Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
quinta, 26 de novembro de 2020
SADER_FULL
Busca
ÁGUAS DE BONITO
Campo Grande

Lembrança inconsolável: mãe “mora” em cemitério após tragédia na BR-163

20 Fev 2014 - 13h00Por Campo Grande News

“É o trem mais perigoso que tem”. A definição de Terezinha Alves de Lima, 69 anos, para a BR-163, vem acompanhada de revolta, saudade e uma lembrança inconsolável. Um trágico acidente a deixou presa ao dia 6 de junho de 2012. Bastaram quinze minutos.

O filho e a nora saíram de Bandeirantes às 18h com destino a São Gabriel do Oeste, cidade vizinha. Pouco depois, avisada do acidente, Terezinha se viu na BR em meio a um pesadelo: a cabeça da nora no asfalto, o corpo degolado preso ao cinto, e o filho arremessado, já sem vida, na Rodovia da Morte.

“Eu queria ir, quem sabe ter morrido era melhor”, diz a senhora. Por vezes em lágrimas, por vezes incrédula, ela conta que insistiu para ir junto com o casal. A mala para ir visitar a filha, que mora em São Gabriel e fazia aniversário, estava pronta, mas o filho, dessa vez, não quis que a mãe fosse.

Gerson Alves de Lima, 42 anos, e Elizete de Lima, 32, estavam em um Corsa. Não ficou esclarecido como ocorreu o acidente, somente que houve envolvimento de uma caminhonete. O casal ia a São Gabriel para buscar a única filha. “Queria ter uma bolinha de cristal. Saber o que aconteceu com o meu guri”.

Após a tragédia, Terezinha passou dois meses sem percepção da realidade. O mundo real só voltou a fazer parte do cotidiano quando constatou que o marido, com quem está casada há 50 anos, não tinha mais roupa limpa para vestir.

Na vastidão da dor, passou a viver no cemitério. Dia sim e no outro também, lá está ela em frente ao túmulo do casal. Como a sonhada aposentadoria não chegou a tempo de ajudar na chácara do filho, decidiu usar o dinheiro tardio para erigir uma capela no cemitério de Bandeirantes. Foram R$ 10 mil e todo amor de mãe para fazer com esmero a última morada do filho.

Com porta e janelas de vidros, a capela de alvenaria tem banner, desenhos da neta e vinte vasos de flores. Terezinha diz que agora só falta terminar a calçada. Mas a dor, segue sem previsão de fim. Na cidade, sabe até que ganhou fama de doida, por ser vista conversando com os mortos. “Minha vida é essa aqui e aqui cada um tem sua história”, desabafa, em meio aos túmulos.

A entrevista com dona Terezinha termina às 12h. O sol é forte, mas ela reluta e recusa carona de volta para a casa. Enquanto a maioria se preocupa com o almoço, Terezinha volta, sozinha, para o cemitério.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Política
Estado de MS destina novos equipamentos de borrifação aos municípios no combate ao Aedes Aegypti
AÇÕES DO GOVERNO DE MS
Governo de MS entrega veículos para potencializar produção de erva-mate na faixa de fronteira
AÇÕES DO GOVERNO DE MS
Em nova parceria, Estado e bancada federal entregam unidades de resgate para 05 cidades de MS
ALERTA DE SEGURANÇA
Defesa Civil emite alerta de chuvas intensas e rajadas de ventos de até 100 km/h
NAVIRAÍ E TODO MS DE LUTO
Morre deputado estadual Onevan de Matos
Confira quantos eleitores vão às urnas neste domingo em Culturama e Fátima do Sul FÁTIMA DO SUL E CULTURAMA
Confira quantos eleitores vão às urnas neste domingo em Culturama e Fátima do Sul
FALTA DE ENERGIA
Está sem luz? Energisa diz que temporal com '6 mil raios' é responsável por queda de energia
AÇÕES DO GOVERNO DE MS
Governo do Estado entrega 20 motos BMW para a PM e o Corpo de Bombeiros Militar
CALORZINHO NO MS
Cidade de MS bate recorde histórico de temperatura máxima 44,6 °C
SORTUDOS DE MS
SORTUDOS DE MS: 5 apostadores levam a quina da Mega-Sena, confira se foi você