Menu
BANNER EMAGRECEDOR VICENTINA
quinta, 15 de abril de 2021
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
Brasil

Semy pretende debater, na AL, abuso do poder econômico

20 Out 2004 - 17h09

"O abuso do poder econômico pôde ser constatado nas eleições municipais deste ano tanto em Mato Grosso do Sul como nos demais Estados brasileiros. Portanto, a reforma política precisa entrar urgentemente na pauta do Congresso Nacional”, afirmou o deputado estadual Semy Ferraz (PT). Ele disse que pretende batalhar pela união da classe política e da sociedade em um movimento para pressionar o Congresso a reformar o sistema político e impedir o abuso do poder econômico nas eleições. “Para abrir o debate contra essa situação insustentável e apresentar sugestões à reforma política, vou propor uma audiência pública na Assembléia Legislativa, em data a ser definida para breve”, afirmou.

Para o deputado, mais uma vez, ficou evidente nas eleições deste ano a influência do poderio financeiro de determinadas candidaturas no resultado das urnas. "Diversas formas de compra de voto foram constatadas, como pagamento de contas de luz e água de eleitores, doação de alimentos e até contratações de donos de bares e de cabeleireiros, formadores de opinião entre o eleitorado", exemplificou. Candidato à prefeitura de Paranaíba nas últimas eleições, ele disse ter sofrido diretamente o problema, sendo que chegou a denunciar à Justiça Eleitoral o abuso de poder econômico por parte do candidato eleito Manoel Ovídio (PL). Entretanto, o juiz da 13ª Zona Eleitoral entendeu que, apesar das provas, houve apenas "uso" e não "abuso" econômico.

O recurso contra a decisão, preparado pela assessoria jurídica de Semy ainda quando candidato, está tramitando no Tribunal Regional Eleitoral do Estado e, conforme o resultado, pode resultar na cassação de Ovídio. Para o deputado, é urgente a necessidade da Reforma Política, já que nem mesmo a Justiça Eleitoral dispõe de mecanismos para coibir a compra indiscriminada de votos, que acontece através de inúmeras formas de "driblar" a legislação. Exemplo claro disso, conforme ele, é a contratação de dezenas ou centenas de cabos eleitorais em véspera de eleição, fato que dificilmente pode ser impedido pela Justiça, pois ser entendido como contratação temporária de funcionários e não como compra de votos.

 

 

Assembléia Legislativa

Deixe seu Comentário

Leia Também

DESESPERADOR
Covid-19: Brasil registra 3.808 mortes em 24 horas
EXEMPLAR
Cidade modelo que vacinou 64% da população vê casos de covid-19 caírem 78%.
NOVO CÓDIGO DE TRANSITO
Novo Código de Trânsito entra em vigor na segunda-feira; veja mudanças
LOCKDOWN É A SOLUÇÃO?
Araraquara X Bauru: dois retratos do Brasil com e sem lockdown contra a covid-19
AGRICULTURA SUSTENTAVEL NO MUNDO
II Congresso Mundial de Integração Lavoura-Pecuária-Floresta deve receber 1 mil inscrições
MORTANDADE
Brasil bate marca de 4 mil mortes por Covid registradas em um dia pela 1ª vez
COPA LIBERTADORES
Santos vence o San Lorenzo na Argentina e abre vantagem por vaga nos grupos da Libertadores
FATALIDADE
Técnico de informática morre após levar choque a partir de fone de ouvido
CANALHA
Pai comete estupro e diz que filha precisa saber "como é ter um homem"
SOB INVESTIGAÇÃO
Cantor gospel e pastor é encontrado morto e amarrado em árvore