Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
quarta, 27 de janeiro de 2021
Busca
Brasil

Trabalhadores rurais de Nova Andradina bloquearam MS-276 na manhã de hoje

21 Mar 2011 - 12h55Por Nova News

Os trabalhadores rurais do assentamento Santa Olga fecharam por volta das 7h desta segunda-feira (21), a MS-276, que liga Nova Andradina a Ivinhema. O bloqueio que terminou às 9h foi realizado em diversas rodovias de Mato Grosso do Sul.

De acordo com os líderes do movimento, a ação é uma mobilização estadual de luta pela terra que reivindica, entre outras pautas, o fim da paralisação dos trabalhos do Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária) no Estado devido ações do MPF (Ministério Público Federal).

“Os trabalhadores e trabalhadoras rurais não são contra as ações do Ministério Público Federal, mas esperam que as mesmas não impeçam o andamento das ações do Incra nas localidades onde não foram identificados e confirmados nenhum problema”, explicam os líderes.

O bloqueio na rodovia causou um congestionamento de cerca de 3 quilômetros. A Polícia Militar esteve no local e informou que o protesto foi pacífico, sem o registro de qualquer ocorrência.

Na região do Vale do Ivinhema, as rodovias que dão acesso a Novo Horizonte do Sul, Anhanduí, 172, Casa Verde e Naviraí também foram fechadas.

A reforma agrária em Mato Grosso do Sul foi suspensa depois que o MPF descobriu supostas irregularidades no Incra. Segundo a Procuradoria da República em Mato Grosso do Sul, as irregularidades aconteceram de 2005 a 2010.

Durante o período, o Incra liberou, sem qualquer fiscalização, financiamentos de quase R$ 200 milhões para a construção de casas e compra de insumos nos assentamentos. Na prática, os assentados recebiam o dinheiro e comercializam as terras na surdina.

Há indícios de que assentamentos eram criados apenas para que houvesse a possibilidade de fraudes. Servidores do Incra, servidores municipais, além líderes de acampamentos e de movimentos sociais, foram presos na operação que investigava o esquema.

De acordo com Adilson Remelli, presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Nova Andradina, a ação do MPF no Incra está prejudicando os processos de desapropriação, aquisição de terras para a reforma agrária e a liberação de créditos de implantação, fomento e habitação.

O líder sindical também destacou a insatisfação da categoria em relação à proposta de cadastramento dos trabalhadores rurais acampados feito pelo Incra para atender uma exigência do MPF.

Para os trabalhadores, a lista criará conflitos agrários, além de desrespeitar os movimentos sociais. “É uma lista única de prioridade de assentamento sem a participação das organizações que representam esses trabalhadores, além de cercear o livre direito da associação e de escolha do local para ser assentado”, dizem.

O movimento que foi organizado pela Fetagri (Federação dos Trabalhadores na Agricultura Familiar) conta com o apoio da CUT (Central Única dos trabalhadores) e MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra).

Deixe seu Comentário

Leia Também

SONHOS INTERROMPIDOS
Pais perdem filho de 7 anos em tragédia na BR-376: "Passaram o dia montando a casa para receber ele"
AUXILIO POPULAÇÃO
Governo federal aprova auxílio emergencial para 196 mil pessoas
UTI LOTADAS
13 crianças com covid estão em estado grave em Cuiabá
ESTUPRO DE VULNERÁVEL
Mãe descobre estupro ao desconfiar que filha de 12 anos tinha ciúmes do padrasto
VIRUS A SOLTA
Caixão com corpo que tinha identificação de risco biológico por Covid é achado em estrada
TRAGEDIA NA RODOVIA
Jovem fez vídeo antes de morrer em acidente no Paraná: 'Devagar, motora'
FATALIDADE
Padre cai de pedra em cachoeira e corpo é encontrado em poço
GANGUE DO TIJOLO
Menores entre 13 e 17 anos formam bando e fazem 'arrastão'; veja vídeo
LUZ DO DIA
Empresário é executado com três tiros dentro de carro
SELFIE DA MORTE
Professora tenta tirar selfie e morre afogada ao cair no mar