Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
quinta, 25 de fevereiro de 2021
SADER_FULL
Busca
HOMICIDIO

Mãe de adolescente morta procurou bombeiros para defender genro após homicídio em Caarapó

ela teria ido para cima dele com um facão e ele deu um soco seguido por mata-leão para tentar fazer com que ela desmaiasse.

3 Dez 2020 - 14h53Por Adélio Ferreira

Horas depois da filha, de 15 anos, ser morta com golpe de mata-leão, a mãe foi até a unidade do Corpo de Bombeiros de Caarapó para defender genro, de 22 anos. De acordo com os bombeiros, a mulher procurou a equipe por volta das 7h, 4 horas depois do crime.

À frente da guarnição que atendeu ocorrência, o sargento Tiburcio Viana relata que os bombeiros realizavam serviços no quartel quando a mãe da vítima foi até o local. “Ficamos pasmos porque ela veio tentar ajudar ele, veio aqui defender”, diz. 
Antes mesmo de procurar a polícia, a mulher foi até os bombeiros para entender o que houve e relatou aos militares que a filha tinha problemas. “Ela disse para a gente que o rapaz era trabalhador, que mesmo sabendo da doença dela, assumiu ela”.

Cena que chamou atenção registrada em foto começou por volta das 3 horas da manhã para os bombeiros. Antes de ficar na sala da família, segurando o enteado enquanto observava o corpo da esposa no chão e ser fotografado, o homem acionou socorro, de acordo com sargento Viana.

Ele ligou com medo, dizendo “acho que matei minha mulher”. A gente nem entendeu porque vemos tantos casos de feminicídio, como assim diz que achava ter matado.
Chegando ao local, a equipe foi atendida no portão pelo homem e encaminhada até o interior da casa. “Ele disse que ela não estava respirando e começou a ficar desesperado. Quando falamos que ela estava morta, ele ficou segurando choro e disse “eu não queria fazer isso, mas o que eu iria fazer?”.

Aos bombeiros, o homem relatou que havia discutido com a esposa durante a noite e, que em determinado momento, ela teria ameaçado machucar o filho de 1 ano e 4 meses. Depois disso, ela teria ido para cima dele com um facão e ele deu um soco seguido por mata-leão para tentar fazer com que ela desmaiasse.

Ainda de acordo com o sargento Viana, durante todo o tempo, até chegada da polícia, a criança ficou com o padrasto. “Tentamos tirar a criança, mas ele não deixava. Achamos até estranho quando descobrimos que ele não era pai biológico”.

Homicídio - Equipes da Polícia Militar, Polícia Civil e Perícia Técnica foram até a residência para investigações. Responsável pelo caso, delegado titular de Caarapó, Erasmo Bruno de Mello Cubas informou que o autor foi preso em flagrante pelo crime de homicídio e que qualquer análise posterior de legítima defesa ou excludente de licitude ficará a cargo do poder judiciário.

Já a criança está sob responsabilidade do pai biológico. Sobre o crime se encaixar como feminicídio, Cubas explicou que não houve nenhum indicativo, elemento ou informação apurada pela delegacia que levasse à categorização de violência de gênero.

Testemunhas estão sendo ouvidas, como a mãe do autor e da vítima. Na casa também foram encontrados remédios e atestados, comprovando que a adolescente apresentava transtornos psiquiátricos e fazia tratamento.

Deixe seu Comentário

Leia Também

MUNDO DO CRIME
Após morrer de Covid-19 no mesmo dia, casal tem oficina invadida e furtada
VAMOS AJUDAR - COMPARTILHE
Jovem desaparece com namorado e família faz buscas em Aquidauana
ESTUPRO DE VULNERÁVEL
Idoso invade barraco e abusa de criança de 11 anos em Maracaju
ABUSO SEXUAL
Esposa de pastor sabia de abusos sexuais contra fiel no Macaúbas; igreja é fechada em MS
TENTATIVA DE LATROCINIO
Major aposentado do Exército é baleado por assaltantes em Campo Grande
ENCONTRADA
Jovem de Glória de Dourados que estava desaparecida procura por atendimento no hospital de Itaporã
AÇÕES DO GOVERNO DE MS
Governo de MS reforça segurança pública e entrega 127 novas viaturas e 590 previsto para 2021
ENCONTRADA
Professora que desapareceu em Campo Grande ao sair para almoço de família é encontrada
SONAMBULA
Fisioterapeuta cai de janela de hotel após crise de sonambulismo
REPORTAGEM DO FANTÁSTICO
Delegada trocava favores e falava informalmente com Padre Robson: 'oi, sumido'