Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
terça, 24 de novembro de 2020
SADER_FULL
Busca
UNIGRAN DOURADOS
Campo Grande

Estudantes espancam aluna nova por ciúmes em escola pública de Campo Grande

2 Abr 2014 - 13h12Por Mídia Max

Uma adolescente de 16 anos foi agredida na tarde de sexta-feira (28), quando saía da escola Caic (Centro de Atendimento Integral à Criança) Rafaela Abrão, no bairro Aero Rancho – região sul de Campo Grande. A motivação principal seria ciúmes da jovem, era nova na instituição. O fato foi registrado na Polícia Civil, após o colégio não tomar nenhuma providência, segundo informações da mãe da vítima. 

 
O nome da estudante e da mãe foram preservados, conforme exigência do ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente). 
 
A jovem contou à equipe do Midiamax que ao sair da escola, por volta das 17h30, seguiu até um ponto de ônibus. “Fui cercada por um grupo de cinco alunos, sendo três garotas e dois meninos. Não entendi o que estava acontecendo, tentei seguir para o ponto de ônibus, mas duas delas vieram para cima de mim e começaram a me bater”, lembra. 
 
Com lágrimas nos olhos, ela recorda que foi agredida com socos no rosto, boca, foi jogada no chão, recebeu diversos pontapés e chegou a ser arrastada pelos cabelos. “Foi horrível, não quero voltar mais lá”. 
 
Traumatizada, a mãe da jovem a tirou da escola e procurou a direção, que se limitou dizendo que, “o problema não é da escola, pois a briga foi do lado de fora do portão”, ignorando que os alunos pertencem à instituição e estavam uniformizados. 
 
BRIGA 
 
A jovem de 16 anos tinha acabado de ser transferida para a escola Caic do Aero Rancho. Há um mês, ela estava estudando no 8º ano do ensino fundamental. Durante o intervalo, foi abordada por um garoto na hora do intervalo, que começou a conversar com ela. 
 
“Nem sabia quem ele era. Ele veio falar comigo e perguntou da onde eu era, o que estava achando dali e bobeiras”, conta. 
 
Durante as agressões, as meninas questionavam se ela estava interessada no "garoto da hora do intervalo", o que ela tinha com ele, se estava furando os olhos delas. “Não sei mesmo quem era ele, e muito menos quem me cercou”, afirma. 
 
Após a briga, a jovem não encontrou o aparelho de celular, anel e corrente, ambos de ouro. Pelo corpo, ainda há marcas da agressão. Ela passou por um exame de corpo de delito no Imol (Instituto Médico Odontológico Legal).
 
“Isso é um absurdo, a escola não tomar nenhuma providência. Se eles fecham os olhos para isso, eu faço, procurei a delegacia para denunciar o caso, e tirei minha filha de lá, não quero que ela seja agredida de novo ou perseguida dentro da escola. Ela está estudando  com os agressores. Ela foi lá pra estudar e não para ser agredida”, conclui a mãe.

 

 

Arlindo Florentino
 

Deixe seu Comentário

Leia Também

DOURADOS - UNIGRAN
Diretor da Inova UNIGRAN conquista o 1º lugar no ranking de líderes do InovAtiva Brasil
EDUCAÇÃO NA PANDEMIA
Protocolo de Volta às Aulas da Rede Estadual prevê ensino híbrido em 2021
GREVE DE FOME
Professores fazem greve de fome por revogação de edital de temporários
HONESTIDADE
Casal descobre tesouro em casa recém-comprada e devolve pro antigo dono
JATEÍ E SUA HISTÓRIA
Emoção marca agradecimentos de autoras de livro ao prefeito que está resgatando história de Jateí
INOVAÇÃO NA EDUCAÇÃO
Missão educacional em Rio Brilhante se inova com tecnologia para desafios em tempos da pandemia
ARTIGO DO LEITOR
Professor de Fátima do Sul escreve sobre a volta de 15 de novembro nas eleições brasileiras
VOLTA ÀS AULAS EM MS
VOLTA ÀS AULAS presenciais na rede estadual só em 2021, diz governador
Aluna testou positivo e pais informaram a escola sobre caso de covid. (Foto: Arquivo/Kísie Ainoã) CORONAVÍRUS EM MS
Aluna testa positivo para coronavírus e escola de Ensino Médio fecha por 14 dias em MS
WEBINÁRIO DO MS
SES realiza webinário Sul-Mato-Grossense para enfrentamento à Covid-19