Menu
SADER_FULL
sábado, 8 de agosto de 2020
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
ÁGUAS DE BONITO
tapetão do brasileirão

Julgamento de cartas marcadas define queda da Lusa e "tri" do Fluminense

Clima antes da sessão era de que a decisão dos auditores do STJD dificilmente seria revertida

17 Dez 2013 - 07h51Por Terra

“Eu já esperava perder, mas não de 5 a 0”, confessou o presidente da Portuguesa, Manuel da Lupa, após ver sua equipe rebaixada à Série B no "tapetão”. Antes da sessão do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD), o advogado da Lusa, em entrevista ao Terra, não demonstrava, igualmente, muito otimismo: “seja o que Deus quiser”.

Na tarde desta segunda-feira, não foi o que Deus quis, mas o que os auditores do STJD entenderam ser uma questão de moralidade: a aplicação do artigo 241 do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD). Com cenas de digno pastelão, com citações ao Papa Francisc, e torcedores do Fluminense abraçando um advogado de terno, que sequer representava a agremiação para a qual se dizem devotos, o futebol brasileiro registrou mais um triste capítulo.

Não só pela falta de organização do mesmo tribunal, que não soube equalizar a alta demanda de profissionais de imprensa em seu apertado plenário, mas pela clara indicativa de que, por mais que não tenha havido dolo, e uma falha de comunicação tenha sido o fiel da balança - junto à negligência dos dirigentes da Portuguesa, é bem verdade -, nada disso foi levado em conta pelos auditores. As cartas já estavam marcadas. Valeu o que estava escrito no regulamento. E ponto.

A primeira testemunha de defesa a ser ouvida foi o diretor do departamento jurídico da equipe paulista Valdir Rocha. O mesmo que o advogado Oswaldo Sestário garantiu ter comunicado a aplicação dos dois jogos de suspensão ao meia Heverton, que entrou em campo no empate sem gols diante do Grêmio, na reta final do segundo tempo, indevidamente.

 

Após seguidas falhas do microfone, ele citou dois pontos em que a tal negligência por parte da Portuguesa poderia ser atenuada: um site em que a CBF disponibilizava as suspensões desde o dia 1º de setembro deste ano e os seguidos contatos com o advogado que há nove anos representa a agremiação. “Quando o Sestário não nos comunicava, era nossa dinâmica saber que não tinha nada, que era coisa de uma partida ou absolvido”, frisou.

Posteriormente, foi a vez do presidente da Portuguesa, Manuel da Lupa, ter o microfone em mãos para relatar que, em conversa com o mesmo advogado, obteve dele a declaração de que “a responsabilidade era dele”. “Mas como, se a Portuguesa é quem vai ter problemas na Justiça?”, retrucou. De nada adiantaram suas palavras, de nada adiantou ter trazido três atletas do clube ao plenário: : o lateral Juan, o goleiro Tom e o atacante Romão.

João Zanforlin, figura notória no STJD e há anos como advogado também do Corinthians, bateu na tecla de que “o direito não é uma ciência exata. É uma ciência humana”. “Esse menino (Héverton) foi igual ao chuchu: não fez mal, não fez bem. E agora vão dar um tiro na Portuguesa?", indagou. Sobrou até para o novo líder da Igreja Católica: “vamos ter que recorrer a quem (para explicar a situação do clube), ao Papa Francisco?”. Declaração forte, mas em vão.

Mário Bittencout, advogado do Fluminense, se apegou ao debate da “moralidade contra a legalidade” e pediu aos auditores que "não se convençam pelo emocional, nem pela opinião pública. Se faz Justiça aplicando direito. Pura e simples”. “O Fluminense não fez nada para isso que está acontecendo. Está, sim, cumprindo o regulamento dessa casa”, completou.

Foi o entendimento geral de todos os auditores, que seguiram à risca o voto do relator Felipe Bevilacqua. “Se mudássemos nossa jurisprudência, já ouvi falar que o Corinthians pode cair. E que o Botafogo pode perder a Libertadores. Se isso acontece nesse processo, com relação ao prazo, imaginem os senhores, todos reunidos aqui para saber se o Corinthians cai?", citou.

Torcedores do Fluminense fizeram festa com permanência na Série A, mesmo conquistada na Justiça Foto: Daniel Ramalho / Terra Torcedores do Fluminense fizeram festa com permanência na Série A, mesmo conquistada na Justiça Foto: Daniel Ramalho / Terra

Após citar os casos de Guiné Equatorial, Cabo Verde e Etiópia, que em casos semelhantes tiveram o mesmo tipo de punição, por parte da Fifa, nas eliminatórias africanas para a Copa do Mundo de 2014, Bevilacqua confirmou o que considerou “um erro primário” e condenou a Portuguesa com a perda de quatro pontos, mais multa de R$ 1 mil.

Conforme os votos iam sendo computados, era possível ouvir, mesmo do 15º andar do prédio do STJD, os torcedores do Fluminense comemorando cada decisão como um gol. Eram gritos incessantes de torcedores apaixonados e cegos, na mesma proporção, que comemoravam o triste tricampeonato conquistado junto ao STJD. Não vão, por ora, ter que pagar a Série B. Pelo menos até a data do julgamento do recurso, no próximo dia 27. 

Lusitanos choram e torcida do Fluminense comemora; veja bastidores do julgamento:

Deixe seu Comentário

Leia Também

VICENTINA - PESQUEIRO 7 BELLO
Seguindo todas medidas de prevenção, Pesqueiro 7 Bello volta atividades neste domingo em Vicentina
BORA PRA BONITO - MS
Passeios de cavalo em Bonito - uma verdadeira terapia!
FÁTIMA DO SUL - DICA CIA DO BICHO
Saiba o que são rações terapêuticas, Cia do Bicho destaca vários tipos, confira
BORA PRA BONITO - MS
Crie laços com a natureza em Bonito, MS!
BOCA DA ONÇA É NO MS
Maior cachoeira do MS, Boca da Onça retorna com muitas novidades, confira
BORA PRA BONITO - MS
O que é ecoturismo e porque Bonito, MS?
BONITO - MS - BALNEÁRIO MUNICIPAL
Balneário Municipal que reabre neste sábado em Bonito (MS), veja como funcionará
BORA PRA BONITO - MS
Viajar para Bonito (MS) é o remédio para te fazer mais feliz!
NOTA MS PREMIADA
SERÁ QUE FOI VOCÊ?: Prêmio de R$ 100 mil do Nota MS Premiada vai para único ganhador em MS
BORA PRA BONITO - MS
10 motivos para viajar aos 30 anos para Bonito (MS)