Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
sábado, 25 de setembro de 2021
Busca
SOB INVESTIGAÇÃO

Criança de 3 anos morre após se afogar em piscina de casa em MS

Segundo o Ministério da Justiça, o afogamento é a segunda maior causa de morte acidental de crianças e adolescentes de 0 a 14 anos.

5 Ago 2021 - 10h17Por Campo Grande News

Criança de 3 anos morreu após se afogar na piscina de casa, na noite de ontem (4), na Rua da Península, no Bairro Coophavila II, em Campo Grande. Segundo o Ministério da Justiça, o afogamento é a segunda maior causa de morte acidental de crianças e adolescentes de 0 a 14 anos. O caso foi registrado como morte a esclarecer na Depac/Cepol (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário).

Conforme boletim de ocorrência, o pai de 33 anos contou que chegou em casa de carro, por volta das 23h, com o seu filho e o deixou brincando no pula-pula enquanto ajudava rapidamente a esposa no comércio da família, localizado em frente à residência. Cerca de 12 minutos depois,  ao retornar para pegar o menino, o encontrou desacordado dentro da piscina.

Ele tirou o filho da água, fez manobras de reanimação, mas sem sucesso. Com ajuda de vizinho, a criança foi levada até uma unidade do Corpo de Bombeiros, que fica na mesma rua. O menino foi levada para o CRS (Centro Regional de Saúde) do Coophavila. O óbito foi constatado as 00h40 desta quinta-feira (5). Segundo o pai, a casa possui monitoramento interno e as imagens serão apresentadas à polícia.

O caso será investigado pela Depca (Delegacia Especializada de Proteção à Criança e ao Adolescente. Segundo a delegada, Fernanda Félix, a família e testemunhas serão intimidadas. "Acreditamos inicialmente que tenha ocorrido um acidente doméstico, o afogamento é a segunda maior causa de morte acidental de crianças e adolescentes de 0 a 14 anos, segundo o Ministério da Justiça", disse.

Segundo a autoridade policial, o afogamento é um acidente rápido e sigiloso, por isso, tão importante um adulto supervisionando atentamente as crianças. "Se comprovarmos que houve negligência dos responsáveis pela criança, eles poderão responder por homicídio culposo, quando não há intenção de matar. Existe diferença entre fatalidade e negligência, é preciso verificar a previsibilidade, ou seja, vamos avaliar se era possível prever o acidente e evitá-lo".

Deixe seu Comentário

Leia Também

Barco onde a vítima e o filho seguiam quando aconteceu o acidente. (Foto: Sidney Assis) - CREDITO: CAMPO GRANDE NEWS TRAGÉDIA NO RIO
Mãe e filho que morreram em acidente não usavam coletes
CASTELO DE AREIA
Idoso casa com prostituta 35 anos mais nova e flagra com outro
DOENÇA DO SÉCULO
Servidor público é encontrado pendurado em árvore
CRIME A ESCLARECER
ASSASSINATO: Pedreiro é assassinado a tiros enquanto tomava tereré
TERROR EM SUPERMERCADO
Atirador mata uma pessoa, fere 12 e se suicida em supermercado
DETENTOS
Liberdade a partir do trabalho gera nova chance aos apenados e economia de milhões ao poder público
CONVOCAÇÃO
PM convoca 179 cabos para Curso de Formação de Sargentos e divulga lista de 51 aptos para concurso
ENGANAÇÃO
Vídeo: "Peixe de bosteiro", morador de rua engana população de Paranaíba
MAL SUBITO
Com carretinha carregada de feno, motociclista cai e morre em estrada de MS
PGE MS
Com 42 anos de existência, PGE segue representando o Estado com excelência