Menu
SADER_FULL
sexta, 17 de setembro de 2021
Busca
Brasil

Tarifa social passa a ter foco nas famílias mais pobres

22 Jan 2010 - 10h32Por Agência Brasil

 
A apartir de agora, a tarifa de energia elétrica subsidiada pelo governo federal será voltada apenas para as famílias mais pobres.

A medida está prevista na Lei de Tarifa Social de Energia Elétrica, sancionada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, durante reunião com o ministro de Minas e Energia, Edison Lobão.

A tarifa social já existe e beneficia 18 milhões de famílias, sendo 14 milhões deles com desconto automático por consumir 80 kWh de energia por mês.

Esse desconto automático acaba, porque alcança pessoas de renda maior e que tinham baixo consumo, como os moradores de flats e casas de veraneio.

Com a nova lei, as famílias devem procurar a prefeitura do município onde moram e entrar para o Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal para ter direito ao desconto.

O cadastro é base de dados para programas como o Bolsa Família. Pelas contas do ministro Lobão, a mudança pode expandir a tarifa social para 22 milhões de famílias.

Pela lei, índios e quilombolas que tenham consumo mensal de até 50 kWh por mês estarão isentos do pagamento.

A legislação também cria condições especiais de pagamento para famílias portadores de deficiência e idosos com mais de 70 anos. Para tanto, essas pessoas terão que comprovar que não têm recursos para pagar a conta.

Segundo Lobão, até agora o critério para isenção ou subsídio do pagamento tinha como base o consumo. A partir de agora, a concessão desses benefícios se dará com base na renda do usuário, ou seja, quem ganha até meio salário mínimo.

A lei recebeu três vetos. Um deles foi a ampliação pelo Congresso Nacional da incidência do PIS/Cofins. Para o governo, os benefícios concedidos já são amplos e a medida não se justifica, explicou Lobão.

O presidente também preservou o instrumento que permite aos estados beneficiar-se do sistema interligado único, que havia sido derrubado pelo Congresso.

Com o terceiro veto, foram equiparadas as famílias de quilombolas e de índios com consumo mensal superior a 50 kWh por mês aos consumidores de baixa renda, com direito aos mesmo benefícios. A lei previa que essa faixa de consumidores pagaria a tarifa normal.

Deixe seu Comentário

Leia Também

VOLTOU A SUBIR
Covid-19: ministério registra 34,4 mil casos e 643 mortes em 24 horas
COMOÇÃO E REVOLTA
Menina de 5 anos é morta com tiro na cabeça enquanto caminhava para comprar lanche
CEF de Fátima do Sul OPORTUNIDADE
Caixa abre concurso com salários de mais de R$ 3 mil; confira
QUASE 600 MIL MORTES
Covid-19: mortes sobem para 588,5 mil e casos, para 21,03 milhões
LIÇÕES DA BÍBLIA
Uma rua de mão dupla
LATROCINIO
Dupla invade casa, tranca mulher e crianças em quarto e mata homem degolado
SAQUE EMERGENCIAL
Caixa cria calendário para liberar nova rodada de dinheiro do FGTS
TRAGEDIA AÉREA
Acidente aéreo mata sócio da Raizen e outras seis pessoas
LIÇÕES DA BÍBLIA
Um missionário irado e inquieto
LARVAS
Vídeos mostram peixes frescos recheados de vermes; veja