Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
segunda, 30 de novembro de 2020
SADER_FULL
Busca
ÁGUAS DE BONITO
SEGURANÇA

Mulheres de presos que se mudam para perto de presídio de Campo Grande relatam dificuldades

5 Mar 2014 - 16h00Por Mídia Max

O Presídio de Segurança Máxima de Campo Grande, no Jardim Noroeste, tem “atraído” familiares dos presos para seus arredores. Para acompanhar o marido, muitas mulheres de presos estão se mudando para perto do presídio.

As mulheres costumam ficar sentadas na frente da Máxima, unidas por partilharem da mesma situação. A cena de uma delas indo buscar garrafa de café em casa e voltando em menos de três minutos explica a migração de mulheres de presos para perto do presídio. Após boatos de rebelião e em meio a tempos turbulentos, elas listaram suas dificuldades atuais.

R. mora no Jardim Noroeste há quatro anos, quando seu marido foi para a Máxima. Agora ela está se mudando para ficar mais perto do presídio. Ela diz ter achado o lugar ideal. “Perto do meu marido e perto de uma escola para levar meus filhos”.

R. morava no Guanandi quando seu marido foi preso. Ela tem nove filhos, uma delas também está na Máxima. R. reclamou do bloqueador de sinal, instalado para evitar que os presos usem celulares na Máxima.

“Está horrível, não pega. E se eu precisar ligar para um médico? Quem mora perto está sofrendo as consequências. Porque não retira o presídio da cidade então?”, indaga. Ela também reclama da “batalha” para entrar em dia de visita. “Somos humilhadas, este presídio está um caos”, declarou.

N. morava em Três Lagoas e mudou para ficar perto do marido. Ela criticou a Agepen (Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário). “Não deixaram entram com comida, produtos de higiene, cigarro. É direito deles”, ressaltou. N. também reclamou do sinal dos celulares e disse ser constantemente humilhada por agentes durante a revista.

Vizinhos também citam dificuldade em conseguir sinal

Gisleine de Oliveira, 24, não tem familiar na Máxima mas mora na região. “É tranquilo. O único problema é o sinal. Já aconteceu de eu precisar de uma ambulância e não conseguir usar o telefone”, conta. Ela relatou que para ligar para a família tem que andar para achar uma rua em que o sinal pegue.

Beatriz Rodrigues, 15, é outra moradora da região que não tem familiar na Máxima. “Minha mãe mora aqui há vinte anos e nunca teve problema”, garante. Beatriz também está sofrendo com o bloqueio do sinal. “Está complicado, de usar a internet, para falar no celular é um sacrifício”, critica.

Respostas

A Agepen declarou que a revista corporal é um procedimento de segurança necessário para averiguação e “evitar a entrada de drogas ou celulares”. O órgão destacou que as visitantes devem procurar a Agepen para formalizar a denúncia de humilhação para que seja feita apuração.

Sobre a proibição de entrada de alimentos, produtos de higiene e cigarros, a Agepen afirma que foi uma medida necessária tomada pela administração em virtude das ações dos internos, que teriam parado de fazer a limpeza do presídio.

De acordo com a Agepen, o bloqueio do sinal se deve a testes que estão sendo feitos para evitar que presos utilizem celular e todas as medidas estão sendo tomadas para que os vizinhos do presídio não tenham os sinais prejudicados.

 

Gerson Walber
 

Deixe seu Comentário

Leia Também

CRIME BANAL
Pedreiro e adolescentes mataram vizinho em cidade do MS em briga por registro de água
CNH EM 2021
Confira as 9 multas que não vão mais gerar pontos na CNH em 2021
Imagem retirada das redes sociais do Osvaldinho Duarte / Dourados News FORTE ACIDENTE
Colisão frontal deixa uma pessoa morta e duas gravemente feridas entre Dourados e Fátima do Sul
AGLOMERAÇÃO
VÍDEO: Guarda encerra festa em chácara com mais de 350 pessoas
TRAGEDIA NA RODOVIA
Pedi força a Deus, diz PM que atendeu ocorrência de acidente que matou a própria filha
ASSASSINATO
Ex liga para mulher dizendo que vai até a casa buscar documento da filha e mata atual namorado dela
ACIDENTE FATAL
Batida frontal entre carro e carreta mata jovem em Ivinhema
FESTONA NA PANDEMIA
Guarda Municipal acaba com 'festona' em flagrante com 119 adolescentes em MS
SEGURANÇA NO FIM DE ANO
Segurança no Estado durante as festas de fim de ano terá mais de 2 mil policiais nas ruas em MS
NOTÍCIA TRISTE
NÃO DEU TEMPO: 'Ceará' morre na véspera de encontro com os filhos que não via há 23 anos