Menu
SADER_FULL
quinta, 3 de dezembro de 2020
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
JUNINHO DENTISTA NOVO
Cidades

Empregados acusam atacadista de sonegar pagamento de horas extras

A empresa é acusada também de não manter relógio de ponto e nem livro de ponto dos 90 funcionários da empresa na Avenida Coronel Antonino

3 Out 2013 - 15h58Por Assessoria

O Sindicato dos Empregados no Comércio de Campo Grande - SECCG acusa a empresa Max Atacadista, da Avenida Coronel Antonino, de lesar direitos de seus empregados principalmente com relação às horas extras trabalhadas pelos seus 90 funcionários. A empresa resiste em colocar um relógio de ponto ou um livro de ponto para o controle do trabalho de seu quadro de pessoal.

Os diretores sindicais Apolônio Aires Marques, Elvídio Barbosa e Rubia Santana estiveram algumas vezes na empresa procurando orientar a direção da empresa para cumprir com a legislação trabalhista no tocante ao controle de entrada e saída dos funcionários. A empresa resiste e não atende às reivindicações da entidade de classe, denunciam os diretores.

Rubia Santana afirmou que como esgotou a tentativa de negociação direta com a empresa, o sindicato vai levar o caso para a Superintendência Regional do Trabalho e Emprego de Mato Grosso do Sul. “Vamos levar a denúncia para o órgão do Ministério do Trabalho e Emprego no Estado, para que as devidas providências sejam tomadas”, afirmou a sindicalista.

A direção do SECCG informou também que entrou em contato, pessoalmente inclusive, com o gerente da Max Atacadista, Jurandir Nascimento, que responsabilizou técnicos da IBM que estariam protelando para fazer a instalação do relógio de ponto dos funcionários na empresa. A lei, segundo ela, obriga qualquer empresa com mais de 10 funcionários a manter o cartão de ponto ou caderno de ponto.  

Enquanto isso, os funcionários denunciam que a cada início de mês, seus salários não vêm com as horas extras trabalhadas ao longo do mês. O pior é que, segundo Rubia Santana, a empresa não tem sob rígido controle as horas extras efetuadas por cada funcionário. “Fazem cinco meses que a empresa está nessa lenga lenga e não resolve o problema. Foi por isso que os funcionários nos trouxeram o problema agora. Queremos que o Ministério do Trabalho e Emprego resolva o problema de vez”, afirmou. 

Deixe seu Comentário

Leia Também

CORONAVÍRUS EM MS
Prosseguir: Governo volta a registrar municípios em grau de risco extremo
CNH EM 2021
Confira as 9 multas que não vão mais gerar pontos na CNH em 2021
EMPREGO E RENDA
Cerca de 5 mil indígenas de MS são contratados por empresas de SC e RS para a colheita da maçã
MIRANDA - MS - PROJETO SALOBRA
Mais uma parceria CRAS e Projeto Salobra, em Miranda
SEGURANÇA NO FIM DE ANO
Segurança no Estado durante as festas de fim de ano terá mais de 2 mil policiais nas ruas em MS
NOTA MS PREMIADA
SERÁ QUE FOI VOCÊ: Mais de R$ 640 mil ainda não foram resgatados do Nota MS Premiada
Política
Estado de MS destina novos equipamentos de borrifação aos municípios no combate ao Aedes Aegypti
AÇÕES DO GOVERNO DE MS
Governo de MS entrega veículos para potencializar produção de erva-mate na faixa de fronteira
AÇÕES DO GOVERNO DE MS
Em nova parceria, Estado e bancada federal entregam unidades de resgate para 05 cidades de MS
ALERTA DE SEGURANÇA
Defesa Civil emite alerta de chuvas intensas e rajadas de ventos de até 100 km/h