Menu
SADER_FULL
domingo, 25 de julho de 2021
Busca
renda desigual

Desigualdade aumenta e volta ao patamar de 2011, afirma Pnad

18 Set 2014 - 10h00Por G1

O Índice de Gini, que mede a distribuição da renda, passou de 0,496 em 2012 para 0,498 em 2013. Embora a variação seja pequena, o índice voltou para o mesmo patamar de 2011, interrompendo uma trajetória de queda desde 2001.

A informação é da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), divulgada na manhã desta quinta-feira (18) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Esse índice é uma medida do grau de concentração de uma distribuição, cujo valor varia de zero (a perfeita igualdade) até um (a desigualdade máxima).

A Região Nordeste apresentou o maior nível de desigualdade na distribuição do rendimento do trabalho (0,523). No Piauí, foi registrado o pior resultado do país: 0,566.

“Se observou que de 2013 para 2012 teve aumento do rendimento e certa estabilidade do Índice de Gini. E viu que as variações maiores se deram nos rendimentos mais elevados", afirma Maria Lucia Vieira, gerente da Coordenação de Trabalho e Rendimento (Coren), do IBGE.

Em 2013, os 10% mais pobres receberam, em média, R$ 235 por mês, valor 3,5% superior ao registrado no ano anterior. Por outro lado, os 10% mais ricos concentraram 41,2% do total de rendimento de trabalho – eles ganharam, em média, R$ 6. 930, valor 6,4% maior do que em 2012.

De maneira geral, a renda dos trabalhadores subiu 5,7% de um ano para o outro, chegando a 1.681 por mês.

Todas as fontes de renda
Considerando os rendimentos de todas as fontes (não apenas a renda do trabalho), o Índice de Gini caiu continuamente, mas em patamares diferentes: ficou estável em 2001 e 2002 – 0,569; diminuiu para 0,504 em 2012; mas, no ano passado, também voltou ao patamar de 2011, de 0,505.

O Índice de Gini de todas as fontes em 2013 foi menor na Região Sul (0,463), onde Santa Catarina foi o destaque nacional (0,438). A região que apontou a maior desigualdade, nesse caso, foi a Centro-Oeste (0,519). Este índice foi puxado pelo resultado do Distrito Federal (0,570), que apresentou a maior concentração de renda do país.

"O que pudemos observar é que de rendimento do trabalho, o Nordeste tem o Gini mais elevado quando olhamos de ‘todas as fontes', passa a ser a Centro-Oeste”, diz Maria Lucia Vieira.

'Estabilidade'
A presidente do IBGE, Wasmalia Bivar, diz que a concentração de renda ainda é alta, mas há uma tendência da estabilidade da desigualdade. "Tendência de queda não existe, porque ele [o Índice de Gini] cresceu ligeiramente do trabalho enquanto que de outras fontes se manteve constante. Se você for olhar a série, vai ver que a série vinha reduzindo o Gini. Ele ultrapassou uma fronteira importante que foi do 0,5, abaixo do 0,5 no caso do trabalho, e ainda se mantém, mas ele mostra uma certa instabilidade”.

Mulheres e homens
O Índice de Gini também indicou que a distribuição de renda foi mais desigual entre os homens (0,503) do que entre as mulheres (0,477).

O maior nível de concentração da renda entre homens ocupados foi observado no Piauí (0,572), e o menor nível, no Amapá (0,432).

Entre as mulheres ocupadas, o maior nível de desigualdade no rendimento foi encontrado no Maranhão (0,564), e o menor nível, em Santa Catarina (0,381).

Deixe seu Comentário

Leia Também

FOTO: NOTÍCIAS E CONCURSOS BOLSA FAMÍLIA 2021
Novo Bolsa Família de R$ 300 pode ser financiado; veja como
INVESTIMENTOS DO GOVERNO MS
Governo fará reforma geral da Escola Inácio Silvestre Monteiro, na área rural de Caracol
AÇÕES DO GOVERNO MS
Governador sanciona LDO, que prevê receita de R$ 18,47 bilhões para MS em 2022
SURPRESA
Servidor público vai buscar informação e é surpreendido ao ser aposentado em uma hora em MS
MS FORTE
Azambuja afirma que MS será um dos primeiros estados a retomar atividades econômicas
MICROCRÉDITO
MS Contrata + abre pré-cadastro para programa de Microcrédito com juro zero
TERMELÉTRICAS
Agepan fiscaliza duas usinas termelétricas em campanha para garantir disponibilidade de energia
INVESTIMENTOS DO GOVERNO MS
Governo investe R$ 5,8 milhões na pavimentação da MS-455, criando novo acesso a Capão Seco
OPORTUNIDADE
Caixa abre 10 mil vagas de emprego; veja como concorrer
VIRALIZOU
Promoção em loja dá o que falar na web: "Baixamos as calças, estamos quase dando"