Menu
SADER_FULL
quinta, 3 de dezembro de 2020
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
CIA DO BICHO
Política

Bernal ignora ameaças e não procura PT e PSDB para conversar

26 Out 2013 - 10h58Por Midia Max

Até a manhã deste sábado (26) o prefeito Alcides Bernal (PP) não procurou lideranças do PT e PSDB para conversar sobre o futuro dele na Câmara de Campo Grande. No começo da semana o PT informou que na quinta-feira (24) poderia deixar a administração, mas o prefeito pediu um tempo, informando que até terça-feira (29) anunciaria mudanças.

Esperançosos, os vereadores Alex do PT e João Rocha (PSDB) disseram que o prefeito chamaria os partidos para conversas no fim de semana. Porém, até o momento, Bernal ainda não entrou em contato com nenhuma das lideranças do PT ou PSDB.

O presidente estadual do PT, Marcus Garcia, informou que o partido deu prazo até terça-feira para Bernal se posicionar, mas até agora não foi chamado para nenhuma conversa. Ele acredita que o prefeito deixará a conversa para o último dia.

O PT informou ao prefeito que só continua na base se ele nomear um secretário de Governo, ampliar a base de sustentação, criar um conselho político e melhorar a relação com a Câmara. O partido tem com o prefeito as secretarias de Obras, com Semy Ferraz, e de Assistência Social, com Thais Helena. A saída do partido também pode influenciar na Câmara, já que Alex do PT só assumiu a vaga depois que Thais foi para a secretaria, visto que ele é primeiro-suplente dela.

O presidente municipal do PSDB, Carlos Alberto de Assis, também informou que até o momento o partido não foi chamado para reunião com Bernal. Porém, deixou claro que o PSDB não está deixando o prefeito, visto que nunca fez parte da administração.

“O pessoal está falando que o PSDB abandonou. O PSDB nunca esteve dentro. Participou da eleição, tinha que escolher alguém e no segundo turno apoiou ele, mas não foi convidado para a festa.Você não pode sair de onde nunca entrou”, justificou.

O presidente municipal do PSDB afirma que o partido sempre esteve disposto a ajudar, mas não foi recebido pelo prefeito. “Se pede ajuda, eu te ofereço. É uma questão de aceitar. Nós não podemos ajudar quem não quer ajuda”, concluiu.

Sem o PT e o PSDB, Bernal pode decretar o fim da administração, já que enfrenta um processo de cassação na Câmara de Campo Grande, onde precisa de pelo menos 10 votos para continuar. Hoje, ele tem como aliados: Cazuza (PP), Luiza Ribeiro (PPS) e Gilmar da Cruz (PRB), que ainda não disseram que não são mais da base.

Se PT e PSDB saírem, o prefeito perde os votos de Alex do PT, Zeca do PT, Ayrton do PT e João Rocha (PSDB). Os vereadores Rose Modesto (PSDB), Waldecy Chocolate (PP) e Edson Shimabukuro (PTB) já foram da base, mas votaram favoráveis a abertura da comissão processante.

Deixe seu Comentário

Leia Também

INVESTIMENTOS DO GOVERNO MS
Parque dos Poderes vai ganhar primeira revitalização em mais de três décadas
NOVOS PRAZOS
Detran-MS alerta para retomada de prazos que estavam suspensos por conta da pandemia
NOTA PREMIADA MS
No combate à sonegação fiscal, Nota MS Premida distribui R$ 3 milhões em prêmios
AÇÕES DO GOVERNO DE MS
Conselho do PPI qualifica relicitação das concessões da Malha Oeste e da BR-163
128177839_3626238317444161_664616014474920901_o AÇÕES DO GOVERNO DE MS
Reinaldo Azambuja destaca realização do sonho da casa própria para cerca de 23 mil famílias de MS
PRORROGADO
Deputado Barbosinha articula com governo e consegue prorrogar validade do concurso da Agepen
VALORIZAÇÃO
Com 13º integral pela primeira vez, professora da REE agradece pela valorização dos convocados em MS
EM BRASÍLIA
Em Brasília, Reinaldo Azambuja pede inclusão de rodovia Sul-fronteira no Orçamento da União
GESTÃO EFICIENTE
Com gestão eficiente, Governo paga 13° salário dos servidores nesta terça-feira
VICENTINA - SICREDI CHEGOU!
Inauguração do Sicredi é mais um passo dado no caminho do desenvolvimento, diz prefeito de Vicentina