Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
domingo, 29 de novembro de 2020
SADER_FULL
Busca
JUNINHO DENTISTA NOVO
região

Falta do frigorífico do peixe inviabiliza setor da psicultura em na região da Grande Dourados

70% dos produtores da região já abandonaram ou estão prestes a abandonar a atividade

30 Out 2013 - 07h58Por 94 FM

O frigorífico do peixe é uma obra sonhada e aguardada por todos os psicultores de Dourados e região. Anos atrás, com a expectativa de crescimento no consumo deste tipo de carne, diversos produtores rurais resolveram investir no ramo. Todos depositaram as esperanças na construção do frigorífico, um elemento essencial da infra-estrutura e sem o qual o setor se torna praticamente inviável.

A construção teve início ainda em 2009, durante a gestão Ari Artuzi. À época a prefeitura informava que a obra seria feita em duas etapas e que a conclusão seria em no máximo oito meses. Porém, durante esse período Dourados passou pela tempestade política que todos conhecem e a obra foi paralisada.

Mais tarde, em setembro de 2011, já durante a administração Murilo Zauith, a construção foi retomada. Em discurso durante o relançamento, o prefeito informou que seriam investidos R$ 1,1 milhão, sendo a maior parte de recursos federais e um naco menor de contrapartida da prefeitura.

Contudo, desde a “retomada” de Murilo Zauith, já se passaram dois anos e o frigorífico ainda não entrou em funcionamento. Segundo a presidente da Cooperativa MS Peixe, Vera Lúcia Baptista Borelli, a demora já fez com que aproximadamente 70% dos 400 psicultores da região abandonassem a atividade.

Somente os grandes sobreviveram

Segundo Vera Lúcia, somente os grandes produtores ainda se mantém ativos, pois possuem outras fontes de renda e decidiram aguardar um pouco mais antes de jogarem a toalha. Enquanto isso, entregam a produção para os pesque-e-pague e eventualmente para o frigorífico Mar e Terra de Itaporã. Porém, segundo a presidente da MS Peixe, a empresa do município vizinho somente compra dos produtores locais quando seus tradicionais fornecedores não conseguem atender a demanda.

Vera diz ainda que na hipótese do setor funcionar a todo vapor, a psicultura poderia gerar grande renda para a região, através da geração de impostos e o consumo de diversos insumos, como ração, combustível, entre outros.

Segunda retomada

Recentemente a prefeitura de Dourados divulgou nota dizendo que aguarda que o Ministério da Pesca libere os recursos necessários para a uma segunda retomada nas obras. O montante exigido atualmente chega a R$ 2,5 milhões. Contudo, Murilo disse que ainda serão necessários mais R$ 3,5 milhões para colocar o frigorífico em pleno funcionamento. O prefeito não deu prazo para a finalização da obra.

Deixe seu Comentário

Leia Também

MIRANDA - MS - PROJETO SALOBRA
Mais uma parceria CRAS e Projeto Salobra, em Miranda
SEGURANÇA NO FIM DE ANO
Segurança no Estado durante as festas de fim de ano terá mais de 2 mil policiais nas ruas em MS
NOTA MS PREMIADA
SERÁ QUE FOI VOCÊ: Mais de R$ 640 mil ainda não foram resgatados do Nota MS Premiada
Política
Estado de MS destina novos equipamentos de borrifação aos municípios no combate ao Aedes Aegypti
AÇÕES DO GOVERNO DE MS
Governo de MS entrega veículos para potencializar produção de erva-mate na faixa de fronteira
AÇÕES DO GOVERNO DE MS
Em nova parceria, Estado e bancada federal entregam unidades de resgate para 05 cidades de MS
ALERTA DE SEGURANÇA
Defesa Civil emite alerta de chuvas intensas e rajadas de ventos de até 100 km/h
NAVIRAÍ E TODO MS DE LUTO
Morre deputado estadual Onevan de Matos
Confira quantos eleitores vão às urnas neste domingo em Culturama e Fátima do Sul FÁTIMA DO SUL E CULTURAMA
Confira quantos eleitores vão às urnas neste domingo em Culturama e Fátima do Sul
FALTA DE ENERGIA
Está sem luz? Energisa diz que temporal com '6 mil raios' é responsável por queda de energia