Menu
SADER_FULL
quinta, 29 de outubro de 2020
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
ÁGUAS DE BONITO
conflito em japorã

Vizinhos de propriedades rurais invadidas se sentem ameaçados

29 Out 2013 - 13h26Por Assessoria de Imprensa Sistema Famasul

Os vizinhos das propriedades rurais invadidas em Mato Grosso do Sul se sentem ameaçados com as ações dos indígenas. As queixas envolvem desde coação e ameaças até desaparecimento de animais. Um dos casos é o da Fazenda Campo Flor, localizada em Iguatemi, próxima à fazenda Cambará, invadida em agosto de 2011. De acordo com o administrador da Campo Flor, Domingos Borges Sorgatto, desde a invasão vários bovinos desapareceram da propriedade.

O administrador relata que, por estar a propriedade localizada entre a aldeia e a área invadida, os indígenas tumultuam o manejo, quebram cercas e fazem ameaças. "Eu fico inseguro de exercer o meu trabalho. Eles entram gritando com os animais até eles pularem a cerca, agem em bando e circulam o tempo todo dentro da propriedade", afirma. Segundo Sorgatto, já foram realizados Boletins de Ocorrências junto à polícia civil relatando o desaparecimento de quatro cabeças de gado e o mesmo procedimento será feito agora na Polícia Federal.

Também com propriedade próxima à fazenda Cambará, Paulo Schemberger, dono da Fazenda Campo Flor da Lagoa, se diz intimidado com a presença dos indígenas. "Quando preciso passar pelo caminho próximo à área invadida e os encontro reunidos, fico receoso com a abordagem. Além disso, eles têm o costume de jogar pedras nos veículos", ressalta o produtor. As duas propriedades citadas estão fora da área pretendida pela Funai.

Em reunião entre produtores e dirigentes da Federação da Agricultura e Pecuária de MS (Sistema Famasul), a proprietária da Fazenda Quitandinha, Dalva Malaquias Ferreira, de Dois Irmãos de Buriti, fez um relato das constantes ameaças, furtos e intimidações dos indígenas em sua propriedade. "Eu não tenho sossego. Os indígenas capturam meu gado, dão tiro, carneiam e levam meus animais. Já acionei a Força Nacional por duas vezes e a recomendação que tive era para levar os animais para outra área e tomar cuidado. Ou seja, eu não tenho para quem pedir ajuda", desabafou.

De acordo com as informações do Sistema Famasul, atualmente existem 79 propriedades invadidas em MS. Deste total, 21 foram invadidas depois de acordo firmado entre produtores e indígenas com Ministério da Justiça, pelo qual os últimos se comprometeram em não promover novas invasões.

Diante da morosidade do Governo Federal em resolver os impasses fundiários, os produtores rurais de MS fixaram o prazo de 30 novembro para que seja apresentada pelo Governo Federal proposta de ação concreta para os litígios de terra no Estado. A partir da data, serão retomadas as ações e medidas para o cumprimento das decisões judiciais e o setor vai se retirar da mesa de negociação.

Fazenda Cambará

A fazenda Cambará, pertencente ao produtor Osmar Bonamigo, foi invadida no dia 08 de agosto de 2011 por um grupo de índios guarani kaiowá. Em setembro de 2012, a Justiça Federal em Naviraí determinou reintegração de posse da fazenda, mas os indígenas permanecem na área.

Deixe seu Comentário

Leia Também

AÇÕES DO GOVERNO DE MS
Governo do Estado entrega 20 motos BMW para a PM e o Corpo de Bombeiros Militar
CALORZINHO NO MS
Cidade de MS bate recorde histórico de temperatura máxima 44,6 °C
SORTUDOS DE MS
SORTUDOS DE MS: 5 apostadores levam a quina da Mega-Sena, confira se foi você
MS DESTAQUE
Com práticas voltadas para Educação e Gestão Pública, MS é destaque em 1º Prêmio do Brasil Central
FERIADÃO CHEGANDO
Feriado prolongado na pandemia: consciência, reponsabilidade e cuidados redobrados
TURISMO
Conheça o Vancouver com um visto Canadense
DEFESA CIVIL ALERTA
ALERTA DEFESA CIVIL: Tempo seco pode trazer riscos à saúde e incêndios florestais em todo MS
TECNOLOGIA
Detran-MS implementa sistema inovador para pagamento de guias por cartão de débito de todos os bancos
TRAGÉDIAS DA COVID-19
Grávida morre após pegar Covid durante chá de fraldas surpresa
ESPAÇO SAÚDE
Gripe, alergia ou resfriados? Você sabe a diferença?