Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
sexta, 5 de março de 2021
SADER_FULL
Busca
Brasil

Senado: Comissão aprova fim de coligações em eleição de deputados e vereadores

23 Mar 2011 - 10h09Por Folha

A Comissão de Reforma Política do Senado aprovou nesta terça-feira o fim das coligações partidárias nas eleições proporcionais brasileiras.

Em mais de duas horas de reunião, não outro houve consenso sobre as mudanças no sistema eleitoral do país --o que vai resultar em um novo encontro da comissão na quinta-feira para que os senadores decidam entre os três sistemas mais votados na reunião de hoje.

O sistema escolhido por 5 dos 15 membros da comissão foi o voto proporcional com listas fechadas --que mantém o atual modelo eleitoral do país, mas os eleitores passam a votar nos partidos e não mais diretamente nos candidatos.

Como não houve maioria absoluta em favor do voto proporcional com listas fechadas, haverá uma nova votação.

Com o apoio de quatro senadores, o sistema de voto distrito misto com listas fechadas estabelece que parte dos deputados será eleita pelo voto proporcional --e outra pelo voto majoritário. O partido vai apresentar seu candidato em cada distrito e o mais votado em cada um será eleito --com base na distribuição proporcional.

Já o chamado "distritão" também recebeu quatro votos, por isso vai disputar com os dois sistemas anteriores o apoio da maioria da comissão.

Nesse modelo, os Estados e o Distrito Federal são transformados em distritos, com a eleição de seus representantes pelo voto majoritário.

A comissão rejeitou outras quatro propostas que modificam o sistema eleitoral brasileiro, entre elas as que estabelecem listas abertas --seja no sistema majoritário ou proporcional. Nas listas abertas, os eleitores votam nos candidatos, e não diretamente nos partidos.

Diante o impasse, o senador Itamar Franco (PPS-MG) não escondeu o pessimismo com os resultados da comissão.

"Ficou provado que essa reforma não sai. É por isso que não temos uma reforma política desde 1993", afirmou.

O presidente da comissão, senador Francisco Dornelles (PP-RJ), disse que os senadores terão que apoiar uma das três propostas vitoriosas --mesmo que sejam contrários a elas. "Quem não estiver de acordo, vai ter que se abster", afirmou.

COLIGAÇÕES

Se o texto aprovado na comissão for mantido pelo Congresso, os partidos políticos ficam proibidos de formar coligações nas eleições para a Câmara dos Deputados, Assembleias e Câmaras de Vereadores. Ficam mantidas as coligações somente nas eleições majoritárias (presidente da República, governos estaduais e Senado).

"Sou absolutamente contra as coligações, que se transformaram em um mercado paralelo para tempo no horário gratuito de rádio e TV. Não se fazem mais por princípios, mas pela propaganda partidária", disse o senador Roberto Requião (PMDB-PR).

Deixe seu Comentário

Leia Também

TRISTEZA NA FAMILIA
'Não tem UTI,amo vcs':a história por trás do tuíte viral que revela mensagens de mãe morta por covid
DISPARO ACIDENTAL
Assessor em fazenda do cantor Leonardo morre vitima de tiro acidental
VIOLENCIA DOMESTICA
Vítima de violência doméstica escreve bilhete com pedido SOS em agência bancária: 'Ele tá ai fora'
ALERTA AO CPF
Confira se o seu CPF foi usado de maneira IRREGULAR por desconhecidos
VAMOS PREVENIR
Igreja Adventista vota documento com orientações sobre cultos e reuniões
ALERTA AOS JOVENS
O que está por trás da alta das internações de jovens com covid
BRASIL EM PÂNICO
Brasil tem novo recorde de mortes por covid em 24 horas: 1.910
100 TRÉGUA
Brasil registra 1.726 mortes em 24 horas e bate novo recorde na pandemia; total chega a 257,5 mil
EXECUÇÃO NA MADRUGADA
Dona de bar é degolada e corpo encontrado nos fundos do estabelecimento
ESTUPRO DE VULNERÁVEL
Filho de fazendeiro reclama de dor anal e mãe descobre estupro cometido por funcionário