Menu
SADER_FULL
terça, 2 de junho de 2020
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
ÁGUAS DE BONITO
Brasil

Vendas de notebook batem recorde no Brasil

20 Abr 2007 - 09h05

Uma redução de impostos e o dólar barato levaram o consumidor brasileiro à euforia que já passou há alguns anos por outros países e ajudou a aumentar a produtividade em vários setores da economia.

É a febre da compra do notebook - computador portátil, que antes era até um símbolo de status e de ostentação. Hoje, já pode ser comprado por menos de R$ 2 mil, algo inimaginável há um ano.

Um escritório móvel é tudo o que o engenheiro elétrico Reinaldo Osaki precisa. Ele já tem um computador de mesa, mas tem que visitar clientes a trabalho. Por isso, decidiu comprar um notebook.


“Eu posso apresentar o meu trabalho para os clientes no escritório deles, na loja, onde for”, diz Reinaldo. “Eu acho que caíram bem os preços, agora está bem acessível”.

Só no ano passado, as vendas de notebook no Brasil cresceram 100% - e devem repetir o número este ano, segundo projeção dos fabricantes de produtos eletrônicos.

A queda do preço é o principal motivo para essa explosão de vendas. “O notebook mais barato que você encontrava há dois anos no varejo custava em torno de R$ 3.700,00. Hoje, você consegue encontrar por um preço abaixo de R$ 2 mil”, afirma Ivair Rodrigues, da Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica.

A queda do dólar barateou o produto, já que quase todos os componentes são importados. Os benefícios fiscais que o governo deu para o setor também ajudaram: a isenção de PIS/Cofins diminuiu em 9,25% o preço final.

 

A inovação tecnológica também ajudou a reduzir o custo. Uma indústria de Curitiba registrou um aumento surpreendente na produção de notebooks: 908% a mais no ano passado do que em 2005. "A gente ficou bastante entusiasmado com o mercado crescente, que antes era incipiente. Todo o mercado vai se beneficiar desse novo boom que está acontecendo no Brasil", acredita o presidente da empresa, Hélio Rotenberg.

Uma pesquisa recente da Associação de Fabricantes de Produtos Eletrônicos mostra que 30% das pessoas que pretendem comprar um computador nos próximos seis meses vão levar um notebook.

E a disputa promete ser grande. Um supermercado de São Paulo fez uma promoção de computadores – e em cinco dias, 85% dos notebooks foram vendidos. No caso de alguns modelos, não sobrou nenhum para exposição na prateleira.

“De outubro do ano passado pra cá, é o item mais procurado, até pelos recursos – a praticidade, a mobilidade – que o produto oferece”, afirma o gerente de informática da rede, Avelino Nogueira. “Hoje o consumidor exige mobilidade, até por conta do que está acontecendo mesmo com a tecnologia digital”.

 

G1

Deixe seu Comentário

Leia Também

DOURADOS - NOVO EPICENTRO COVID-19
Dourados é novo epicentro do coronavírus em MS com mais de 300 casos confirmados
AUXÍLIO EMERGENCIAL
Caixa LIBERA 2ª parcela do auxílio de R$ 600 em contas dos beneficiários, veja os meses
ABSURDO
Médica relata ter sofrido agressões por parte de frequentadores de 'festas de corona'
TRAGÉDIA NA FAMILIA
Menino de 9 anos, acidentalmente mata irmã de 7 anos com espingarda
TRAGEDIA NA RODOVIA
Mulher gravida e marido morrem e criança fica ferida em acidente trágico
PANDEMIA CORONAVIROS
Vai ser ''um massacre'', diz ex-diretor da Saúde sobre flexibilizar isolamento
BOA NOTICIA
Bolsonaro diz que auxilio emergencial pode ter quarta parcela, mas pagando menos
PRAZO MÁXIMO
Acordo prevê máximo de 20 dias para análise de auxílio emergencial
FÁTIMA DO SUL - BOLETIM CORONAVÍRUS
BOLETIM: Fátima do Sul tem mais 04 casos confirmados, sobe para 69 e tem 12 pacientes recuperados
EPICENTRO DA COVID-19
Brasil aproxima de 30 mil mortes pela Covid-19