Menu
SADER_FULL
terça, 3 de agosto de 2021
Busca
briga judicial

Milton Neves x Jovem Pan: uma década de batalha jurídica milionária

19 Set 2014 - 16h31Por Uol
O craque que sai brigado com a diretoria e pede na Justiça uma indenização milionária por direitos trabalhistas não respeitados. A situação não rara no futebol serve para explicar a relação entre Milton Neves e a Rádio Jovem Pan. 
 
O jornalista era o principal nome da tradicional emissora de São Paulo, mas deixou o emprego brigado com os patrões em maio de 2005.
 
Desde então, entrou com dois processos e conseguiu uma decisão final favorável para embolsar cerca de R$ 8 milhões e um revés, no começo de setembro, quando a Justiça negou indenização de R$ 3,5 milhões ao apresentador por dano moral.
 
A história começa com a saída de Milton Neves que criou um climão no prédio da Jovem Pan que funciona na avenida Paulista, em São Paulo. 
 
O jornalista tem uma empresa sediada no mesmo edifício e a ruptura conturbada o transformou num traíra ao olhos dos donos da rádio. Os funcionários da emissora flagrados conversando com ele eram vistos com olhos de reprovação.
 
A crise era tamanha que, quando diretores e Milton Neves dividiam o elevador, viajavam de costas um para outro. 
 
Ele diz que a informação é "verdade verdadeira", mas acrescenta que o ambiente se acalmou com o passar dos anos. "Tem um puxa-saco crônico que nunca foi e jamais irá (ao escritório dele) porque não será bem recebido, mas converso com todos os funcionários da Pan nos elevadores, galeria e saguão do prédio."
 
A animosidade daqueles dias não existia apenas por causa dos valores das ações. Os donos da Jovem Pan entendiam que o profissional fez o nome na emissora e estava sendo mal-agradecido. 
 
O jornalista se considerava injustiçado por ser colocado na "geladeira" depois de 33 anos de empresa num esforço para que pedisse demissão, o que aconteceu em 31 de maio de 2005.
 
Passada quase uma década os ânimos arrefeceram, Milton Neves se reposicionou na Rádio Bandeirantes e as diferenças estão sendo resolvidas nos tribunais. Ele entrou com dois processos que há anos perambulam por escaninhos de fóruns de São Paulo e Brasília. 
 
O mais antigo é de julho de 2005 e nele o jornalista cobra direitos trabalhistas não respeitados pela Jovem Pan.
 
Quando os advogados recorreram a Brasília o Tribunal Superior do Trabalho (TST), última instância, dividiu os pedidos. Os recursos da Jovem Pan viraram uma ação e todos foram negados. 
 
Nos novo processo contendo as solicitações de Milton Neves houve ganho de causa para quase todas as queixas dele. A Justiça determinou que sejam pagos R$ 9 milhões ao jornalista.
 
A soma se refere a acúmulo de função, multa de 40% sobre o FGTS, anexação ao salário das horas extras fixas, diferenças não recebidas com dissídios coletivos, aplicação de convenções coletivas, quinquênios e rescisão indireta. 
 
Este último item significa que ele foi forçado a pedir demissão e recupera direitos trabalhistas recebidos quando alguém é desligado da empresa.
 
Os cálculos iniciais previam o pagamento de R$ 9 milhões, mas o advogado da Jovem Pan, Maurício Pessoa, conseguiu reduzir o valor devido pelo profissional ter acumulado as funções de âncora, entrevistador e fazer merchandising. 
 
De acordo com a advogada Ivani Gomes da Silva, que defende Milton Neves, a decisão deve diminuir a indenização em cerca de R$ 1,4 milhão.
 
Ela acredita que, com a atualização monetária do que há a receber, hoje o jornalista embolsaria R$ 8 milhões. Para garantir o pagamento, a Justiça determinou que o Banco Central bloqueasse R$ 2 milhões da Jovem Pan e penhorou dois terrenos – num deles está a principal antena da emissora.
 
O montante é muito maior que a oferta de acordo inicial de Milton Neves. "Pedi só a merreca de R$ 600 mil de indenização e ponto final. 
 
Ele (dono da rádio) ironizou em sua sala de vidro perante vários colegas e aí eu baixei para R$ 300 (mil) e ele nada, apenas riu esnobando; queria mesmo que eu me demitisse sem nada, sem acordo, sem nenhum dinheiro. "
 
O valor da indenização podia ser ainda mais alto ainda porque o pedido inicial da ação era de R$ 32 milhões. A significativa diferença existe porque os advogados de Milton Neves solicitaram que o dinheiro repassado para o profissional a título de comissões de publicidade e duas cotas de patrocínios cedidas como remuneração complementar fossem consideradas salário.
 
No entanto, a Justiça entendeu o contrário sob o argumento de que ele tinha uma empresa com a finalidade de arranjar patrocinadores. Portanto havia dois contratos, um trabalhista e outro comercial. Ivani Gomes da Silva resume a decisão em um uma frase. 
 
"Ganhamos 80% do processo que representava 20% do valor da ação. E perdemos 20% do processo que representava 80% do valor da ação." A este processo não cabe mais recurso porque a sentença é do TST, instância final.
 
Se o jornalista teve quase todos os pedidos aceitos na primeira ação, o resultado foi outro no pedido de indenização de R$ 3,5 milhões por dano moral feito em março de 2007. A decisão é favorável a emissora e não reconhece que Milton Neves sofreu assédio moral. 
 
O advogado da Jovem Pan aguarda a publicação do acórdão por parte do TST, mas pelo que ouviu na leitura dos votos não acredita que a decisão irá mudar.
 
A Justiça já determinou quem tem razão em cada caso, mas falta executar a sentença, o que pode levar meses ou anos. De qualquer maneira, os advogados também consideram pouco provável reviravoltas.
 
A rádio não quis comentar as disputas. Milton Neves respondeu perguntas por e-mail e escreveu: "sem mim, a Jovem Pan perdeu muito mais do que eu sem ela. 
 
Mas ela quis assim, teimosamente." Ele acrescentou que se sentiu decepcionado na época porque dedicou 33 anos a emissora e fez coisas épicas no jornalismo esportivo junto a nomes consagrados como Osmar Santos, José Silvério, Orlando Duarte e outros profissionais.
 
O jornalista afirmou que percebeu que estava sendo fritado em dezembro de 2004 ao saber que o programa Terceiro Tempo sairia do ar e o nome dele sumiria das chamadas. Apesar da rivalidade existente no passado, Milton Neves não adota discurso agressivo ao se referir à emissora. 
 
"Meu sentimento é de respeito, afinal tenho de Jovem Pan 12 anos mais do que tenho de Muzambinho, onde nasci. Mas o Seo Tuta (dono da rádio) demorou demais para acordar e deixou a rádio envelhecer e ela acabou superada."
 
Apesar da disputa milionária nos tribunais, Milton Neves conta que procurou o antigo patrão em algumas oportunidades desde que o processo começou. 
 
"Nesses anos todos visitei o Tuta três vezes, para lhe desejar Feliz Natal e boa saúde, só que ele reagiu com as seguintes palavras: "ele só está vindo aqui porque deve estar precisando de dinheiro". Mas a verdade é que a pendenga acabou e agora só quero do Seo Tuta uma coisa: muita, muita saúde pra ele, como peço também para meu irmão, igualmente doente".
 
Como no futebol, craque e patrão seguiram caminhos diferentes, mas os feitos do passado farão que sempre sejam associados. Afinal, a glória de um remete a história do outro.

Deixe seu Comentário

Leia Também

DEPUTADO COM COVID
Diagnosticado com Covid-19, Barbosinha passa bem e cumpre quarentena em casa
ÓTICA DOURADOS - DIA DOS PAIS
Dia dos Pais chegando, a Ótica Dourados traz as melhores tecnologias do mercado em armações e lentes
CONCURSO PÚBLICO
Governo de MS abre novo concurso para professores
CORONAVÍRUS EM MS
Prosseguir: coletiva de imprensa híbrida será realizada nesta terça-feira, às 10h15
AÇÕES DO GOVERNO DE MS
Na volta às aulas, Reinaldo Azambuja destaca investimento de R$ 289 milhões em reformas de escolas
BORA TRABALHAR
BORA TRABALHAR: Semana começa com 1,3 mil vagas de empregos em 28 cidades de MS
AÇÃO DA PMA
Fazenda com 520 cabeças de gado sem comida, alguns são encontrados mortos, PMA autua arrendatário
Corpo foi encontrado no quintal da casa da vítima, em Sidrolândia (MS).  Foto: PMMS/Reprodução CASO DE POLÍCIA
Polícia encontra corpo de idoso enterrado em quintal e sobrinha confessa homicídio
FRIO INTENSO FRIO INTENSO E CHUVA
Frio não foi embora não e Agosto será mais gelado do que o normal com duas frentes frias e chuva
Crédito: Divulgação/Prefeitura de Dourados DOURADOS - VACINAÇÃO COVID-19
Prefeitura informa novo recorde de vacinação com 7,6 mil doses em 24h