Menu
SADER_FULL
domingo, 29 de março de 2020
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
ÁGUAS DE BONITO
Brasil

Trabalhadores dos Correios podem entrar em greve amanhã em Mato Grosso do Sul

16 Set 2013 - 16h50Por Correio do Estado

Os trabalhadores dos Correios de Mato Grosso do Sul decidem amanhã (17) se irão aderir ao movimento de greve nacional que já começou em diversos estados. A Assembléia Geral está marcada para às 20h, na sede do Sindicato dos Trabalhadores na Empresa dos Correios, Telégrafos e Similares (Sintect-MS).

A categoria reivindica 8% de reajuste linear, inclusive sobre os benefícios, mais 15% de reposição das perdas. Na sexta-feira (13), a empresa apresentou uma proposta que não agradou a categoria. Foi oferecido aos trabalhadores reajuste de 8% e 6,27% sobre os benefícios.

De acordo com Alexandre Takachi, secretário geral do Sintect-MS, a empresa não considerou os demais pontos da pauta de reivindicações da categoria, dentre eles, condições de trabalho, jornada de 6h para os atendentes, entrega de correspondências pela manhã, entre outras reivindicações.

Deixe seu Comentário

Leia Também

FÁTIMA DO SUL - ATENÇÃO COMÉRCIO
Em novo Decreto, confira o que vai poder abrir e permanecer fechando nesta segunda em Fátima do Sul
CORONAVÍRUS NO BRASIL
Justiça suspende trecho decreto de Bolsonaro que livra igrejas de quarentena
CORONAVÍRUS NO BRASIL
Senado votará na segunda auxílio de R$ 600 para trabalhadores
TRABALHO VOLUNTÁRIO
Detentas começam confeccionar máscara de proteção para atender Jateí, Vicentina e Fátima do Sul
COVID-19 NO BRASIL
Brasil tem 92 mortes e 3.417 casos confirmados de novo coronavírus, diz Ministério da Saúde
PANDEMIA CORONAVIROS
São Paulo tem 68 mortos por coronavírus, média de uma a cada 2 horas e 20 minutos, e 1.223 casos
LINHA DE CRÉDITO
Governo lança pacote de R$ 40 bi para socorrer pequenas e médias empresas
AMOR AO PROXIMO
Xuxa vai doar R$ 1 milhão ao SUS para combate ao coronavírus
77 MORTOS
Casos de coronavírus no Brasil em 27 de março
REFORÇO
Câmara aprova projeto que prevê R$ 600 por mês ao trabalhador informal por conta do coronavírus