Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
sexta, 27 de novembro de 2020
SADER_FULL
Busca
BANNER ALVORADA
morte de cineasta

Filho admite ter matado Eduardo Coutinho e ferido a mãe, diz polícia

4 Fev 2014 - 14h31Por Folha

Em depoimento prestado na noite de ontem a investigadores da Polícia Civil, Daniel de Oliveira Coutinho, 41, revelou detalhes sobre a morte de seu pai, o cineasta Eduardo Coutinho, 80. O filho assumiu a autoria do crime, cometido no último domingo (2), segundo o delegado Rivaldo Barbosa.

Ele também feriu a facadas a mãe, Maria das Dores Oliveira, 62, que segue internada no hospital Miguel Couto.

Segundo a polícia, Daniel disse que pretendia cometer suicídio, mas como "não queria deixar os pais desamparados", resolveu matá-los.

Primeiro, ele esfaqueou a mãe, que, mesmo ferida, conseguiu escapar e se refugiar dentro do banheiro até a chegada de socorro. Depois, ele atacou com facadas o pai, o cineasta Eduardo Coutinho, que não resistiu aos ferimentos.

"Ele atinge a mãe, que consegue escapar e se abriga em local seguro. Depois, vai até o pai que, sem oferecer resistência, recebe os golpes e morre", disse o delegado Rivaldo Barbosa, titular da Divisão de Homicídios, em entrevista à TV Globo.

O depoimento de Daniel Coutinho foi concedido ontem no hospital Miguel Couto, onde ele permanece internado. Após atacar os pais, ele desferiu golpes de faca em seu próprio abdômen.
"Agora, consideramos o crime esclarecido", acrescentou o delegado.

CARREIRA

Em 1954, aos 21 anos, teve seu primeiro contato com cinema em seminário promovido pelo Masp. Trabalhou como revisor na revista "Visão", dirigiu peça infantil e especializou-se em roteiro.

Em 1975, passou a integrar a equipe do programa "Globo Repórter", da TV Globo, onde permaneceu até 1984.

Após o sucesso de "Cabra Marcado Para Morrer", Coutinho passou alguns anos trabalhando com documentários em vídeo para o Centro de Criação da Imagem Popular, com temas ligados a cidadania e educação.

São dessa época projetos como "Santa Marta - Duas Semanas no Morro" (1987) e "Boca de lixo" (1993), visões humanistas e pessoais sobre indivíduos e populações marginalizadas.

Em 1988, com o centenário da Abolição da Escravatura, foi estimulado pela Secretaria de Cultura do Rio de Janeiro a realizar um documentário sobre a população negra na História do Brasil.

Surgia então o esboço de "O Fio da Memória", centrado na figura do artista popular Gabriel Joaquim dos Santos, concluído três anos mais tarde, com o apoio das emissoras de televisão La Sept (França) e Channel Four (Inglaterra).

Deixe seu Comentário

Leia Também

NOTÍCIA TRISTE
NÃO DEU TEMPO: 'Ceará' morre na véspera de encontro com os filhos que não via há 23 anos
FORÇA TÁTICA DE FÁTIMA DO SUL
Força Tática de Fátima do Sul apreende mais de 100 quilos de maconha
TRAGEDIA NA RODOVIA
Acidente entre ônibus e caminhão matou 41 pessoas
TRAGÉDIA NAS ESTRADAS
Mãe e Bebê de dois meses morrem após carro bater em coqueiro em Bonito (MS)
DISPARO ACIDENTAL
Quando colhia castanhas, Índia de 14 anos é morta com tiro disparado pelo próprio marido
COISA DE FILME DE TERROR
Vizinhos de massagista estão em choque com crueldade do crime em cidade do MS
TRAGEDIA NA RODOVIA
Violento acidente entre ônibus e caminhão em rodovia provoca 22 mortes
BARBÁRIE
Chargista é esquartejado e corpo colocado em malas
GOLPE
Pai e filha são vítimas de golpe em Dourados e perdem R$ 8,5 mil
VICENTINA - ACIDENTE
Freios falham e Fiat Strada bate em árvore e quase atinge banca de frutas em Vicentina