Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
domingo, 11 de abril de 2021
Busca
Brasil

Seqüestrador de Abilio Diniz é preso no Ceará

23 Set 2004 - 13h31
A Polícia Federal prendeu ontem, num sítio localizado em Aquiraz, na região metropolitana de Fortaleza, Rosélio Costa Freire, um dos seqüestradores do empresário Abílio Diniz, e José Helton Cunha, por tráfico de drogas e associação ao tráfico.

Conforme o jornal O Globo, eles portavam 9,8 quilos de cocaína, 13 gramas de maconha e uma espingarda. Se condenados, podem pegar de três a 15 anos de prisão. Rosélio deve perder a liberdade condicional.

Rosélio é cearense e era o único brasileiro no grupo de seqüestradores do empresário Abílio Diniz, do Grupo Pão de Açúcar, ocorrido em dezembro de 1989. O bando era formado por dois canadenses, dois argentinos e cinco chilenos. Diniz ficou preso em cativeiro por uma semana.

Rosélio foi condenado a 17 anos de prisão e cumpriu 10 anos no Carandiru. Em janeiro de 1999, foi transferido para o Ceará e, em abril do mesmo ano, conseguiu a liberdade condicional.

 

 

Terra Redação

Deixe seu Comentário

Leia Também

NOVO CÓDIGO DE TRANSITO
Novo Código de Trânsito entra em vigor na segunda-feira; veja mudanças
LOCKDOWN É A SOLUÇÃO?
Araraquara X Bauru: dois retratos do Brasil com e sem lockdown contra a covid-19
AGRICULTURA SUSTENTAVEL NO MUNDO
II Congresso Mundial de Integração Lavoura-Pecuária-Floresta deve receber 1 mil inscrições
MORTANDADE
Brasil bate marca de 4 mil mortes por Covid registradas em um dia pela 1ª vez
COPA LIBERTADORES
Santos vence o San Lorenzo na Argentina e abre vantagem por vaga nos grupos da Libertadores
FATALIDADE
Técnico de informática morre após levar choque a partir de fone de ouvido
CANALHA
Pai comete estupro e diz que filha precisa saber "como é ter um homem"
SOB INVESTIGAÇÃO
Cantor gospel e pastor é encontrado morto e amarrado em árvore
CONTAMINAÇÃO
Igrejas superam mercado e consultório médico em risco de transmissão de Covid-19, aponta estudo
CRISE NA PANDEMIA
Número de brasileiros que vivem na pobreza quase triplicou em seis meses, diz FGV