Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
domingo, 25 de julho de 2021
SADER_FULL
Busca
eleição presidencial

Eduardo Campos fez doação pós-morte de R$ 2,5 mi ao PSB

O valor, equivalente a cinco vezes o patrimônio de Campos

10 Set 2014 - 08h59Por Carta Capital

O comitê financeiro do PSB à Presidência da República informou ao Tribunal Superior Eleitoral ter recebido uma doação do falecido ex-governador de Pernambuco Eduardo Campos. Na planilha enviada ao TSE no início de setembro, a contribuição está registrada com a data de 14 de agosto, um dia depois do acidente aéreo com o então presidenciável. A doação atribuída a Campos é quase cinco vezes maior do que o patrimônio declarado por ele ao registrar sua candidatura, de 546 mil reais.

O atual responsável pela gestão financeira do comitê presidencial do PSB é o tesoureiro do partido, Márcio França. O deputado federal é candidato a vice na chapa do governador Geraldo Alckmin, do PSDB, que tenta a reeleição em São Paulo.

Quando o PSB ratificou Marina como candidata no lugar de Campos, ela decidiu nomear alguém de sua confiança para comandar as finanças da campanha. O cargo pertencia então a Henrique Costa, da confiança de Campos. Marina primeiro escolheu seu chefe de gabinete no tempo de ministério, Bazileu Margarido. Depois, Marina reforçou a equipe com um banqueiro com passagem pelo Citibank, Álvaro de Souza.

A presidenciável não estava à vontade com os acordos financeiros que Campos fechara com aliados em troca de apoio. Um dos partidos da coligação presidencial do PSB, o PPS já recebeu, por exemplo, meio milhão de reais em recursos arrecadados e transferidos pelo comitê financeiro do PSB. Vários candidatos a governador pelo PSB também já obtiveram verba por esse caminho.

A solução acertada entre Marina e o PSB para tentar uma convivência foi separar as finanças: de um lado, as da campanha da candidata; de outro, as do comitê presidencial do partido. O primeiro grupo tem Álvaro de Souza à frente. O segundo, Márcio França.

Com isso, Marina também tenta preservar a “pureza” de seu caixa. O estatuto do partido que quer fundar, a Rede, proíbe os filiados de tomar fundos de quatro setores empresariais: fumo, bebidas, armas e agronegócio. França não vê problema nesses financiamentos. Conta com eles para cumprir os acordos de Campos.

A prestação de contas entregue pela campanha de Marina ao TSE declara não ter recebido nenhuma doação até agora. A CartaCapital, Bazileu Margarido, que coordena as finanças da campanha de Marina, disse em telefonema que a doação foi legal e que o partido prepara uma nota de esclarecimento (íntegra abaixo).

Acima, a reprodução do site do TSE que mostra a doação atribuída a Eduardo Campos

 

Nota de esclarecimento da Coligação Unidos pelo Brasil

A Coligação Unidos pelo Brasil repudia a manchete maldosa e inverídica publicada pelo jornal O Dia ("Depois de morto, Eduardo 'doa' R$ 2,5 mi a Marina', edição de 09/09/2014) que, baseada em opiniões jurídicas equivocadas, mostra total desconhecimento da lei eleitoral, contribuindo para confundir a opinião pública. O jornal colocou sob suspeita uma movimentação financeira absolutamente lícita. No rigor da transparência que pauta os atos da Coligação e para recuperar a verdade dos fatos, são feitos os seguintes esclarecimentos:

1.      Eduardo Henrique Accioly Campos, 'depois de morto' não 'doou' R$ 2,5 milhões a Marina Silva;

2.      A campanha não se confunde com a pessoa de Eduardo Campos;

3.      A movimentação bancária se deu entre a conta do candidato e a do Comitê Financeiro da campanha. Não houve, portanto, 'doação à conta de Marina';

4.      O ato da transferência de recursos ao Comitê Financeiro não foi emprego, portanto, de 'subterfúgio contábil';

5.      É errônea a informação de que o dinheiro em conta do candidato deveria ter sido 'retido' como 'sobra de arrecadação'. Segundo a lei, a sobra de arrecadação é apenas a 'diferença positiva entre os recursos arrecadados e os gastos realizados em campanha' (cf. art. 39 da Res. TSE 23.406). Os recursos da conta, portanto, não eram sobras, pois se destinaram a honrar os compromissos financeiros assumidos pela campanha.

A lei eleitoral permite a movimentação de recursos da conta do candidato para o seu Comitê Financeiro, mesmo após o seu falecimento, até para que sejam honrados os compromissos assumidos previamente.

Deixe seu Comentário

Leia Também

OBRAS NO PARQUE AÇÕES DO GOVERNO DE MS
Parque dos Poderes tem novas interdições neste fim de semana; confira
LUDELÇA DORNELLES FÁTIMA DO SUL - NOVO DECRETO
Fátima do Sul tem novo Toque de Recolher, Secretária fala sobre decreto, casos e vacinas, ASSISTA
AÇÕES DO GOVERNO MS
Governador sanciona LDO, que prevê receita de R$ 18,47 bilhões para MS em 2022
PARQUE DOS PODERES AÇÕES DO GOVERNO DE MS
Parque dos Poderes: Com asfalto novo, trecho da Avenida do Poeta é liberado
Fotos: Guilherme Pimentel, Seinfra AÇÕES DO GOVERNO DE MS
Governo lança campanha 'Meu Estado, Meu Destino' para promover o turismo regional
AÇÕES DO GOVERNO DE MS
Investimentos do Governo na área habitacional melhoram a qualidade de vida de famílias de Bela Vista
MS FORTE
Azambuja afirma que MS será um dos primeiros estados a retomar atividades econômicas
AÇÕES DEPUTADA MARA CASEIRO
Após pedido de Mara Caseiro, escola recebe 10 computadores do governo estadual
MICROCRÉDITO
MS Contrata + abre pré-cadastro para programa de Microcrédito com juro zero
AÇÕES DO GOVERNO DE MS
Reinaldo Azambuja autoriza obras de pavimentação e recapeamento em Bela Vista