Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
segunda, 1 de março de 2021
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
Política

Aliança de Marina e Campos acirra busca de PT e PSDB por aliados

7 Out 2013 - 08h59Por Folha

A aliança da ex-senadora Marina Silva com o governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), acirrou a disputa entre petistas e tucanos por aliados para a eleição presidencial do próximo ano.

Por recomendação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, principal estrategista da campanha da presidente Dilma Rousseff à reeleição, o Palácio do Planalto vai intensificar negociações para manter o PDT a seu lado e tirar o PP e o recém-criado Solidariedade da órbita tucana.

Dilma planeja usar a reforma ministerial prevista para o fim deste ano para amarrar as alianças tanto no plano federal como nos Estados.

Do lado do PSDB, o senador Aécio Neves (MG) vai buscar o apoio do PPS, que tentou sem sucesso atrair o ex-governador tucano José Serra e Marina para lançá-los como candidatos à Presidência.

Editoria de Arte/Folhapress

Sem candidato a presidente, a avaliação é que a aliança natural do PPS é com o PSDB, já que a legenda tem vários parlamentares que se elegeram em coligações com os tucanos em seus Estados.

"Se analisar o cenário de hoje, só tem ele [Aécio] e o Eduardo Campos", diz o presidente do partido, o deputado federal Roberto Freire (SP).

Em conversas reservadas, Aécio disse confiar que, apesar da estratégia do Palácio do Planalto de atrair o apoio de deputados do Solidariedade, a cúpula da nova sigla está fechada com seu projeto.

Seu criador, o deputado Paulo Pereira da Silva, o Paulinho da Força Sindical, controla o partido, chamou Dilma de "inimiga" na semana passada e já garantiu seu apoio a Aécio. Ele deve contribuir com cerca de 40 segundos em cada bloco de 25 minutos de propaganda eleitoral na televisão em 2014.

O PP será disputado pelo governo Dilma e pelo PSDB. Os articuladores políticos do governo têm conversado com o senador Ciro Nogueira (PP-PI), presidente da sigla, para garantir seu apoio a Dilma.

Na última eleição, o partido, liderado pelo senador Francisco Dornelles (PP-RJ), que é tio de Aécio Neves, adotou posição neutra. Atualmente, a legenda controla o Ministério das Cidades.

No caso do PDT, a equipe de Dilma acredita que o apoio do partido está garantido, principalmente depois que a presidente bancou o ministro Manoel Dias (Trabalho) mesmo num momento de fragilidade por causa de acusações de irregularidades na pasta ocupada pela legenda.

Ontem, um dia depois do anúncio da aliança de Eduardo Campos com Marina Silva, o Palácio do Planalto avaliava que Dilma pode até ganhar mais chances de decidir a eleição no primeiro turno. Um assessor destacou que dois possíveis candidatos se tornaram apenas um agora.

Além disso, a equipe de Dilma levanta dúvidas se todo o eleitorado de Marina vai marchar a seu lado na aliança com Campos. Acha possível até que uma parcela possa migrar para seu campo.

De acordo com a mais recente pesquisa do Datafolha, concluída no início de agosto, Dilma tinha 35% das intenções de voto. Marina estava com 26%, Aécio tinha 13%, e Eduardo Campos, com 8%, estava em quarto lugar.

Os petistas querem reduzir ao máximo possível as traições nos Estados de aliados no plano nacional. Eles vão trabalhar para evitar a repetição do que ocorrerá na Bahia, onde o peemedebista Geddel Vieira Lima, mesmo com cargo no governo, tende a apoiar algum nome da oposição na campanha.

Em dezembro, a presidente vai trocar boa parte de sua equipe porque vários ministros vão disputar a eleição em 2014. Entre eles estão os petistas Gleisi Hoffmann (Casa Civil) e Fernando Pimentel (Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior).

Deixe seu Comentário

Leia Também

nota ms premiada NOTA MS PREMIADA
SERÁ QUE FOI VOCÊ?, sortudos acertam sena e dividem prêmio de R$ 100 mil da Nota MS Premiada
AÇÕES DO GOVERNO DE MS
Com novo cronograma, complexo hospitalar de Corumbá está com 85% de sua estrutura pronta
AÇÕES DO GOVERNO DE MS
Inédita no país, granja em Dourados usa ração líquida e novas tecnologias da Suinocultura 4.0
AÇÕES DO GOVERNO DE MS
Governo de MS paga R$ 392 milhões em salários nesta segunda-feira
AÇÕES DO GOVERNO DE MS
Mineradora anuncia projeto de R$ 40 milhões para extração de basalto em Inocência
NOVO AUXILIO
Presidente afirma Auxílio emergencial deve voltar em março, com parcelas de R$ 250
VACINAS POR MUNICÍPIOS
Confira quantas doses de vacina contra a Covid cada município está recebendo neste 5º lote em MS
Governo de Mato Grosso do Sul desmente boatos de redução de 20% nos salários dos servidores públicos  Foto: Redes sociais FAKE NEWS
Governo de MS desmente boatos de redução de 20% nos salários dos servidores públicos
AÇÕES DO GOVERNO MS
Investimento em saneamento ultrapassa os R$ 5 milhões em Mundo Novo
AÇÕES DO GOVERNO DE MS
Governo de MS congela pauta fiscal da gasolina e garante economia ao consumidor