Menu
SADER_FULL
sexta, 4 de dezembro de 2020
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
SITIOCA ALVORADA
mercado

Dólar cai pelo 3º dia e vai a R$ 2,35, com nova meta fiscal

22 Fev 2014 - 09h17Por Terra

O dólar fechou em queda pela terceira sessão consecutiva, voltando ao patamar de R$ 2,35 nesta sexta-feira, à medida que investidores desmontaram posições compradas após o bem recebido anúncio da nova meta fiscal na véspera e acompanhando a depreciação da divisa americana no exterior.

O dólar recuou 0,81%, a R$ 2,3534 na venda, após bater R$ 2,3511 na mínima da sessão. Segundo dados da BM&F, o giro financeiro ficou em torno de US$ 1,2 bilhão. Na semana, a moeda americana acumulou queda de 1,39% ante o real, a maior perda semanal desde o fim do ano passado.

"Muita gente estava comprada em dólar, com os fundamentos ruins e o cenário preocupante lá fora. Com o anúncio fiscal e a tranquilidade das últimas semanas, o pessoal desfez essas posições", disse o operador de um importante banco nacional. É o sexto pregão consecutivo em que o dólar fecha abaixo do nível de R$ 2,40, em meio ao arrefecimento das preocupações com mercados emergentes que vinham pressionando ativos de países em desenvolvimento nas praças financeiras globais.

A mais recente fonte de alívio no mercado doméstico foi o anúncio da nova meta de superávit primário para este ano, que foi bem recebida pelo mercado e levou a divisa americana a fechar a véspera no nível mais baixo em um mês. "Era esperado que houvesse uma correção, porque o dólar caiu bastante nas últimas sessões, mas o mercado ainda está sob o efeito do plano fiscal, que ajuda um pouco o real", afirmou o gerente de câmbio da corretora Treviso, Reginaldo Galhardo.

De acordo com especialistas, mesmo com as recentes quedas, o dólar tende a voltar a subir no curto prazo, com investidores retomando a atitude de cautela agora que as notícias positivas já foram precificadas. Parte do mercado vê que a divisa deve oscilar entre R$ 2,35 e R$ 2,45, níveis que não são inflacionários e, ao mesmo tempo, não prejudicam as exportações.

A queda do dólar no Brasil também foi influenciado pela depreciação da divisa americana nos mercados globais. O movimento ganhou força após as vendas de moradias usadas nos EUA caíram mais que o esperado em janeiro, alimentando preocupações sobre a recuperação da maior economia do mundo.

Ajudou ainda a constante atuação do Banco Central brasileiro no câmbio. Pela manhã, deu continuidade às atuações diárias, vendendo a oferta total de até 4 mil swaps tradicionais - equivalentes a venda futura de dólares - com volume equivalente a US$ 197,5 milhões. Foram 500 contratos para 1º de agosto e 3,5 mil para 1º de dezembro deste ano.

O BC também vendeu o lote integral de 10,5 mil swaps em mais um leilão para a rolagem dos contratos que vencem em 5 de março. Com isso, o BC já rolou cerca de 84% do lote para o próximo mês, que equivale a US$ 7,378 bilhões.

Deixe seu Comentário

Leia Também

EMERGENCIAL IRREGULAR
Governo vai cobrar por SMS que 2,6 milhões de pessoas devolvam auxílio emergencial irregular
AÇÕES DO GOVERNO MS
Pacote de projetos do Governo contempla Refis Pandemia, que concede redução de até 95% nas dívidas
INVESTIMENTOS DO GOVERNO MS
Parque dos Poderes vai ganhar primeira revitalização em mais de três décadas
AÇÕES DO GOVERNO MS
Novo projeto de lei da Bolsa Atleta terá primeira votação nesta quinta-feira na Assemb. Legislativa
NOVOS PRAZOS
Detran-MS alerta para retomada de prazos que estavam suspensos por conta da pandemia
NOTA PREMIADA MS
No combate à sonegação fiscal, Nota MS Premida distribui R$ 3 milhões em prêmios
AUXÍLIO EMERGENCIAL
Auxílio emergencial é confirmado com valor médio de R$ 688; veja como e quem recebe
OPORTUNIDADES
Detran inicia nesta quarta-feira (02), leilão de 479 sucatas aproveitáveis de motos e automóveis
AÇÕES DO GOVERNO MS
Governo apoia projeto de geração de renda com cerâmicas Kadiwéu
A PEDIDO DOS SERVIDORES
A pedido dos servidores, Governo de MS paga 13° salário nesta terça-feira