Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
quarta, 19 de junho de 2024
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
Busca
conflitos por terras

Indígenas vão resistir contra desocupação de terras em MS

Em Japorã 3 mil guaranis foram “recrutados” para defender ocupação em área de 10 mil ha.

30 Out 2013 - 09h51Por Dourados Agora

Grupo de indígenas que ocuparam nove fazendas na região de Japorã prometem resistir aos ataques. Eles afirmaram que foram alvo de tiros de metralhadoras e fuzis, no último domingo. O grupo acusa uma empresa de segurança que teria sido contratada por fazendeiros que tiveram as terras tomadas.

Os guaranis afirmam que a ocupação naquela região já “recrutou” mais de três mil indígenas, mas que se for necessário vão dobrar ou até mesmo triplicar o número.

“Se houver ataque nós vamos resistir. Será uma verdadeira guerra porque se matarem um de nós haverá sangue do outro lado também. Será olho no olho e dente por dente”, destaca, observando que os mais de 50 tiros disparados pela suposta empresa teria acertado dois índios de raspão.

De acordo com a Federação da Agricultura e Pecuária do MS (Famasul) são 79 áreas ocupadas por indígenas no estado. Dessas, 21 áreas fotram tomadas após o acordo firmado entre índios, fazendeiros e o Conselho Nacional de Justiça de que não haveriam novas invasões porque a União aceitou comprar terras e indenizar produtores em áreas comprovadamente indígenas.

Em relação a isto a comunidade indígena de Japorã afirmou que as novas ocupações naquela região não estão relacionadas ao acordo e que eles estariam atuando de forme independente.

“Não tivemos outra alternativa a não ser retomar as nossas terras de origem. Isto porque apesar das cartas que enviamos às autoridades, além dos apelos e da miséria com que vivem a comunidade indígena, nada foi feito nos últimos 10 anos. Nossas aldeias estão superlotadas e não há mais espaço nem para moradia. Não conseguimos oportunidade nem dentro e nem fora das aldeias. Nossas crianças são as que mais sofrem e por isto queremos um futuro melhor para elas”, destaca uma liderança que preferiu não se identificar.

Ele também afirmou que não há violência nas ocupações e que não estão interessados no gado deixado pelos produtores. “Nós pedimos para que eles desocupassem o local de forma tranquila. Se quiserem podem vir retirar o gado. Nós não vamos utilizá-lo pois entendemos que a carne está toda cheia de veneno”, destaca.

Ele disse ainda que o Ministério Público Federal e Polícia Federal estão no local acompanhando e monitorando a região e que até ontem a tarde o clima estava calmo entre indios e fazendeiros. O jornal contatou o Ministério Público Federal na tarde de ontem, mas até o fechamento dessa edição nenhum procurador havia se pronunciado a respeito das ocupações e riscos de conflitos agrários em Mato Grosso do Sul.

Em julho deste ano o Conselho nacional de Justiça sugeriu propostas que foram aprovadas por índios e fazendeiros. No entanto, o Governo Federal ainda não avançou na compra das áreas conforme sugestão do conselho. Enquanto isso, fazendeiros se dizem preocupados. Eles entraram na Justiça com um pedido de reintegração de posse das áreas, mas enquanto o caso está sendo analisado, a Justiça determinou que a Polícia Federal fique na região para evitar conflitos. Os fazendeiros só conseguem entrar nas propriedades que estão ocupadas pelos indígenas com escolta da Polícia Federal. Os trabalhadores rurais alimentam os animais que ficaram nas propriedades.

Participe do nosso canal no WhatsApp

Clique no botão abaixo para se juntar ao nosso novo canal do WhatsApp e ficar por dentro das últimas notícias.

Participar

Leia Também

Fotos: Téo Pini, Agesul e CBMMS  AÇÕES DO GOVERNO DE MS
Bombeiros e Agesul atuam para preservar pontes, vegetação e moradias de ribeirinhos no Pantanal
Fotos: Bruno Rezende AÇÕES DO GOVERNO DE MS
Nota A: gestão estadual mantém transparência em demonstrativos contábeis e fiscais
João Prestes, Comunicação Semadesc AÇÕES DO GOVERNO DE MS
MS já aplicou R$ 54 milhões em multas por incêndios no Pantanal, e mutirão vai acelerar processos
Foto: Washington Lima / Fátima Em Dia FÁTIMA DO SUL - REVITALIZAÇÃO HORTO FLORESTAL
Prefeita supervisiona de perto a revitalização do Horto Florestal em Fátima do Sul; ASSISTA O VÍDEO
FOTO: ELIAS FERREIRA / LUPA NEWS JATEÍ - CAVALGADA DA FOGUEIRA
Festa da Fogueira: Na tocada da tradição, Jateí prepara cavalgada de tirar o chapéu

Mais Lidas

FOTOS: ELIAS FERREIRA / LUPA NEWSJATEÍ - FESTA DA FOGUEIRA 2024
Atração nacional: Fogueira gigante de Jateí entra na fase final de levantamento
FRIO - FOTO: O CORREIO NEWSINVERNO CHEGANDO
Inverno chega nesta quinta-feira com pancadas de chuva e temperatura baixas, confira a previsão
FÁTIMA DO SUL DE LUTO
Fátima do Sul se despede do senhor Valmir Brito, pai das professoras da REME Vilma e Vanilda
Anne Carolline Barros, de 25 anos, morreu no início da tarde desta segunda-feira (17) (Foto: Reprodução Rede social) - CREDITO: CAMPO GRANDE NEWSACIDENTE FATAL
TRAGÉDIA: Médica recém-formada morre após colisão em poste
Evento
Veja a galeria de fotos do dia 15/06 público e show do Detonautas em Vicentina 37 anos