Menu
SADER_FULL
sexta, 7 de agosto de 2020
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
ÁGUAS DE BONITO
Fátima do Sul

Reverendo José do Carmo profere palestra "Convivendo com as Diferenças" em Fátima do Sul

10 Out 2013 - 18h00Por Assessoria

"Convivendo com as Diferenças". Diversidade Étnica - Um olhar sobre o atual Povo Afrobrasileiro e suas origens.

 “Vocês podem continuar a explicar a história como sempre fizeram, somente, atenção: [...] existem contornos bizarros que não são percebidos.” Michel Foucault.

No dia 09 de outubro fui convidado pela diretoria da Escola Estadual Vicente Palloti a levar uma palestra sobre a Diversidade Étnica dentro do Projeto "Convivendo com as Diferenças". As palestras ocorreram, de manhã, à tarde e a noite. Na manhã, falando sobre os processos históricos da escravidão e exclusão social da etnia negra brasileira, dividi a palestra com o igualmente teólogo e pós-graduando em filosofia, sociologia e religião, Guilherme Alexandre Monteiro.  Segue uma síntese da palestra.

O Brasil é um país com grande diversidade étnica, sua população é composta essencialmente por três principais grupos étnicos: o indígena, o branco e o negro.

Após quase quatro séculos de uso da mão – de obra - escrava, na data de treze de maio de 1888, a princesa Isabel, ocupando o trono na ausência de seu pai o Imperador D. Pedro II, o qual estava em viagem a Europa, usando de suas atribuições promulgou a seguinte Lei, lida na sessão da Câmara dos Deputados, pelo então Ministro da Agricultura Rodrigo Silva constando de dois artigos, a saber: “Art. 1.º É declarada extinta a escravidão no Brasil. Art. 2.º Revogam-se as disposições em contrário152”.

Nas poucas palavras da Lei Áurea, depois de muito sangue, suor, lágrimas derramadas e vidas ceifadas, estava oficialmente abolida a escravidão no Brasil. Mas a liberdade não veio acompanhada pela igualdade. Durante quase 400 anos o povo negro foi à mão e os pés do Brasil. Após a abolição ele foi abandonado à própria sorte. Não é por acaso que ainda hoje as estatísticas mostram que a maioria do povo negro é pobre e miserável. Tudo isso como veremos a seguir é consequência de uma ação estatal.

Ideologia do branqueamento

A política de imigração adotada depois da abolição legal do trabalho escravo foi durante muitos anos, marcada de matizes racistas e orientada pela ideologia do branqueamento. O decreto de 28 de junho de 1890 determinava que agentes diplomáticos e consulares brasileiros e a policia dos portos deveriam impedir a entrada de criminosos, mendigos, indigentes e “indígenas da Ásia e da África”. Somente o Congresso Nacional podia permitir alguma exceção. O Decreto-Lei nº 7967 de setembro de 1946 determinava que “os imigrantes serão admitidos de conformidade com a necessidade de preservar e desenvolver o Brasil, na composição de sua ascendência européia”.

O projeto migratório, incentivado e promovido pelo governo imperial, obedecia a três finalidades principais: branqueamento da população brasileira, procurando dessa forma deter o avanço da negritude, decorrente de numerosos contingentes de escravos trazidos da África.

Em 1921, foi apresentado o Projeto Lei nº 209, de dois deputados federais de Pernambuco e de São Paulo, proibindo “a imigração de indivíduos humanos das raças da cor preta”. Em 1923, voltou à mesma insistência, desta vez proposta por um deputado federal de Minas Gerais, limitando “a entrada de qualquer colono de raça preta” a uma cota anual de não mais de 3% dos orientais já radicados no Brasil. Embora estes não tenham sido aprovados, a prática, porém não permitia mais a imigração de negros para o Brasil -Os principais argumentos aduzidos eram os seguintes: a) a população negra diminuiria progressivamente devido a alta taxa de mortalidade, maior incidência de doenças, menor índice de natalidade e desorganização social dos negros; b) a miscigenação produziria naturalmente uma população mais clara, uma vez que o gene branco era mais forte, c) a imigração orientada reforçaria a predominância branca.

Infelizmente os que tanto lutaram pela abolição do povo negro escravizado, não lutaram também com a mesma tenacidade para que ocorresse sua inserção a sociedade brasileira como gente livre. É por isso que os afro-descendentes brasileiros afirmam que a abolição ocorrida a 13 de Maio é ainda um projeto inacabado. Lamentavelmente, não há muitos documentos dessa triste página da História do Povo Negro e do Brasil, pois Rui Barbosa, (1849 - 1923), na função de Ministro da República, “mandou queimar todos os arquivos da escravidão, onde estava registrada a quantidade de negros trazidos para o Brasil e preço de cada um. Isso, independente da intenção, privou a história de importantes documentações.”

Para muitos intelectuais, principalmente negros, a escravidão negra tem sido um vasto campo de pesquisas, mas para que a História da resistência negra seja originalmente resgatada é preciso que os afrodescendentes participem, acima de tudo não negando suas raízes, cultura e principalmente ancestralidade. Só assim poderão ajudar a recontar a história como ela realmente ocorreu, trazendo reparação no presente, tendo em vista um futuro digno e justo. Isso é possível a partir da releitura do maior e mais fidedigno dos livros, que é a memória ancestral, passada de geração em geração.

À noite, o ciclo de palestras foi encerrado com a apresentação de jovens representantes da cultura afro. Liderados por Fernando Senkapuz RDZ, os artistas, dançarinos, grafiteiro por meio do RAP, Hip Hop, Grafite, Disputa de Rimas, falaram sobre a origem e apresentaram alguns aspectos desses elementos componentes da vasta cultura afro-brasileira.

Parabéns ao quadro docente e discente da Escola Estadual Vicente Palloti. É conscientizando as crianças e jovens de hoje sobre o valor do outro, do diferente, que construímos uma sociedade justa, equitativa e solidária, afinal: "Você só é você pelo fato de o outro ser o outro. O outro é diferente igual a você. Tudo é uma questão de aceitação e alteridade. O eu só pode existir pelo fato de que existe o outro. Assim sendo a diversidade se celebra na aceitação de que eu preciso do outro para existir como sou, e ele precisa de mim para existir como é."

Reverendo José do Carmo da Silva

BIBLIOGRAFIA

CNBB. Ouvi o clamor deste povo. Campanha da Fraternidade 1988, texto – base. Editora Gráfica Ipiranga LTDA. AZZI, Riolando. O Altar unido ao trono. Um projeto conservador. História do pensamento católico no Brasil – III. São Paulo. Ed. Paulinas 1992.

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

REINFECÇÃO EM ALERTA
Novo coronavírus tem segundas novas ondas de reinfecção e acendem sinal de alerta
FÁTIMA DO SUL - EMENDAS DA SENADORA
Entre construção do Corpo de Bombeiros e saúde, Simone já destinou R$ 1,8 milhão para Fátima do Sul
JATEÍ - TRABALHOS RETOMADOS
Reeducandas retomam trabalho de limpeza urbana com adoção de medidas preventivas em Jateí
RETORNO ÀS AULAS EM MS
MS discute estratégias de retorno às aulas presenciais de forma segura
PONTE DE MADEIRA
Fogo 'engole' ponte e Agesul trabalha para liberar tráfego na MS-228
JATEÍ - PESQUISA REGISTRADA
Eraldo tem 71,2%, indica instituto London Pesquisas, veja os números em Jateí
AÇÕES DO GOVERNO DE MS
Polícias e Bombeiros do MS recebem R$ 50 milhões em investimentos do Governo do Estado
AÇÕES DO GOVERNO DE MS
Governo de MS reforça estrutura das polícias para combater criminalidade
CORONAVÍRUS NO MS
Mato Grosso do Sul é o 3º Estado que mais testa para a Covid-19 no Brasil
CORONAVÍRUS NO MS
Governador Reinaldo recomenda lockdown, mas diz respeitar autonomia das prefeituras