Menu
SADER_FULL
sexta, 18 de setembro de 2020
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
ZANZI
Brasil

Serra liga Dilma ao MST; petista destaca índices de crescimento

28 Out 2010 - 06h20Por Portal G1

O programa da candidata petista Dilma Rousseff veiculado na noite desta quarta-feira (27) começou como um esclarecimento sobre alguns temas mostrados no programa do adversário José Serra. "Vamos à verdade dos fatos. A verdade é que Lula e Dilma nunca privatizaram nem vão privatizar as riquezas do país. Com Lula e Dilma o pré-sal foi descoberto e é valorizado. Essa é a verdade, o resto é desespero de quem está atrás das pesquisas", disse o locutor.

A candidata petista começou sua participação no programa destacando os índices de crescimento da economia no governo Lula. Segundo o programa, 36 milhões de brasileiros entraram na classe média, 28 milhões saíram da linha de pobreza e foram gerados quase 15 milhões de empregos.

“Houve épocas na nossa história, no caso do governo passado, que a economia ia mal e a inflação também. Faltava comida na mesa. Tenho orgulho maior de ter participado do governo que mudou essa história e colocou o país no rumo certo, no rumo do crescimento. Os números etsão ai para comprovar essa mudança", disse a candidata.

Logo em seguida, um apresentador mostrou recortes de jornais em que Serra teria afirmado que era contra o programa Bolsa-Família. “Durante a campanha, meu adversário tem criticado a ação econômica do nosso governo. Ele não explica o que quer fazer, mas o povo sabe como eles fizeram. Como ministro do Planejamento do governo anterior, ele [Serra] foi o coordenador do programa de privatizações. Nesta época, a economia não cresceu, e a renda não aumentou. Se for eleita, vou dar mais força aos programas que estão em andamento", afirmou a petista.

Durante o programa, foram apresentadas propostas da candidata para reduzir os impostos das empresas de ônibus, reduzir tributos sobre energia elétrica e reduzir impostos em folhas de pagamentos de empresas para incentivar a geração de mais empregos. “Esse é o grande perigo que se esconde atrás do modelo de governo que meu adversário representa [não crescimento]. Mas eu sinto que o povo brasileito já percebeu isso, a diferença entre o Brasil que vai avançar ainda mais com o nosso governo". O programa da candidata encerrou com uma homenagem ao aniversário do presidente Lula, comemorado nesta quarta-feira.

Serra

O candidato tucano à Presidência da República, José Serra, disse no programa eleitoral veiculado na noite desta quarta-feira (27) que presidente da República “precisa dar o exemplo, não deixar roubar na sala ao lado”.

“Para você que pode votar em mim, mas ainda não decidiu eu quero falar. O presidente que está saindo todos nós conhecemos, e no início do ano ele não estará mais em Brasília. O candidato que você vai votar vai cuidar da saúde, da segurança, por mais quatro anos. O candidato em que você vai votar vai cuidar da segurança da sua família, mas para isso ele precisa dar o exemplo, não deixar roubar na sala ao lado”, disse o tucano.

Durante todo o programa do tucano, um locutor fez comparações entre as ações de Serra e da candidata adversária, Dilma Rousseff (PT). “A Dilma entregou o petróleo brasileiro para 108 empresas”, disse o locutor. O programa também afirmou que Serra tem o “orgulho de contar” com o apoio de dois ex-presidentes da República: Itamar Franco e Fernando Henrique Cardoso. Na sequência, disse que Dilma tem o apoio dos ex-presidentes José Serney e de Fernando Collor.

O programa do tucano também afirmou que “Serra quer paz no campo”, e disse que o tucano “nunca apoiou, nem recebeu apoio do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST). “A Dilma tem o apoio do MST, a Dilma apóia o MST, o movimento que invade o campo, destrói máquinas e equipamentos”, disse o locutor.

O candidato a vice-presidente na chapa de Serra, Índio da Costa (DEM) teve sua história política apresentada. Durante o horário eleitoral, Serra ainda prometeu ações para a saúde, estradas e segurança, e acusou o governo Lula de estar com 60% das obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) atrasadas. “Pense como a saúde e a segurança pioraram com Dilma. 60% das obras do PAC estão atrasadas. Dilma prometeu e não entregou moradias”, disse o locutor.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Os beneficiários nascidos em janeiro  3,9 milhões de pessoas  poderão sacar AUXILIO EMERGENCIAL
Caixa abre 770 agências amanhã das 8h às 12h
Apesar do esforço médico a adolescente não resistiu. DESCARGA FATAL
Adolescente segura extensão de energia e morre após sofrer descarga elétrica
Assaltante magro está com um revólver na mão direito e boné na esquerda TERROR NA RODOVIA
Vídeo mostra ação extremamente violenta de ladrões em Rodovia
As imagens mostram que a vítima estava prestes a sair de moto VIOLENCIA NA CIDADE
Homem é flagrado agredindo e tentando atropelar a ex; veja vídeo
Bolsonaro autorizou estudos para a área. PROGRAMA ASSISTENCIAL
Após desistir do Renda Brasil, Bolsonaro autoriza criação de novo programa social
Bolsonaro com Ricardo Barros APREENSÃO
Gaeco cumpre mandado em escritório de Ricardo Barros, lider do governo Bolsonaro na Câmara
presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ) AGORA
Maia testa positivo para Covid-19, informa assessoria do deputado
 Joice Pastre, 27 anos, morreu na última sexta-feira (11) GESTO NOBRE
Família doa órgãos de jovem que sofreu aneurisma cerebral
Agência da Caixa atenderá em Fátima do Sul nesta quarta feira AUXILIO EMERGENCIAL
Caixa paga auxílio emergencial para 3,9 mi nascidos em junho
Na semana passada, Bolsonaro descartou o fim do seguro-defeso BOLSA FAMILIA
Governo vai manter o Bolsa Família, diz Bolsonaro