Menu
SADER_FULL
domingo, 29 de novembro de 2020
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
JUNINHO DENTISTA NOVO
TRÁFICO E CONTRABANDO

Pista de pouso clandestina segue aberta para crimes em Mato Grosso do Sul

2 Dez 2013 - 11h20Por Dourados Agora

A pista de pouso e decolagem clandestina supostamente utilizada para o narcotráfico em Mato Grosso do Sul continua aberta a criminalidade. É que apesar de uma decisão judicial no início do ano para destruí-la, o Incra enfrenta entraves burocráticos para cumprir a determinação. A pista está localizada em área da reserva ambiental às margens do Rio Apa, na divisa entre Mato Grosso do Sul com o Paraguai.

Em setembro deste ano o Incra explicou que para implodir a pista seriam necessários artefatos do Exército que já informou que só atua com os explosivos em situações de guerra, o que não seria o caso. De lá para cá nada mudou. Por causa disso, o Incra de Mato Grosso do Sul diz que vai abrir processo para a locação de maquinários.

O objetivo é garantir que a pista será destruída. Porém, até agora não há nenhuma previsão de quando estes equipamentos estarão disponíveis. Conforme o Incra, a pista está localizada dentro do Assentamento Caracol, localizado na cidade de Bela Vista.

A decisão judicial que determina a implosão da pista entendeu que o local estaria funcionando na clandestinidade e ilegalidade. A mesma sentença judicial decidiu pela reintegração de posse de oito lotes que estavam em poder do assentado acusado de construir a clandestina. Ele alega que a pista era utilizada para fins de agrícolas.

A denúncia partiu do Incra e do Ibama que constataram em vistoria que o dono do lote no assentamento teria causado uma devastação de 200 hectares em reserva natural as margens do Rio Apa para construir a pista. Denúncias dão conta de que, por ser totalmente iluminada, a pista seria utilizada para atividades diurnas e noturnas. A Polícia investiga se o local era utilizado para fins ilícitos como o tráfico.

De acordo com o Incra, os problemas no Assentamento Caracol se arrastam desde 2006. Nestes lotes, o assentado cultivava soja e arroz. O assentamento foi criado na década de 90 e há denúncias do Incra de que o local foi comprado de forma irregular pelo atual proprietário. Ele afirmou que comprou o lote de um outro assentado e, desde 2004, vinha ocupando o local.

O Ministério Público Estadual (MPE) também investigou o acusado por conta do desmatamento da área de preservação permanente do assentamento e a colocação de tubos de captação de água do Rio Apa para a construção de uma base de energia para irrigação da lavoura de arroz.

Deixe seu Comentário

Leia Também

FESTONA NA PANDEMIA
Guarda Municipal acaba com 'festona' em flagrante com 119 adolescentes em MS
SEGURANÇA NO FIM DE ANO
Segurança no Estado durante as festas de fim de ano terá mais de 2 mil policiais nas ruas em MS
NOTÍCIA TRISTE
NÃO DEU TEMPO: 'Ceará' morre na véspera de encontro com os filhos que não via há 23 anos
FORÇA TÁTICA DE FÁTIMA DO SUL
Força Tática de Fátima do Sul apreende mais de 100 quilos de maconha
TRAGEDIA NA RODOVIA
Acidente entre ônibus e caminhão matou 41 pessoas
TRAGÉDIA NAS ESTRADAS
Mãe e Bebê de dois meses morrem após carro bater em coqueiro em Bonito (MS)
DISPARO ACIDENTAL
Quando colhia castanhas, Índia de 14 anos é morta com tiro disparado pelo próprio marido
COISA DE FILME DE TERROR
Vizinhos de massagista estão em choque com crueldade do crime em cidade do MS
TRAGEDIA NA RODOVIA
Violento acidente entre ônibus e caminhão em rodovia provoca 22 mortes
BARBÁRIE
Chargista é esquartejado e corpo colocado em malas