Menu
SADER_FULL
sábado, 8 de maio de 2021
Busca
Brasil

Sistema digitaliza o banco de identificação civil do Estado

16 Jun 2010 - 13h01

Mato Grosso do Sul vai ganhar um banco de dados datiloscópico totalmente digitalizado. Hoje (16), o governador André Puccinelli assina o contrato de prestação de serviços, no valor de R$ 13.389.300,00 com a empresa American Banknote S.A. A companhia vencedora da licitação será responsável pela total digitalização do acervo datiloscópico do Instituto de Identificação do Estado que, de acordo com o coordenador perito papiloscopista Celso José de Souza, tem quase dois milhões de dados.

O contrato será assinado durante solenidade no auditório da Escola de Saúde Pública Dr. Jorge David Nasser, que fica na avenida Senador Filinto Muller, ao lado da Coordenadoria Geral de Perícias (CGP). Com isso, o Estado passa a ter um dos mais modernos sistemas de coleta e armazenamento de informações datiloscópicas do País. “É um sistema que nós trouxemos do Rio Grande do Sul e vamos aplicar aqui no Estado”, explica o perito papiloscopista Celso José.

Além de ter todo o banco de informações digitalizado, o Instituto de Identificação passa a contar com a coleta de dados totalmente digitalizada. “Hoje somente a relação nominal é digital”, lembra. A partir da implantação do novo sistema, aqueles que precisarem tirar uma carteira de identidade civil não precisarão mais sujar os dedos com tintas para a coleta de impressões digitais. Todo o processo de armazenamento de informações será digitalizado.

“Inicialmente vamos implantar este novo sistema no posto de identificação central de Campo Grande, nos três Práticos espalhados pela Capital (Guaicurus, General Osório e Aero Rancho) e em 11 regionais do interior do Estado”, enumera. De acordo com o coordenador do Instituto de Identificação, o novo sistema vai beneficiar principalmente na economia de tempo gasto na busca manual das informações do banco de dados.

Atualmente, todas as vezes que há uma solicitação de nova via de identidade, por exemplo, o perito papiloscopista utiliza uma fórmula datiloscópica para a verificação e busca manual das impressões digitais já armazenadas. “Hoje esta busca pode demorar de 35 a 50 dias na Capital. No interior é entre 45 e 60 dias. Com o sistema novo, em Campo Grande a espera pela busca fica em torno de cinco dias e para o interior em até 15 dias”, prevê.

“Esta análise no banco de dados é feita principalmente para verificação de possíveis fraudes e para auxiliar o trabalho policial. O sistema vai trazer eficiência ao serviço realizado pelo perito papiloscopista, garante efetividade, celeridade e mais segurança nas informações”, observa Celso.

Segundo o coordenador do instituto, a expectativa é de que em até quatro meses o sistema já esteja funcionando no Estado. Os peritos papiloscopistas serão capacitados para trabalharem com o novo software que também deve integrar o banco de dados criminais. “E posteriormente este sistema terá interoperalidade com o banco de dados da Polícia Federal”, salienta o perito.

As mudanças na coleta e armazenamento de dados civis não terão reflexo no valor cobrado para a confecção das cédulas de identidade. O coordenador do Instituto de Identificação garante que os valores praticados hoje não serão alterados em vista da aplicação da nova tecnologia.

Deixe seu Comentário

Leia Também

ESCALADA DA VIOLÊNCIA
Operação mais letal da história deixa 25 mortos no Jacarezinho
VITIMA DO MASSACRE
'Fiquei vendo costurarem os ferimentos. Chorava, orava e agradecia por ele estar vivo, diz mãe
FRIO - FÁTIMA DO SUL NOVA ONDA DE FRIO
Frio de origem polar começa a ser sentido novamente e terá geada
TERROR NA CRECHE
Sob forte emoção moradores de Saudades realizam velório coletivo das vítimas do ataque à creche
CHEGANDO FORTE
Frio chega com força e provoca geada no Sul
TERROR EM CRECHE
Jovem invade escola e mata três crianças e duas funcionárias
PÉSSIMA PROJEÇÃO
Covid-19: Brasil deve alcançar 575 mil mortes em 1º de agosto, diz instituto
SONHO INTERROMPIDO
Jovem perde noivo para a Covid-19 no dia do casamento: 'Nossos sonhos ficaram para trás'
PANDEMIA CORONAVIRUS
Triste número: Brasil ultrapassa 400 mil mortes por Covid-19
REVOLTA
Pastor zomba da fé dos indígenas Trukás que revoltados quebram templo em construção; veja o vídeo