Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
sexta, 25 de setembro de 2020
SADER_FULL
Busca
ZANZI
Brasil

Vendas no comércio varejista de MS continuam crescendo acima da média

14 Out 2010 - 14h48Por Fátima News com assessoria

A PMC (Pesquisa Mensal do Comércio) divulgada nesta quinta-feira pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) aponta que as vendas do comércio varejista de Mato Grosso do Sul continuaram crescendo acima da média nacional no mês de agosto. O presidente da Fecomércio MS, Edison de Araújo, explica que a economia de Mato Grosso do Sul passa por processo de crescimento, movimento semelhante ao de outros Estados que apresentaram índices elevados de vendas.

A variação das vendas no comércio de Mato Grosso do Sul no mês de agosto deste ano em relação ao mesmo período de 2009 foi de 13,3% ao passo que em âmbito nacional houve reação de 10,4%. No acumulado de janeiro a agosto deste ano o aumento nas vendas foi de 15% em Mato Grosso do Sul e 11,3% no País.

A estabilidade do emprego, aceleração da industrialização e também a concorrência, a partir da abertura de novas empresas, são fatores que contribuem para o aumento das vendas. O assessor econômico da Fecomercio-MS, Thales de Souza Campos, afirma que o processo se torna sustentado, uma vez que com o consumo maior mais empreendimentos se instalam na cidade, novos empregos são gerados e mais pessoas compram. 

“Estamos em um momento muito positivo. Na área comercial temos quatro novos shoppings em instalação, o 26 de agosto, com 550 lojas, o Norte-Sul Plaza, com outras 209 lojas, o Bosque dos Ipês com 140 lojas e o Cidade Morena, com outras 250 lojas”, cita, lembrando que cada empreendimento tem foco em determinada classe social, o que garante mercado a todos.  A previsão é que em no máximo dois anos todos estes empreendimentos estejam concluídos, além da ampliação do Shopping Campo Grande, que passa a contar com 180 lojas contra as atuais 154 e da implantação do Shopping Iguatemi.

Em uma avaliação nacional os técnicos do IBGE avaliaram que em comparação a agosto de 2009, as reações mais expressivas foram nos segmentos: hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (7,2%); móveis e eletrodomésticos (16,7%); outros artigos de uso pessoal e doméstico (11,7%); tecidos, vestuário e calçados (12,8%); combustíveis e lubrificantes (8,8%); artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos e de perfumaria (12,5%); equipamentos e materiais para escritório, informática e comunicação (24,7%) e livros, jornais, revistas e papelaria (13,7%).

Deixe seu Comentário

Leia Também

Motorista registrou a travessia de uma jiboia na avenida Ayrton Senna, na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro. FORA DO HABITAT
VÍDEO: motorista flagra jiboia cruzando pista de avenida no RJ: 'olha isso'
Só queria que me entendessem sem preconceito! PRECONCEITO
Jovem é expulso de casa ao assumir namoro com mulher trans
Yan e um comparsa renderam mãe e filha na rua CRIMINOSO
Bandido morto pela PM arrancou família de carro e agrediu mulher uma semana antes
O diesel não sofreu reajuste. + ALTA
Gasolina sobe 4% nas refinarias, anuncia Petrobras
O total de mortes causadas por covid-19 chega a 138.108, um acréscimo de 0,6% sobre a soma de segunda Saúde
Covid-19: Brasil tem 33,5 mil novos casos e 836 mortes em 24 horas
HERANÇA PORTUGUESA
A herança portuguesa na vida cotidiana do Brasil
Os beneficiários nascidos em janeiro  3,9 milhões de pessoas  poderão sacar AJUDA FINANCEIRA
Caixa paga nova parcela do auxílio emergencial para 5,6 milhões de pessoas
o maior programa de assistência aos mais pobres no Brasil e talvez um dos maiores do mundo PRESIDENTE NA ONU
Bolsonaro diz que brasileiros receberam mil dólares de auxílio
Imagem: Reprodução/Balanço Geral Londrina FUGA EM MASSA
Presos fogem de cadeia após surto de Covid-19
Material estava dentro de uma bexiga e enrolado com fita isolante PROFUNDEZAS DO CRIME
8 celulares e outros materiais são retirados do ânus de preso