Menu
SADER_FULL
sábado, 11 de julho de 2020
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
ÁGUAS DE BONITO
Brasil

TCU quer saber para onde foram R$ 18,6 bi da Cide

12 Ago 2004 - 10h03

O Tribunal de Contas da União (TCU) deu um prazo de 15 dias para que o governo federal informe em detalhes o que fez com os R$ 18,6 bilhões arrecadados com a Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (Cide), desde o início da sua vigência, em 2002, até junho deste ano.

Determinou ainda que os relatórios de aplicação sejam feitos mensalmente neste segundo semestre e a cada três meses a partir de 2005.

A determinação foi aprovada por iniciativa do ministro Marcos Vilaça, que já vinha alertando para a precariedade das estradas brasileiras, cuja reforma e conservação teoricamente deveria estar sendo feita com o dinheiro da Cide.

"Os contribuintes têm de saber quanto estão pagando e o que estão recebendo em troca. Para quem administra a contribuição, informar isso não é mais do que um dever, cujo cumprimento compete ao TCU exigir, em nome da legitimidade no emprego dos recursos públicos", diz Vilaça.

O pedido de informações do TCU será enviado aos Ministérios da Fazenda, dos Transportes e do Planejamento. O tribunal quer saber qual a aplicação de recursos por programa e também quanto foi o investimento geral em transportes, separando o que foi financiado pela Cide e o que foi bancado por outras fontes de receita.

Atualmente, o consumidor paga de Cide R$ 0,26 por cada litro de gasolina, e o governo tem liberdade para elevar essa contribuição até R$ 0,56 por decreto. Em teoria, a contribuição foi criada como um "colchão", para ser elevado quando o petróleo estivesse barato e reduzido quando o petróleo estivesse caro. Nesse processo, o preço ao consumidor não mudaria, ficando imune às oscilações de curto prazo.

A emenda constitucional que criou a Cide previa ainda que os recursos fossem aplicados em infra-estrutura de transportes, em projetos de meio ambiente e em subsídios ao gás, mas essa regra nunca foi seguida à risca pelo governo pois o texto até hoje não foi regulamentado. No início de 2003, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva vetou praticamente toda a regulamentação aprovada pelo Congresso.

Na prática, o governo não pode usar a receita da Cide para pagar juros da dívida, mas nada impede que ele não gaste o dinheiro. E o dinheiro não gasto, que fica parado no caixa do Tesouro, é contabilizado no superávit primário e abatido do valor da dívida bruta.

 

ASSOMASUL


Deixe seu Comentário

Leia Também

VÍTIMAS DE COVID-19
Mãe de médico morre horas após o filho e dois dias após o pai, vítimas da covid
VÍTIMA DE COVID-19
Covid tira de cena um dos últimos montadores do carro brasileiro
CD TRIBUTO AO PADRE ZEZINHO
No ano em Padre Zezinho faz 79 anos, Manoel Caires lança seu primeiro CD 'Tributo ao Padre Zezinho'
PAGAMENTO DO AUXILIO
Confira o calendário para saque em dinheiro do auxílio emergencial
AUXILIO EMERGENCIAL
Governo vai liberar mais 1,5 milhão de auxílios. Saiba como reclamar se o seu for negado
NÚMEROS DA ÚLTIMAS 24H
Os números da covid-19 no Brasil, atualizados diariamente
RECUPERAÇÃO
Dinho Ouro Preto revela sequelas após covid-19, ele já teve gripe suína e dengue
SOS SAUDE
Em 24 horas, nove pessoas morrem em casa pela covid-19 sem atendimento médico
BORA PRA BONITO - MS???
Bonito (MS) irá operar com tarifa de baixa temporada até 18 de dezembro e descontos de até 60%
BONITO - MS - REABERTURA COM SEGURANÇA
Hotel Águas de Bonito te espera com toda segurança e responsabilidade, bora pra Bonito (MS)?