Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
quarta, 2 de dezembro de 2020
SADER_FULL
Busca
SITIOCA ALVORADA
Podem valer até R$350

Disco de vinil retorna a moda e chega a custar 10 vezes mais caro que um CD

Amantes do bolachão e empresários locais falam sobre a cena do artigo raro

14 Abr 2014 - 15h31Por Uol

As décadas já não são mais aquelas do final do século 20. A indústria fonográfica passou por reformulações profundas nos últimos 40 anos, e atualmente, a esmagadora maioria das músicas é comercializada no formato mp3. No caminho inverso da rapidez tecnológica, profissionais da discotecagem, empresários e o público saudosista mantêm vivo o momento de colocar um disco de vinil na vitrola.

Além da forma de vender música, o bolachão também passou por transformações. O preço para ter um desses itens na estante nos dias atuais está baseado na lei da oferta e da procura, o que deixa o preço muito acima do que era vendido na época dos áureos tempos dos LPs.

Marcelo Rodrigues é prova que esse amor custa caro. O cabeleireiro já chegou a desembolsar R$ 200 para ter na sua coleção um exemplar de um single da Madonna, “Revolver“, comprado em São Paulo. Ele relata que a média dos valores em Fortaleza também está salgado e gira em torno de R$350. A título de comparação, um álbum recém-lançado em CD, custa em média R$ 35.

Na coleção de 297 discos, a cara Madonna divide espaço com o barato exemplar de “Construção”, de Chico Buarque. Um achado comprado em Guaramiranga por R$ 3.

“Tecnicamente a diferença é que o som do vinil é mais refinado. Você consegue ouvir melhor todos os instrumentos, principalmente dos títulos mais antigos. O CD tem uma batida diferente, um apelo eletrônico”, justifica Marcelo Rodrigues. Ele completa que o charme do vinil está ligado também à atmosfera que ele gera.

O DJ Carlos Magno, conhecido na cena cearense como CM, é dono de um acervo bem mais generoso. “Parei de contar quando tinha 500, hoje devo ter mais de 600”, enumera ele, que é colecionador desde os 13 anos.

À frente de dois projetos de discotecagem de vinil na Capital, CM começou de forma despretensiosa. “Eu e minha esposa nos reuníamos com um grupo de amigos pra ouvir vinil, daí surgiu ‘a noite do vinil’”. A noite se transformou em uma data fixa semanal no bar Floresta – localizado em área nobre de Fortaleza – que já dura quase dois anos.

Quando o assunto é encontrar discos raros em Fortaleza, CM aponta que dá para encontrar exemplares pela cidade, mas que São Paulo é o “paraíso” do colecionador. A opinião é dividida com o DJ Marquinhos, que já chegou a ter 3 mil títulos em seu acervo. “Tem o disco fácil e o disco raro. Alguns discos tidos como raro são muito difíceis de encontrar aqui em Fortaleza”.

Vinil Fortaleza

Arte: Tiago Leite

Preço de vinil novo é astronômico

Na outra ponta desse mercado está Juarez Sampaio. Proprietário das lojas Desafinados, ele reclama que a maioria dos vinis são importados e que os altos custos são responsáveis por elevar o valor em quase 220% em relação ao preço do exterior.

“Lá fora lança CD por U$S 20 e vinil por U$S 70. Os impostos fazem com que eles cheguem aqui muito mais caro”, calcula. Talvez por essa diferença, existam apenas 100 exemplares de vinil na loja de Juarez, um número muito menor que o volume de CDs.

Pelas ruas de Fortaleza também é possível encontrar vinis usados em sebos ou lojas especializadas. Dono de uma delas, a Botija Discos, Leontino Eugênio transformou, há 20 anos, a paixão pelo artigo em profissão.

De lá pra cá, ele afirma que a melhora na venda é perceptível, apesar de ser inconstante. “Tem dias que vende 15, tem dias que não vende nenhum”, diverte-se.

Os frequentadores da loja que entram para garimpar um bom título são basicamente jovens, de acordo com Leontino. Tem desde o colecionador de 35 anos até o adolescente de 15. “Muitos deles não viveram a época do vinil, como eu. Eles vêm cheio de curiosidade”.

Deixe seu Comentário

Leia Também

100 COPINHA
FPF anuncia o cancelamento da Copa São Paulo Junior de 2021
1ª PEDALADA MARANATA KIDS
Igreja Adventista do Sétimo Dia realiza a 1ª Pedalada Maranata Kids em Fátima do Sul
Zezé Di Camargo canta durante velório do pai, Francisco Camargo, em Goiânia  Foto: Vítor Santana G1 TRISTE PARTIDA
Zezé Di Camargo toca sanfona e canta 'É o Amor' durante velório do pai
FENÔMENO DA NATUREZA
Meteoro explode sobre a fronteira do RS com o Uruguai; veja imagens
VENDA DE CARROS
A venda de carros novos continua crescendo
ELIMINATÓRIAS
Brasil vence Uruguai e segue 100% nas eliminatórias da Copa do Mundo
CHOCANTE
Menina de 13 anos é forçada a se casar com homem de 48 nas Filipinas
FUTEBOL
Filho de Eliza Samudio e Bruno joga como goleiro em escolinha de MS
FÁTIMA DO SUL - O BOTICÁRIO
O Boticário traduz o poder de um abraço em nova fragrância, confira em Fátima do Sul
HONESTIDADE
Casal descobre tesouro em casa recém-comprada e devolve pro antigo dono