Menu
SADER_FULL
terça, 29 de setembro de 2020
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
ÁGUAS DE BONITO
Brasil

Só 10% das denúncias de violência contra mulheres viram processos

1 Set 2010 - 11h39Por Diário MS
A aplicação da Lei Maria da Penha, que prevê medidas de proteção às vítimas de violência doméstica e familiar, ainda é uma desafio para o Judiciário, mas sua eficácia já foi demonstrada desde que foi criada, há quatro anos. A estatística sobre a aplicabilidade mostra que nas cidades do interior o desafio é maior. Casos relatados na Comarca de Ponta Porã, por exemplo, mostram que apenas 10% das vítimas mantêm as denúncias contra agressores e dão continuidade aos processos.
Para assegurar a aplicabilidade da Lei Maria da Penha o CNJ (Conselho Nacional de Justiça) está promovendo campanha com o objetivo de não apenas informar sobre o alcance da legislação, mas a garantia de sua aplicação e eficácia. “A efetividade da Lei Maria da Penha é uma política judiciária executada pelo CNJ em favor da mulher vítima da violência doméstica e familiar, em conjunto com os tribunais dos estados”, informa o TJMS, seu site.
De acordo com o juiz auxiliar da Corregedoria do TJMS, Ruy Celso Barbosa Florence, a rede de proteção à mulher está funcionando bem em Mato Grosso do Sul. Segundo ele, nenhum caso de violência fica sem notificação - os próprios hospitais, albergues e outros locais que recebem mulheres vítimas de agressão informam delegacias e os casos chegam aos órgãos do Judiciário. O conhecimento sobre o alcance da lei e sua eficácia estimula a denúncia, mas nem sempre essa denúncia resulta em aplicação total, segundo o juiz.
A juíza Patrícia Kelling Karloh, da Vara Criminal de Ponta Porã, observa que muitas mulheres denunciam o agressor, mas em seguida desistem de representar contra ele, pois querem apenas que cesse a violência e não a separação do casal.
De acordo com levantamento feito pela juíza, das 40 audiências preliminares realizadas entre 16 e 20 de agosto na Vara Criminal de Ponta Porã, todas relacionadas à agressão a mulheres, apenas quatro deram prosseguimento a ação e pedido de ‘medidas protetivas’. Desses quatro casos, dois eram recorrentes, um resultado de separação e outro de parente que dividia a mesma casa com o agressor.
Segundo a juíza, é comum observar, também, que durante o curso do processo a vítima passa a não querer mais a condenação do agressor, em razão da reconciliação. “No transcurso do processo, normalmente vemos que os casais se reconciliam, geralmente nos casos em que ocorre a dependência material ou psicológica da mulher em relação ao agressor”. Assim, são raros os casos de sentença condenatória.

DEPENDÊNCIA

O juiz Ruy Celso Florence diz que o fato da maioria das vítimas não querer prosseguir com as ações nas cidades do interior se deve ao fato de nessas localidades a dependência da mulher em relação ao marido ser maior por questões sócio-culturais. “A mulher da cidade grande é mais independente e possui maior liberdade para tomar suas decisões”.
O juiz auxiliar da Corregedoria adverte que os magistrados devem realizar a audiência de conciliação de forma separada, como manda a legislação, e tentar descobrir o cerne da agressão, pois quando isso não é feito, ocorre o risco de o processo ser anulado e, em consequência, prescrito.

ESTATÍSTICAS

De acordo com a Coordenadoria de Políticas Públicas para a Mulher, Mato Grosso do Sul teve no primeiro semestre 639 casos de violência doméstica apurados, embora a Central de Atendimento à Mulher tenha registrado 3.494 ligações de denúncias de agressões.
Levantamento mostra que a maioria das mulheres que ligam para a Central tem entre 25 e 50 anos. Mais de 50% das agressões são praticadas pelo próprio companheiro e, dessas mulheres, 48% são agredidas diariamente, das quais 54% não dependem financeiramente do agressor.
Entre os tipos de violência, as que mais são relatadas referem-se a agressões físicas, psicológicas, morais e ameaças. Os outros tipos de queixas denunciadas na Central nos primeiros seis meses de 2010 são violência sexual, patrimonial, cárcere privado e tentativa de homicídio.
As Varas de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher, instaladas em 85% dos tribunais estaduais do país, ajudam a inibir a prática dos maus tratos, atua na recuperação dos agressores e possibilita a reabilitação familiar.
Uma vez ao ano, desde 2007, o CNJ realiza a Jornada de Trabalhos sobre a Lei Maria da Penha. Como resultado de todo esse esforço, tramitam nas varas especializadas em violência contra a mulher aproximadamente 200 mil processos. (*) Com informações do site do TJMS

Deixe seu Comentário

Leia Também

PANDEMIA
Covid-19: Brasil tem 142 mil óbitos e 4,74 milhões de casos acumulados
+ CONSUMO
Intenção de consumo das famílias volta a crescer após cinco quedas
Motorista registrou a travessia de uma jiboia na avenida Ayrton Senna, na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro. FORA DO HABITAT
VÍDEO: motorista flagra jiboia cruzando pista de avenida no RJ: 'olha isso'
Só queria que me entendessem sem preconceito! PRECONCEITO
Jovem é expulso de casa ao assumir namoro com mulher trans
Yan e um comparsa renderam mãe e filha na rua CRIMINOSO
Bandido morto pela PM arrancou família de carro e agrediu mulher uma semana antes
O diesel não sofreu reajuste. + ALTA
Gasolina sobe 4% nas refinarias, anuncia Petrobras
O total de mortes causadas por covid-19 chega a 138.108, um acréscimo de 0,6% sobre a soma de segunda Saúde
Covid-19: Brasil tem 33,5 mil novos casos e 836 mortes em 24 horas
HERANÇA PORTUGUESA
A herança portuguesa na vida cotidiana do Brasil
Os beneficiários nascidos em janeiro  3,9 milhões de pessoas  poderão sacar AJUDA FINANCEIRA
Caixa paga nova parcela do auxílio emergencial para 5,6 milhões de pessoas
o maior programa de assistência aos mais pobres no Brasil e talvez um dos maiores do mundo PRESIDENTE NA ONU
Bolsonaro diz que brasileiros receberam mil dólares de auxílio