Menu
SADER_FULL
terça, 30 de novembro de 2021
Busca
VAI À CÂMARA

Senado aprova pedido de habilitação para casamento pela internet

11 Mar 2010 - 05h49Por Uol

A Comissão de Constituição e Justiça do Senado aprovou nesta quarta-feira (10) o projeto de lei que autoriza o requerimento de habilitação para casamento civil via internet. Com a aprovação da lei, o casal não precisará ir ao cartório para realizar o serviço.

A justificativa da proposta, de autoria do senador Aloizio Mercadante (PT-SP), é que “a medida simplificará o casamento civil, na medida em que desburocratiza o procedimento de habilitação”. Os noivos não precisarão mais enfrentar filas para dar entrada na documentação do matrimônio. O casal, entretanto, ainda precisará comparecer ao cartório para efetivar a união civil.

A proposta acrescenta um parágrafo ao artigo 1.525 da lei nº 10.406, de 10 de janeiro de 2002 do Código Civil. Para ser colocada em prática, ela ainda precisa ser votada na Câmara dos Deputados e, se não houver acréscimo de emendas, seguirá para sanção presidencial. A medida entrará em vigor 180 dias após a publicação oficial.

Com a medida aprovada, os cartórios de registro civil têm prazo de seis meses para cumprir a nova regra.

Leia Também

PIX SAQUE
Pix Saque começa hoje:comércio vê nova ferramenta como chamariz para clientes,mas teme por segurança
TRAGÉDIA NA LINHA DO TREM
vítima comemorou aniversário do marido um dia antes de morrer com a filha em acidente com trem
COVID NO BRASIL
Covid-19: Brasil registra 229 óbitos e 9,2 mil novos casos
# PREVENIR É O REMÉDIO
Covid-19: Brasil registra 303 mortes e 12.126 casos em 24 horas
DESESPERO
Vídeo: veja momento em que calçada cede e pessoas caem em rio
PÂNICO NO AEROPORTO
Vídeo mostra passageiros gritando e muito desespero em avião da Azul; veja
EMBOSCADA
Jovem morre após ser atingida por tiro na cabeça
# PREVENIR É O REMÉDIO
Covid -19 casos sobem para 22,043 milhões e mortes, para 613,3 mil
ESTUPRO DE VUNERALVEL
Menina de 11 anos conta para avô que é estuprada pelo padrasto
CRUELDADE
Justiça nega exame de insanidade a mulher que esquartejou filho