosmético, para fins de tratamento tributário. Passou da incidência de 60% MVA (Margem de Valor Agregado) para 33,05% alíquota interna e 38,24% na alíquota interestadual, proporcionando uma redução de custo ao consumidor em torno de 20% em relação aos preços de mercados hoje praticados.

Marcio Fernandes, durante entrevista coletiva nesta manhã, ao lado da médica especialista pela Sociedade Brasileira de Dermatologia, Dra. Melina Quintella e do vice-presidente da Faems (Federação das Associações Empresariais de Mato Grosso do Sul), Luiz Fernando Buainain,  disse que acredita que com essa medida a população fará mais uso desses produtos que protegem a pele do forte sol que tem sido registrado, com aumento cada vez maior, nos últimos anos. “Se os preços tornarem-se populares, as pessoas farão mais uso deles e, consequentemente, ficarão mais protegidas contra o câncer de pele”, explica.

O deputado informou também que com essa redução tributária os bronzeadores, filtros solares e bloqueadores ficarão em média 20% mais baratos que os preços hoje praticados no mercado ao consumidor. “isso vai facilitar o acesso de todos a esses produtos que são necessários para prevenção ao câncer”, afirmou.

Em reunião no gabinete do deputado Marcio Fernandes, foram apresentados aos farmacêuticos as mudanças para o setor após a lei, e também ideias de conscientização para incentivar o uso do protetor solar. Para o presidente do CRF-MS (Conselho Regional de Farmácia de Mato Grosso do Sul), Ronaldo Abrão, a partir dessa lei o protetor solar fará parte dos medicamentos de uso racional, pois são necessárias as seguintes características: medicamento certo para a enfermidade, na dosagem correta para o paciente, no tempo correto de uso e com preço acessível. “O protetor solar tem todas as qualidades, só faltava ser acessível, e agora com essa lei do deputado Marcio Fernandes, facilitará o uso constante do produto”, diz Abrão.

Para os farmacêuticos, essa conquista significa uma grande vitória, afinal os profissionais trabalham em prol da cura. Os empresários do setor, como o vice-presidente da Faems (Federação das Associações Empresariais de Mato Grosso do Sul), Luiz Fernando Buainain, também demonstraram apoio a essa novidade no segmento, “Fico realmente muito feliz com essa notícia, o câncer de pele é uma doença que a cada ano se torna mais preocupante, é bom poder contar com atitudes ligadas em prol da sociedade”, diz Buainain.

INCIDÊNCIA NO BRASIL - O câncer de pele é uma doença frequente, sendo o mais incidente no Brasil. Segundo dados do INCA (Instituto Nacional do Câncer), o carcinoma basocelular e epidermóide são os mais comuns e correspondem a 70% e 25%, respectivamente, dos casos totais de câncer de pele. O Centro-Oeste é o que tem os maiores números de casos de câncer de pele, a cada 100 mil homens a incidência é em 124, e nas mulheres a cada 100 mil, a incidência é em 109. “Após muitas pesquisas relacionadas ao câncer de pele, percebi que tínhamos que lutar a favor da prevenção dessa doença, e daí a ideia de tornar o protetor solar acessível a toda população”, explica o deputado Marcio Fernandes.

Conforme padrão estabelecido pela OMS (Organização Mundial da Saúde), o IUV (índice ultravioleta), de 1 a 2 é considerado baixo, de 3 a 5 é apontado como moderado, de 6 a 7 são altos, entre 8 e 10 são considerados muito alto, enquanto os superiores a 10 são apontados como extremos. Mato Grosso do Sul é um dos estados que tem um dos maiores índices de raios solares, é o que afirma a médica especialista pela Sociedade Brasileira de Dermatologia, Dra. Melina Quintella. “O índice ultravioleta em Mato Grosso do Sul, está numa média de 13 a 15, é muito alto, e sim, o protetor solar é fundamental para proteger a pele das consequências da exposição solar”, diz Dra. Melina Quintella, CRM-MS 4167

Deixe seu Comentário

Leia Também

VOLTA ÀS AULAS NO MS
Governo avalia testagem em massa para volta às aulas em MS
AÇÕES DO GOVERNO DE MS
Pela primeira vez agricultores familiares do MS serão contemplados com recursos do PAA
AÇÕES DO GOVERNO DE MS
Programa do Governo MS beneficia Agricultura Familiar e assegura comida para famílias carentes
AÇÕES DO DEPUTADO BARBOSINHA
Barbosinha pede a Tereza Cristina recursos para construir uma Ceasa em Dourados
AÇÕES DO GOVERNO DE MS
Governo de MS lança licitação para obra de asfalto na MS-270 em Ponta Porã
AÇÕES DO GOVERNO DE MS
“Estamos saindo na frente”, diz Reinaldo sobre projeto de concessão da Sanesul
COVID-19
Em sessão remota, Eduardo Rocha pede um minuto de silêncio pelas mais de 100 mil mortes por covid-19
INVESTIMENTOS DO GOVERNO MS
Revitalização da Mato Grosso tem custo reduzido e quilômetro sai por R$ 759 mil
DEODÁPOLIS - NAS REDES SOCIAIS
Márcio Teles pede reativação do centro cirúrgico do HMCR em Deodápolis
DEU RUIM - OZONIOTERAPIA
COVID: Deputada que apoia aplicação de ozônio no combate ao coronavírus é internada com covid-19