Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
domingo, 9 de agosto de 2020
SADER_FULL
Busca
BANNER ECO TOUR
AÇÃO CONTRA PCC

Arrastão contra o PCC prendeu 50 que já estavam nos presídios de Mato Grosso do Sul

18 Dez 2013 - 07h41Por Mídia Max

A maioria das 67 prisões ordenadas para esta terça-feira (17) em Mato Grosso do Sul e São Paulo é para bandidos que já estão cumprindo penas e continuam atuando na criminalidade através de facções criminosas como o PCC (Primeiro Comando da Capital). No total, 63 mandados foram cumpridos, com 50 só dentro dos presídios de MS.

A Operação Iríneas reuniu Polícia Civil, Polícia Militar e Agepen (Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário), além do Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado).

Segundo a Sejusp (Secretaria Estadual de Justiça e Segurança Pública de MS), 11 quilos de maconha, meio quilo de pasta base e um revólver calibre 38 também foram apreendidos.

O foco da operação, realizada em conjunto com a Secretaria de Segurança Pública de São Paulo, foi identificar e combater facções criminosas que atuam nos presídios dos dois estados.

Em MS, o alvo foram as penitenciárias de Campo Grande, Dourados e Três Lagoas, mas foram cumpridos mandados de prisão ainda em Mundo Novo, Ribas do Rio Pardo e Paranaíba.

Embora não tenha sido afirmado claramente pelos representantes dos órgãos que participaram da operação, o alvo principal foi o Primeiro Comando da Capital-PCC. “Não queremos fazer apologia a este ou aquele grupo, mas sim fazer o combate a todos os grupos organizados que existem nos presídios”, afirmou o representante do Gaeco.

Por seu turno, o Secretário de Justiça e Segurança Pública, Vantuir Jacini, afirmou que a operação de hoje está sendo um sucesso devido ao trabalho de inteligência desenvolvido, tanto pela Polícia Militar quanto pela Agepen.

“A cabeça humana é criativa e eles utilizam de todos os artifícios para tentar burlar a segurança. São bolos, chinelos e como foi noticiado, em São Paulo utilizam até pombos correios para levarem celulares para dentro dos presídios. É um trabalho constante de investigação que fazemos para evitar problemas maiores”, afirmou o secretário.

O diretor presidente da Agepen, Deusdete Oliveira deixou claro que o trabalho é árduo para o controle, pois a população carcerária do Estado, atualmente, é de 12.400 presos.

Dentre os presos investigados, foram identificados seis com forte liderança sobre os demais e estes foram transferidos do local onde estavam e alguns deles, até mesmo para o presídio federal. O destino e os nomes foram mantidos em sigilo.

Os presos que foram alvo de novos mandados de prisão, responderão agora pelo crime de pertencerem a organizações criminosas. Além de perderem benefícios, como indulto de Natal e outros, poderão ter a pena ampliada.

Arlindo Florentino
Orgãos da Segurança Pública apresentaram balanço da operação que combate o crime organizado

Deixe seu Comentário

Leia Também

FÁTIMA DO SUL - LUTO
Vítima de acidente não resiste e morre, Cida Lima era professora da REME de Fátima do Sul
CRUELDADE
Menino ficava de castigo por até nove horas ajoelhado em grãos de trigo
FATALIDADE
Restos mortais de adolescente são achados dentro de crocodilo de 4,3 metros
FALSIFICAÇÃO
Nota falsa de R$ 200 começa a circular
ASSASSINATO
Moradores encontram corpo de jovem executado com vários tiros em MS
SONHO DESFEITO
Casal morto em acidente trocava juras de amor e comemorava um ano de namoro em MS
FÁTIMA DO SUL - EMENDAS DA SENADORA
Entre construção do Corpo de Bombeiros e saúde, Simone já destinou R$ 1,8 milhão para Fátima do Sul
OBSESSÃO
Dono incendeia supermercado para acabar com o Coronavírus
ASSASSINATO
Homem mata amante da esposa após o perseguir pela rua
JATEÍ - TRABALHOS RETOMADOS
Reeducandas retomam trabalho de limpeza urbana com adoção de medidas preventivas em Jateí