Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
segunda, 10 de agosto de 2020
SADER_FULL
Busca
ÁGUAS DE BONITO
Combustíveis

Acordo prevê piso de 4% e teto de 8% para reajuste de gasolina e diesel

A política de recomposição de preços da Petrobras acertada no fim do ano prevê, uma banda para o reajuste da gasolina e do diesel.

17 Jan 2014 - 07h15Por Uol

A política de recomposição de preços da Petrobras acertada no fim do ano prevê, como referência, uma banda para o reajuste da gasolina e do diesel. Segundo a Folha apurou com interlocutores do governo, esse intervalo leva em consideração um piso de 4% e um teto de 8%.

Não por acaso, o reajuste mais recente, concedido no fim de novembro, foi de 4% para a gasolina e de 8% para o diesel. A política fechada na mais recente reunião do conselho de administração da Petrobras, na mesma ocasião, não obriga a estatal a aplicar esses percentuais, mas eles funcionam como parâmetro.

O mesmo vale para as estimativas de prazo. Anteontem, a Folha revelou em seu site que a metodologia para reajustes prevê revisão de preços em junho, podendo ser antecipada ou retardada de acordo com a conveniência. A informação sobre o prazo foi negada pelo governo.

A ideia é que sejam dois reajustes anuais, mas o melhor momento será avaliado pela cúpula da empresa e seu conselho, presidido pelo ministro Guido Mantega (Fazenda).

Procurada para comentar a existência de um piso e um teto como referência, a assessoria da Fazenda informou desconhecer qualquer decisão sobre combustível e acrescentou que tratar desse assunto é prerrogativa da Petrobras. Já a estatal disse que não comentaria o caso.

Os detalhes da política de recuperação de preços definidos em 2013 foram mantidos em segredo. No comunicado divulgado no fim do ano, a estatal informou que, "por razões comerciais, os parâmetros da metodologia de precificação serão estritamente internos à companhia".

A Fazenda não só acompanhou as discussões no âmbito do colegiado como influiu na decisão ao descartar a primeira proposta feita pela Petrobras para resolver seu problema de caixa.

A diretoria da estatal chegou a aprovar uma fórmula de reajuste automático, saída descartada pelo governo. No lugar da fórmula, o conselho adotou o "mecanismo", que, entre outros elementos, estabelece a banda de reajuste.

BRECHAS

A opção pelo sigilo, porém, abre brechas para que os parâmetros possam ser flexibilizados e, no limite, nem sejam adotados.

No diagnóstico oficial, resolvendo o problema da Petrobras, o governo terá acatado as principais fontes de instabilidade da gestão Dilma. O mercado financeiro -as ações da empresa são um ativo demandado especialmente por investidores estrangeiros- é um ponto nevrálgico.

Mas há o temor de engessar a equipe econômica se for fixada data para reajuste periódico, sobretudo num ano em que a inflação ainda gera dúvidas. Por isso, a decisão de não divulgar o mecanismo.

Deixe seu Comentário

Leia Também

NOTA MS PREMIADA
SERÁ QUE FOI VOCÊ?, Ganhadores do Nota MS Premiada têm até dia 14 para fazer cadastramento
BORA PRA BONITO - MS
Porque ir a Bonito MS?
FÁTIMA DO SUL - O BOTICÁRIO
Linha de cuidados pessoais do Boticário traz produtos com Vitamina E e D-Pantenol, confira aqui
AÇÕES DO GOVERNO DE MS
Investimento em parques industriais acelera geração de empregos em MS
OPORTUNIDADE DE EMPREGO
Prefeitura em MS abre seleção para pedagogo com salário de até R$ 5,4 mil
SAQUE EMERGENCIAL
FGTS emergencial: liberados novos saques para trabalhadores nascidos em julho
INVESTIMENTOS DO GOVERNO MS
Governo apresenta política estadual de gestão de águas em seminário virtual sobre recursos hídricos
AUXILIO EMERGENCIAL
Apesar da falta de recursos, governo avalia prorrogar Auxílio Emergencial
INVESTIMENTOS DO GOVERNO MS
Parceria Estado/Município garante bloco pediátrico e maternidade para Amambai e região
MARMITARIA FAVO DE MEL
Marmitaria Favo de Mel de Fátima do Sul serve combo especial para o Dia dos Pais