Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
segunda, 12 de abril de 2021
Busca
Brasil

Vioxx pode ter causado 27 mil ataques cardíacos

6 Out 2004 - 15h47
O medicamento Vioxx, da fabricante Merck, pode ter causado mais de 27 mil ataques do coração e mortes súbitas antes que fosse retirado do mercado, segundo o Wall Street Journal. Os dados são de um estudo da FDA, a agência reguladora de alimentos e medicamentos dos EUA, de acordo com a agência Reuters.

Na semana passada, a Merck anunciou a retirada do Vioxx, indicado para o tratamento da artrite, alegando que um estudo interno mostrou que a droga aumentava as chances do paciente sofrer um ataque cardíaco.

O estudo citado no Wall Street Journal estima que 27.785 ataques do coração e mortes súbitas teriam sido evitadas se Celebrez, um medicamento semelhante produzido pela Pfizer, tivesse sido tomado ao invés do Vioxx.

Os dados são projeções feitas a partir de análises de um banco de dados de pacientes da Kaiser Permanente, uma organização pela manutenção da saúde. Foram avaliados 1,4 milhão de pacientes.

A FDA e Merck não comentaram o estudo.

 

Terra Redação

Deixe seu Comentário

Leia Também

NOVO CÓDIGO DE TRANSITO
Novo Código de Trânsito entra em vigor na segunda-feira; veja mudanças
LOCKDOWN É A SOLUÇÃO?
Araraquara X Bauru: dois retratos do Brasil com e sem lockdown contra a covid-19
AGRICULTURA SUSTENTAVEL NO MUNDO
II Congresso Mundial de Integração Lavoura-Pecuária-Floresta deve receber 1 mil inscrições
MORTANDADE
Brasil bate marca de 4 mil mortes por Covid registradas em um dia pela 1ª vez
COPA LIBERTADORES
Santos vence o San Lorenzo na Argentina e abre vantagem por vaga nos grupos da Libertadores
FATALIDADE
Técnico de informática morre após levar choque a partir de fone de ouvido
CANALHA
Pai comete estupro e diz que filha precisa saber "como é ter um homem"
SOB INVESTIGAÇÃO
Cantor gospel e pastor é encontrado morto e amarrado em árvore
CONTAMINAÇÃO
Igrejas superam mercado e consultório médico em risco de transmissão de Covid-19, aponta estudo
CRISE NA PANDEMIA
Número de brasileiros que vivem na pobreza quase triplicou em seis meses, diz FGV