Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
terça, 24 de novembro de 2020
SADER_FULL
Busca
CIA DO BICHO
Falso prêmio de R$ 73 milhões

Caixa diz que aprimorou sistema após fraude envolvendo Mega-Sena

23 Jan 2014 - 13h30Por Uol

A Caixa Econômica Federal afirmou nesta quinta-feira (23) que "aprimorou seus controles internos" para evitar novas fraudes. Uma quadrilha desviou R$ 73 milhões em um esquema envolvendo um falso prêmio da Mega-Sena em 2013.

Em nota, o banco disse que "abriu apuração interna e, como qualquer outro banco, diante de fato relevante, aprimorou seus controles internos".

O esquema foi descoberto pela própria Caixa, que o denunciou à PF. Deflagrada no último sábado (18), a operação Éskhara investiga uma quadrilha que usou documentos falsos para abrir uma conta corrente em uma agência da Caixa de Tocantinópolis (TO), onde foram depositados cerca de R$ 73 milhões. O dinheiro foi desviado do banco e depositado como pagamento de um falso prêmio da Mega-Sena. Depois, foi transferido para outras contas em menores quantias em todo Brasil.

A Caixa informou que não vai mais comentar o caso durante as investigações e que acionou a Polícia Federal logo que constatou a fraude. "O banco continua acompanhando o caso e está à disposição da PF para colaborar com as investigações", disse a Caixa, em nota.

A PF prendeu no sábado (18) o suplente de deputado federal Ernesto Vieira Carvalho Neto (PMDB-MA). Ele é suspeito de fazer parte do esquema de desvio de dinheiro. Procurado pelo UOL, o partido não quis comentar a prisão de Carvalho Neto.

Os agentes da PF também prenderam o ex-gerente-geral da agência da Caixa em Tocantinópolis, Robson Pereira do Nascimento. De acordo com a PF, Nascimento tinha senha para acessar o sistema do banco, que libera recursos de prêmios de loterias. Para liberar o dinheiro do prêmio é preciso enviar informações sobre o bilhete premiado e esperar a autorização do banco. Segundo as investigações, o ex-gerente liberou o dinheiro sem autorização e sem enviar as informações do bilhete.

A PF iniciou a segunda fase de investigações na segunda-feira (20). Segundo o delegado federal Omar Pepow, inicialmente foram identificadas as contas bancárias que mais receberam dinheiro do desvio e agora estão sendo analisadas os repasses menores. São pelo menos 200 contas bancárias envolvidas no esquema.

Do total de R$ 73 milhões, cerca de 70% já foram recuperados.

Os envolvidos responderão pelos crimes de peculato, receptação majorada, formação de quadrilha e  da Lei 9.613/98 (lavagem de dinheiro), cujas penas somadas, caso condenados, podem chegar a 29 anos de reclusão.

A investigação da operação Éskhara da PF tem participação do Ministério Público Federal. Participam da operação 65 policiais federais dos Estados do Tocantins, Goiás, Maranhão e São Paulo.

Deixe seu Comentário

Leia Também

GOVERNO PRESENTE EM DOURADOS
GOVERNO PRESENTE: Obra do acesso do Aeroporto à BR-463 contempla pedido de Barbosinha em Dourados
ALTA NO PREÇO
Bolsonaro diz que alta nos preços dos alimentos é consequência do "fique em casa"
AUXILIO POPULAÇÃO
Ala política defende prorrogar auxílio emergencial, mas Bolsonaro ainda não decidiu
INVESTIMENTOS DO GOVERNO MS
Com apoio da Defesa Civil Nacional, Estado construirá 15 pontes de concreto no Pantanal
COMBATE AO MOSQUITO
Ação estratégica: Governo faz Dia D da campanha "Aproveite a Quarentena e Limpe o seu Quintal"
AÇÕES DO GOVERNO MS
Antecipação de salários, incluindo 13º, aquece o mercado e resgata a confiança do consumidor, avalia
VENDA DE CARROS
A venda de carros novos continua crescendo
OPORTUNIDADE
Concurso público tem 78 vagas e salários chegam a R$ 3,2 mil em MS
ROTA BIOCEÂNICA
Avanço em obras no Paraguai e em MS marcam mais uma etapa na consolidação da Rota Bioceânica
GREVE DE FOME
Professores fazem greve de fome por revogação de edital de temporários