Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
quinta, 4 de março de 2021
SADER_FULL
Busca
ação de improbidade

Contrato com empresa do grupo Taurus pode gerar condenação na Iagro

5 Dez 2013 - 14h12Por Mídia Max

O Ministério Público Federal (MPF) em Mato Grosso do Sul ajuizou ação de improbidade para que o ex-presidente da Iagro (Agência Estadual de Defesa Sanitária Animal e Vegetal de MS), Roberto Rachid Bacha, seja condenado por aplicar verba federal na contratação de serviços sem licitação. Bacha autorizou a assinatura de acordo com empresa de informática para realizar a manutenção dos veículos do órgão.

O convênio, firmado em setembro de 2007 entre o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) e a Iagro, destinou R$ 28 milhões para o combate à febre aftosa em Mato Grosso do Sul. Porém, a agência, em vez de realizar licitação para adquirir bens e serviços com o dinheiro público, aderiu a contrato realizado pelo Governo do Estado com a empresa SH Informática, que passou a fornecer combustível e serviços de conserto e manutenção veicular.

A SH Informática faz parte do Grupo Taurus Distribuidora de Petróleo, mas presta serviços notoriamente distintos. Em análise aprofundada, o Tribunal de Contas da União (TCU) encontrou outras irregularidades no contrato da empresa com o Governo de MS. A licitação apresentou indícios de restrição à competitividade e direcionamento de fornecedor. “A licitação 'casada' dos serviços restringiu a competitividade da licitação, a ponto de somente a empresa vencedora, Taurus Distribuidora de Petróleo Ltda., conseguir atender as exigências do edital”, destaca o relatório do TCU.

Violação à moralidade

Como se não bastasse a contratação de empresa com objeto diferente do serviço prestado, a Iagro, para divulgar as ações de combate à aftosa, não licitou para contratar agência de publicidade, optando por fazer convênio com a Secretaria de Estado de Governo, sem sequer formalizar a situação – requisito obrigatório na aplicação da verba federal.

Na visão do MPF, “apesar da não constatação de enriquecimento ilícito ou dano material, a improbidade administrativa também se caracteriza pela violação ao princípio da moralidade e essa irregularidade, por si só, já é apta para a aplicação das sanções legais”.

Pela conduta ilegal, Roberto Bacha pode ser condenado a pagar multa de até cem vezes o valor da remuneração recebida; ter os direitos políticos suspensos por até cinco anos; ser proibido de contratar com o Poder Público ou receber incentivos fiscais ou creditícios pelo prazo de três anos; e perder a cargo público, se ainda exercê-lo.

Deixe seu Comentário

Leia Também

OPORTUNIDADE DE EMPREGO
JBS anuncia 154 vagas de emprego para unidades de Dourados e Ponta Porã
CONCURSO PÚBLICO
Reinaldo Azambuja autoriza concurso público com 250 vagas para Polícia Civil
200TÃO
Estado de MS vai ter programa próprio de auxílio emergencial
ENERGIA SOLAR
Parceria capacita pessoas de baixa renda para atuarem no promissor mercado da energia solar
IMPOSTO DE RENDA
Servidores estaduais já podem emitir Informe de Rendimentos 2020
Katiuscia Fernandes - Subcom ENERGIA SOLAR NO PANTANAL
Entenda como paineis solares vão garantir energia elétrica a 5 mil no Pantanal
SORTUDO
Homem ganha loteria com números do biscoito da sorte: 3 milhões
SAQUE FGTS
Saque do FGTS paga novo grupo este mês; confira valores e calendário completo
TEMPORADA DE PESCA
Começa temporada de pesca; cota estipulada pelo Governo de MS é um exemplar e cinco piranhas
BOA NOTICIA
Governo zera PIS e Cofins do diesel e do gás de cozinha