Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
sábado, 28 de novembro de 2020
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
ZANZI
corpos de bebês amontoados

Diretor de hospital do Rio terá de se explicar sobre corpos de bebês

Quarenta corpos estavam no necrotério, alguns há mais de quatro anos.

14 Abr 2014 - 07h52Por G1

O diretor Rodolfo Acatuassú Nunes, do Hospital Universitário Pedro Ernesto, em Vila Isabel, na Zona Norte do Rio, será chamado a dar explicações sobre o acúmulo de 40 corpos de bebês no necrotério da unidade, sendo que alguns há mais de quatro anos.  A denúncia foi feita pela equipe do Fantástico, no domingo (13). O hospital é referência em partos de alto risco no Rio.

O diretor diz que uma sindicância foi aberta para mudar os procedimentos. O Ministério Público vai exigir a identificação por exames de DNA de todos os corpos. O hospital terá de apresentar a lista com o nome e endereço dos pais.

“Espero esclarecer a situação de cada criança e que isso se encerre com um sepultamento digno de todos os corpos que encontramos ali”, disse a promotora Ana Cristina Huth Macedo.

O diretor se defendeu, dizendo que “está havendo um problema social, de as pessoas não buscarem os corpos dos seus filhos, que infelizmente evoluem mal e acabam falecendo”.

Segundo a promotora Ana Cristina, no necrotério da unidade foram encontrados corpos amontoados, mal armazenados. “Uma situação assim estarrecedora. É difícil até de contar o que encontramos lá”, disse a promotora.

Um exemplo é o caso de uma mulher que é usuária de crack e vive num prédio abandonado no Morro da Mangueira, na Zona Norte, teve um filho no local onde mora, em julho 2012. O bebê depois foi levado para o hospital. A tia do bebê conta que a criança foi para a incubadora porque nasceu prematuro. Ele nasceu com seis meses e menos de 800 gramas e segundo os médicos tinha poucas chances de sobreviver e em agosto daquele ano acabou morrendo no hospital. O corpo foi levado para o necrotério, onde deveria ter ficado somente até a liberação dos documentos para o sepultamento.

Como a mãe do bebê já havia abandonado a criança, o hospital avisou ao Juizado da Infância e da Juventude, como determina a lei nesses casos. Mais de um ano depois, em dezembro de 2013. O Juizado procurou o hospital para confirmar as datas e encerrar o processo, mas descobriu que o corpo do bebê ainda não havia sido enterrado.

A juíza determinou que o Ministério Público investigasse. A promotora da juventude foi até o hospital com dois peritos para saber o que tinha acontecido e descobriu os corpos de 40 bebês. Quinze bebês não tinham sequer identificação.

“A gente precisa entender porque eles estão nessa situação. Se houve falha da família, houve falha do hospital. Quando a criança é deixada no hospital e ela precisa ser sepultada, o hospital solicita a intervenção do judiciário. É muito comum isso acontecer. Aí o Juizado intervém para que o sepultamento seja feito”, explicou a promotora.

Deixe seu Comentário

Leia Também

NOTÍCIA TRISTE
NÃO DEU TEMPO: 'Ceará' morre na véspera de encontro com os filhos que não via há 23 anos
FORÇA TÁTICA DE FÁTIMA DO SUL
Força Tática de Fátima do Sul apreende mais de 100 quilos de maconha
TRAGEDIA NA RODOVIA
Acidente entre ônibus e caminhão matou 41 pessoas
TRAGÉDIA NAS ESTRADAS
Mãe e Bebê de dois meses morrem após carro bater em coqueiro em Bonito (MS)
DISPARO ACIDENTAL
Quando colhia castanhas, Índia de 14 anos é morta com tiro disparado pelo próprio marido
COISA DE FILME DE TERROR
Vizinhos de massagista estão em choque com crueldade do crime em cidade do MS
TRAGEDIA NA RODOVIA
Violento acidente entre ônibus e caminhão em rodovia provoca 22 mortes
BARBÁRIE
Chargista é esquartejado e corpo colocado em malas
GOLPE
Pai e filha são vítimas de golpe em Dourados e perdem R$ 8,5 mil
VICENTINA - ACIDENTE
Freios falham e Fiat Strada bate em árvore e quase atinge banca de frutas em Vicentina