Menu
SADER_FULL
sábado, 28 de maio de 2022
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
TECNOLOGIA

Governo prevê demanda maior por tecnologia e inovação para manter crescimento

Ao lado da educação, assistência social, cultura e esporte, a ciência, a tecnologia e a inovação passam a ser classificadas no Plano Plurianual de Investimentos como setores estratégicos ao crescimento econômico e para o desenvolvimento social

21 Jan 2022 - 07h52Por Portal do MS

Em dois anos de pandemia a demanda nas áreas de ciência, tecnologia e inovação levou os gestores públicos a rever os planos de investimentos. Em Mato Grosso do Sul o PPA (Plano Plurianual de Investimentos) também passou por ajustes, em razão do dimensionamento dos impactos da Covid-19, que só foi possível depois de um ano da pandemia e chegada da vacinação.

Além do aumento dos investimentos principalmente em saúde e segurança pública, ficou escancarada a falta de recursos para a ciência, pesquisa, tecnologia e inovação, áreas que até então estavam mais voltadas à economia.

Na medida que a pandemia avançou, com velocidade espantosa, por causa da globalização, as lacunas de informação foram mostrando não só a falta de conhecimento sobre a doença – taxas de letalidade, potencial de transmissão, tratamento, efeitos e sequelas no organismo – como também a falta de investimentos na ciência, uma das palavras mais faladas na pandemia.

 Pesquisadores e cientistas, no mundo todo, em muitos casos a partir de uma boa coordenação governamental, se mobilizaram para estimar tanto os efeitos da doença sobre a saúde da população quanto os impactos econômicos e sociais dessa pandemia, de modo que a necessidade de aporte de recursos na área científica ficou mais evidente.

De acordo com o governador Reinaldo Azambuja, em Mato Grosso do Sul todos os esforços no enfrentamento da pandemia foram bem-sucedidos, porque não houve negacionismo e o governo sempre acreditou na ciência. O orçamento da Fundect (Fundação de Apoio ao Desenvolvimento do Ensino, Ciência e Tecnologia do Estado de MS) é de R$ 44,3 milhões. No ano passado foram investidos R$ 34,3 milhões.

Riedel lembra que MS foi um dos primeiros a criar um centro de operações específico para o enfrentamento da covid-19

O presidente do comitê gestor do enfrentamento à Covid-19, secretário Eduardo Riedel, lembra que o diálogo foi fundamental, a articulação com os municípios e, como era uma situação nova, os exemplos tomados em outras regiões e países, também ajudaram. “Era algo novo e tudo foi muito desafiador. Atuamos tendo o diálogo como premissa e seguindo a ciência”.

Segundo Eduardo Riedel, o fato de Mato Grosso do Sul ter “praticamente zerado” algumas obrigações fiscais, colocado as contas em dia, o Estado tinha espaço para planejar e se preparar ao enfrentamento do coronavírus. “Extraímos muitas lições e hoje se conclui que planejar é fundamental”, diz, lembrando que o Estado foi um dos primeiros a criar um centro de operações específico para o enfrentamento da covid-19, uma medida que foi tomada logo no início, fato que contribuiu para o êxito das ações de combate a uma doença desconhecida.

“A missão era salvar vidas, sabíamos dos efeitos colaterais, mas era importante conter a propagação até a chegada da vacina (...) A crise sanitária também é econômica e social, era preciso o governo focar na pandemia, assim as medidas abarcaram os efeitos colaterais mais graves, como o fechamento do comércio, o desemprego e a falta de renda”.

Onde investir mais

Para a recuperação e retomada do crescimento, segundo o governador Reinaldo Azambuja, Mato Grosso do Sul vai manter o planejamento estratégico, dimensionando os impactos e avaliando os resultados. Até agora a estratégia de se antecipar aos problemas tem dado resultado muito positivo. A tática de “medir, medir e medir para a tomada de decisões; errar o menos possível, com informação e ciência”, mostrou-se eficaz, por isso a rubrica orçamentária da Fundação de Apoio ao Desenvolvimento do Ensino, Ciência e Tecnologia (Fundect) passa a ter uma atenção
maior no plano de investimentos. “Nos dias atuais não dá para ignorar a ciência, a tecnologia e a inovação, áreas com as quais precisamos contar para estabelecer as políticas de desenvolvimento. Ninguém pode crescer sem ciência e tecnologia”, destaca Riedel.

Por meio de gestão estratégica, Estado criou pacote de auxílios, isenções, projetos de estímulo e microcrédito para o turismo, a cultura, o pequeno empreendedor, bares, restaurantes e famílias mais vulneráveis (Foto: Chico Ribeiro)

O presidente do Programa de Saúde e Segurança da Economia (Prosseguir) lembra que no auge do combate ao coronavírus o Governo já preparava a volta dos alunos às salas de aula, reformando nada menos que 270 escolas e unidades de ensino integral. “Continuamos atuando sob a pandemia, o risco ainda existe, mas a vacinação eliminou a sobrecarga nos hospitais e abre uma janela de ação e de perspectiva”.

“Conversamos com os setores mais afetados pela pandemia e criamos um pacote de auxílios, isenções, projetos de estímulo e microcrédito para o turismo, a cultura, o pequeno empreendedor, bares, restaurantes e famílias mais vulneráveis”, destaca Riedel, lembrando que a responsabilidade no combate ao vírus permitiu que o Estado pudesse projetar uma retomada segura e com
perspectiva de crescimento. No entanto, ressalta que os investimentos precisam ser canalizados aos setores capazes de neutralizar os efeitos de uma crise sanitária tão forte.

A revisão do PPA para o período de 2020/2023 teve como ponto de partida o planejamento de investimentos em setores estratégicos diante do cenário de crise. “A pandemia desafiou governo e sociedade a se adaptarem rapidamente, não apenas em seus plano e modelos, mas, fundamentalmente, em uma pronta resposta que garantisse a vida, o emprego e a renda dos cidadãos”.

Segundo o texto final do PPA 2020/2023, o Estado é o protagonista das políticas de indução ao desenvolvimento econômico e por isso reforça também a responsabilidade como promotor da geração de renda e empregos.

Ao lado da educação, assistência social, cultura e esporte, a ciência, a tecnologia e a inovação passam a ser classificadas como setores estratégicos ao crescimento econômico e para o desenvolvimento social.

O Governo destaca também que, no aspecto administrativo, a revisão também permitiu simplificar os modelos de gestão e se aproximar ao que estabelece a Constituição de 1988, ou seja, elaboração de um plano com diretrizes regionalizadas, garantindo assim o desenvolvimento uniforme e ordenado.

“O governo busca, continuamente, melhorar sua gestão e aumentar a capacidade de entregar resultados para a sociedade e a ciência, tecnologia e inovação é considerada um instrumento central de promoção do empreendedorismo e do desenvolvimento social, ambiental e econômico no Estado”, diz a exposição de motivos para a revisão do PPA, que lista, entre os objetivos da “nova” gestão pública, a inovação e simplificação, equilíbrio fiscal, desenvolvimento de pessoas, estratégia de tecnologia e parceria”.

Edmir Conceição, Subcom
Foto destaque: Chico Ribeiro

Leia Também

PESQUISAS UEMS NA ALEMANHA
Pesquisas da UEMS são aprovadas em evento que acontece na Alemanha
VELOCIDADE DA INTERNET
Governador sanciona lei que obriga empresas informarem velocidade da internet na fatura
EQUIPAMENTOS AGRÍCOLAS
MS entrega 3,8 mil equipamentos agrícolas em um investimento de R$ 1,2 bilhão
TEMPESTADE TROPICAL
Ciclone com ventos de mais de 100 km/h deve atingir a região Sul a partir desta terça
QUARTA FEIRA GELADA
Fátima do Sul e região tem previsão de geada para esta quarta-feira, 18
FEIRÃO DIGITAL DE EMPREGOS
Feirão Digital de Empregos já teve 19 contratações e ampliou número de vagas
PROJETO INFOVIA DIGITAL
Homologada licitação para a implementação do Projeto Infovia Digital
CHUVA E FRIO EM FÁTIMA DO SUL
Meteorologia promete chuva e frio para o final de semana em Fátima do Sul
DETRAN DIGITAL
Abertura de processo de habilitação por CFC agora é feita pela internet
INVESTIMENTOS EM SEGURANÇA
DOF "fecha" fronteira para o crime e se aparelha para ser uma das unidades policiais mais equipadas