Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
sexta, 14 de maio de 2021
Busca
Brasil

Sem embalagem, Copa América supera Euro no campo

24 Jul 2004 - 10h55
Estádios modernos, presença maciça de torcedores e jogadores dos principais clubes da Europa poderiam fazer da Euro 2004, disputada em Portugal, uma competição imbatível. No entanto, os números provam que, dentro de campo, a Copa América, mesmo sem as estrelas brasileiras, como Ronaldo, Ronaldinho e Kaká, foi um torneio com mais atrativos.

A Copa América tem 2,95 gols de média por partida, contra 2,48 da Eurocopa. Além disso, nenhuma partida do torneio sul- americano terminou sem gols, fato que se repetiu em quatro oportunidades em Portugal. Nas 31 partidas da Euro, apenas sete tiveram quatro ou mais gols. Nos 24 jogos disputados até o momento no Peru, foram marcados quatro ou mais gols nove vezes.

A maior vantagem da Copa América sobre a Eurocopa, entretanto, está nos finalistas. Enquanto Portugal e Grécia fizeram uma decisão exótica, envolvendo a empolgação dos donos da casa contra o pragmatismo da zebra da competição, Brasil e Argentina, maiores potências do continente e rivais históricos, decidem pela primeira vez a competição sul- americana e chegam através do brilho de suas estrelas, casos do argentino Tevez e do brasileiro Adriano.

"A Eurocopa é superior em termos de glamour e organização. Afinal, os países europeus têm mais poderio econômico do que os sul-americanos. Por isso eles ganham em conforto e têm estádios melhores e mais modernos. Mas, em termos de qualidade, que é o que interessa, a Copa América não fica devendo nada. É igual ou melhor", disse o técnico da Seleção Brasileira, Carlos Alberto Parreira.

Antes do início da Copa América, o treinador esteve em Portugal para acompanhar algumas partidas da Eurocopa. Parreira chegou a fotografar os jogos para analisar taticamente o posicionamento das equipes.

Embora considere o torneio sul-americano uma competição de nível técnico elevado, Parreira ressalta o número de vencedores de Copas do Mundo na Eurocopa.

"Existem seleções em ascensão na América do Sul, como a Colômbia. Mas tinham todos os ex-campeões mundiais lá na Eurocopa e só faltavam Brasil e Argentina", afirmou o técnico, se esquecendo do Uruguai, campeão mundial em 30 e 50 e semifinalista da Copa América.

Os campeões mundiais, por sinal, fracassaram na Eurocopa. Itália e Alemanha não passaram nem da primeira fase, enquanto Inglaterra e França, consideradas favoritas ao título, caíram diante de Portugal e Grécia, nas quartas-de-final da competição. Já na América do Sul, os vencedores de Copas do Mundo não decepcionaram. Além de Brasil e Argentina, o Uruguai se recuperou de vexatória campanha nas eliminatórias para 2006 e disputa o terceiro lugar contra a Colômbia, neste sábado.

 

Terra Redação

Deixe seu Comentário

Leia Também

SONHO INTERROMPIDO
Agente educacional morta em ataque a creche em Saudades queria fazer intercâmbio no Canadá
PESQUISA PRESIDENCIAL
Datafolha mostra Lula disparado na corrida eleitoral
NOVA INFECÇÃO
Covid-19: após 3 semanas de queda, casos de coronavírus avançam no Brasil puxados por 9 Estados
TRISTEZA NA FAMILIA
Seis pessoas da mesma familia morrem vítimas da Covid-19
NOVAS REGRAS
WhatsApp: o que acontece se você não aceitar novas regras do aplicativo até 15 de maio
FAMOSIDADES
Pai da campeã do 'BBB 21' Juliette vive em casinha de barro na Paraíba
CACHAÇA
Jovem enfia garrafa no ânus durante bebedeira e vai parar no hospital
ESCALADA DA VIOLÊNCIA
Operação mais letal da história deixa 25 mortos no Jacarezinho
VITIMA DO MASSACRE
'Fiquei vendo costurarem os ferimentos. Chorava, orava e agradecia por ele estar vivo, diz mãe
FRIO - FÁTIMA DO SUL NOVA ONDA DE FRIO
Frio de origem polar começa a ser sentido novamente e terá geada