Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
domingo, 19 de janeiro de 2020
SADER_FULL
Busca
BANNER BET
EXECUÇÃO

Irmãos são executados em fronteira que já soma 251 assassinatos em 2019

Nestor Ramon Villagra Gadea, 37, e Ignacio Luis Villagra Gadea, 36, ambos de nacionalidade paraguaia, foram mortos assim que chegaram a um bar do povoado para comprar bebida.

10 Dez 2019 - 06h35Por Ligado na Noticia

A matança segue descontrolada na fronteira mais violenta do continente. Dois irmãos foram executados a tiros por um pistoleiro na madrugada desta segunda-feira (9) na Colônia Piky, em Pedro Juan Caballero, cidade separada por uma rua de Ponta Porã (MS).

Nestor Ramon Villagra Gadea, 37, e Ignacio Luis Villagra Gadea, 36, ambos de nacionalidade paraguaia, foram mortos assim que chegaram a um bar do povoado para comprar bebida.

Eles pediram ao dono do estabelecimento se poderiam beber na frente do bar ouvindo música. O proprietário contou à polícia que deu permissão e voltou para dentro do estabelecimento momento em que ouviu os tiros, disparados pelo pistoleiro que chegou ao local de moto. Os dois irmãos morreram na hora.

De acordo com o jornal paraguaio “Ultima Hora”, um dos três mais influentes do país, a Linha Internacional entre Pedro Juan Caballero e Ponta Porã conta pelo menos 251 assassinatos em 2019.

Citando números não oficiais, o jornal revelou que até sábado eram 114 assassinatos em Ponta Porã e 134 em Pedro Juan Caballero. Com a morte de um idoso ontem à noite no lado brasileiro e com a execução dos dois irmãos, o total chega a 251 assassinatos.

“É dolorosa a situação. Parece que as pessoas solucionam seus problemas dessa forma [matando os desafetos]. Essa situação tornou-se habitual nesta área da fronteira”, afirmou em entrevista à rádio Monumental AM o comissário Ignacio Rodríguez, diretor da Polícia Nacional no departamento de Amambay.

O promotor de Justiça Marco Amarilla disse ao jornal paraguaio que é o crime organizado que semeia a violência e que os fatos são mais isolados. Ele ressaltou que nos casos de homicídio, a maioria está relacionada a atos de vingança relacionados ao narcotráfico.

Tudo se resolve na bala - O prefeito de Pedro Juan Caballero, José Carlos Acevedo, disse ao “Ultima Hora” que a violência gerada pelo crime organizado é difícil de controlar, porque os bandidos eles são governados por seus próprios códigos.

 “É difícil controlar, porque entre eles (aqueles que praticam atos ilícitos) não há cheques, nem notas promissórias. Com balas está resolvido”, afirmou.

Deixe seu Comentário

Leia Também

FUGA EM MASSA
Pelo menos 90 membros do PCC fogem de presídio na fronteira com MS por túnel
ASSASSINATO
Homem é morto no meio da rua e durante o dia com tiros de 9mm em Campo Grande
FEMINICIDIO
Florista baleada pelo ex-namorado não resiste aos ferimentos e morre na Santa Casa
CAMPO GRANDE - POLÍCIA
Homem dá tiros na ex-namorada e se mata em uma das regiões mais nobres de Campo Grande
TRÁFICO EM MS
Polícia apreende maconha e haxixe em fundo falso de motocicleta em MS
DETRAN - MS - LEILÃO
Detran-MS inicia primeiro leilão de veículos para circulação deste ano
ESTRUPO A MENORES
'Monstro' que estuprava e filmava filha de 7 anos ainda era casado com enteada
MONSTRUOSIDADE
Menino de 3 anos é torturado com fio de celular pelo padrasto por quase 24h após fazer xixi na cama
MAL SUBITO
Em surto, mulher sai de motel e morre debaixo de caminhão na Capital
SEGURANÇA
Mato Grosso do Sul supera em 10 vezes média nacional de resolução de homicídios