Menu
SADER_FULL
sexta, 14 de maio de 2021
Busca
Brasil

Servidores completam 8 dias de greve em Iguatemi

20 Jul 2010 - 13h16Por Portal do MS

Mobilização por reajuste salarial completa 8 dias nesta terça-feira em Iguatemi, e a prefeitura já anunciou que não dará qualquer aumento, alegando problemas financeiros.

A greve geral foi deflagrada no dia 12 de junho, em busca de 14% de aumento para os funcionários públicos municipais. Depois da primeira rodada de negociações e a negativa da prefeitura à proposta, o sindicato que representa os servidores propôs reajuste linear de R$ 70,00, que depois foi rebaixado para R$ 50,00, mas que também foi negado pelo executivo.

“Não vamos conseguir dar nada neste ano. Demos 8% no ano passado, apesar da Assomasul (Associação dos Municípios) ter recomendado não reajustar mais de 4%. Hoje sofremos as conseqüências”, admite o prefeito José Roberto Felipe Arcoverde (PSDB).

Com 597 servidores no município, a população já sente os reflexos da paralisação. A prefeitura tem recebido reclamações sobre falta de coleta de lixo e problemas de atendimento em unidades de saúde.

“Já colocamos o Jurídico para verificar se eles estão respeitando o que o juiz determinou que é permanecer com 50% dos funcionários em serviço”, avisa o prefeito.

O sindicato garante que os serviços são mantidos em creches, pronto-socorro, coleta de lixo e transporte escolar.

Na última semana, a prefeitura tentou dar aumento em forma de Auxílio Alimentação de R$ 50,00, mas a categoria rejeitou a sugestão, porque seria apenas para servidores que tem remuneração inferior à R$ 1, 149,12.

“Tentamos de todas as formas apresentar outras sugestões para que a administração concedesse o reajuste, mas todas foram negadas mostrando o total desinteresse da administração com seus servidores. Por isso, nossa única saída é deflagrar a greve e paralisar com o serviço público para demonstrar a nossa indignação com a falta de valorização de nossos servidores”, justificou o Sindicado dos Servidores Municipais de Iguatemi, em nota à imprensa. disse a direção do Sindicato.

Os servidores estão desde o inicio da greve acampados em frente ao paço municipal. Apesar dos protestos, o prefeito diz que a única coisa que pode fazer no momento é apresentar números. “Tento provar que não houve aumento de receita que esperávamos, que tudo ficou estagnado e por isso não temos como reajustar salários”.

Segundo ele, um agravante foi o fechamento do frigorífico Frialto, que demitiu 700 funcionários este ano, reduziu a arrecadação de impostos no município e a circulação de dinheiro.

“A cidade passa por momento difícil, mas estamos pagando em dia e tenho compromisso com a Lei de Responsabilidade Fiscal”, argumenta.

Deixe seu Comentário

Leia Também

SONHO INTERROMPIDO
Agente educacional morta em ataque a creche em Saudades queria fazer intercâmbio no Canadá
PESQUISA PRESIDENCIAL
Datafolha mostra Lula disparado na corrida eleitoral
NOVA INFECÇÃO
Covid-19: após 3 semanas de queda, casos de coronavírus avançam no Brasil puxados por 9 Estados
TRISTEZA NA FAMILIA
Seis pessoas da mesma familia morrem vítimas da Covid-19
NOVAS REGRAS
WhatsApp: o que acontece se você não aceitar novas regras do aplicativo até 15 de maio
FAMOSIDADES
Pai da campeã do 'BBB 21' Juliette vive em casinha de barro na Paraíba
CACHAÇA
Jovem enfia garrafa no ânus durante bebedeira e vai parar no hospital
ESCALADA DA VIOLÊNCIA
Operação mais letal da história deixa 25 mortos no Jacarezinho
VITIMA DO MASSACRE
'Fiquei vendo costurarem os ferimentos. Chorava, orava e agradecia por ele estar vivo, diz mãe
FRIO - FÁTIMA DO SUL NOVA ONDA DE FRIO
Frio de origem polar começa a ser sentido novamente e terá geada