Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
segunda, 17 de maio de 2021
Busca
Brasil

“Zé Bugão” vira lenda e crime de Daiane completa 1 ano em Culturama

15 Out 2010 - 08h00Por Da Redação - Fátima News

Há um ano e 16 dias do assassinato e estupro da menina Daiane de Jesus, 13 anos, e do atentado contra a mãe dela, Maria Lúcia, ocorrido na Vila Planalto, no distrito de Culturama, município de Fátima do Sul, a polícia ainda procura o suspeito da barbárie: o tio (irmão de Maria Lúcia), José Alves dos Santos, o “Zé Bulgão”.

 

O acusado esfaqueou a irmã, que desmaiou, e matou a facada a sobrinha, manteve relações sexuais com a menina já sem vida e fugiu, segundo os indícios da perícia e relato de Maria Lúcia, que sobreviveu.

 

A repercussão do crime causou comoção social entre a população da região.

 

Desequilíbrio

 

A família sabia do ciúme que o tio sentia pela sobrinha e pensava que fosse somente excesso de cuidado.

 

Nervoso, Santos agredia as mulheres que sustentavam a família, a empregada doméstica Maria Lúcia e a idosa, aposentada mãe deles.

 

Apenas o irmão de Daiane, Jonatan, 18, e a menina não sofriam o ataque do tio. Pelo menos até o dia 29 de setembro, quando a fúria de Santos teria de forma perversa extrapolada a linha da sobriedade.

 

Relacionamento com a família

 

Um dia antes da manhã do crime, a família vivenciou mais uma briga, que teria sido a gota dágua. Maria Lúcia contou à polícia que nos dois dias que antecederam o crime ocorreram desentendimentos domésticos que podem ter desencadeado a ira do irmão.

 

Na noite antes do atentado, ela e a filha assistiam novela sem dar atenção para Santos que resmungava em pé na porta, como de costume.

 

Ela se lembrou também de que nesse mesmo dia na hora do almoço, o irmão tinha comprado pão com mortadela e lhe ofereceu, mas a Maria Lúcia não aceitou. “Ele achou que ela tinha desfeito dele”, diz o delegado.

 

Mas, Daiane e Jonatan comeram o pão.

 

Santos havia comprado o alimento como forma de provocação pelo fato de que no almoço do dia anterior ter brigado com a irmã porque não ficou satisfeito com a comida que ela tinha preparado. “Ele chegou a jogar a panela”, conta o delegado.

 

Crime

 

As pequenas discussões da família alcançaram o descontrole.

 

Após assistirem à novela, mãe e filha foram dormir.

 

Pela manhã do dia 29 de setembro de 2009, a avó não estava em casa nem o irmão de Daiane, Jonatan. Eles saíram e deixaram à menina, a mãe e o tio.

 

Ao acordar e ver que era o “mais forte” em casa, Santos pegou a faca, atacou a irmã, que desmaiou. Ele partiu para cima da menina que estava sentada na beira da cama. Santos tirou a vida dela com golpes de faca no pescoço e na cabeça.

 

Já sem vida, o corpo da menina teria sido disposto de bruços e abusado sexualmente. Depois, o assassino recompôs as roupas da menina e fugiu. José Alves não levou nem roupas, sequer a carteira com os documentos.

 

Foi Jonatan, irmão de Daiane e filho de Maria Lúcia, quem encontrou a mãe agonizando na cozinha da casa e tratou de chamar por socorro. Ele havia saído por volta das 6h para ordenhar vacas em um curral nas redondezas e retornou às 7h para tomar o café da manhã. Jonatan assegura que deixou o tio, a mãe e a irmã dormindo quando saiu.

 

O principal suspeito fugiu sem deixar vestígios. Policiais não conseguiram identificar as impressões digitais do suspeito no local e nem foi encontrado resquício de esperma no corpo da vítima. Para a polícia, a falta de prova científica é um entrave, mas o testemunho da mãe, sobrevivente, é uma das peças para o esclarecimento do caso. 

 

Risco

 

Há 11 anos, Santos estuprou a filha de 9 anos de idade na cidade de Glória de Dourados. Ele fugiu, reapareceu nas redondezas e acabou preso. Mas, pelo crime, foi constatado que ele sofria de esquizofrenia e como doente mental, foi condenado a três anos de internação ambulatorial, mas a maior parte desse tempo cumpriu em liberdade, só com o compromisso de comparecer ao fórum de Glória de Dourados de tempos em tempos.

 

Sem tratamento, ele foi morar com a mãe, a irmã e os sobrinhos. Santos fazia pequenos serviços e os rompantes de violência aconteciam sempre contra a mãe e a irmã quando o sobrinho de 18 anos estava fora.

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Foto: Divulgação/Instagram LUTO NA MÚSICA
MC Kevin morre aos 23 anos no Rio de Janeiro
SONHO INTERROMPIDO
Agente educacional morta em ataque a creche em Saudades queria fazer intercâmbio no Canadá
PESQUISA PRESIDENCIAL
Datafolha mostra Lula disparado na corrida eleitoral
NOVA INFECÇÃO
Covid-19: após 3 semanas de queda, casos de coronavírus avançam no Brasil puxados por 9 Estados
TRISTEZA NA FAMILIA
Seis pessoas da mesma familia morrem vítimas da Covid-19
NOVAS REGRAS
WhatsApp: o que acontece se você não aceitar novas regras do aplicativo até 15 de maio
FAMOSIDADES
Pai da campeã do 'BBB 21' Juliette vive em casinha de barro na Paraíba
CACHAÇA
Jovem enfia garrafa no ânus durante bebedeira e vai parar no hospital
ESCALADA DA VIOLÊNCIA
Operação mais letal da história deixa 25 mortos no Jacarezinho
VITIMA DO MASSACRE
'Fiquei vendo costurarem os ferimentos. Chorava, orava e agradecia por ele estar vivo, diz mãe